Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 27/05/2013 | 18h16

São Paulo lidera produção, mas perde participação

Crescimento e surgimento de outros polos pulverizam produção nacional veículos

SUELI REIS, AB

O polo automotivo paulista continua líder isolado no ranking dos maiores produtores de veículos do Brasil: o Estado encerrou 2012 com participação de 42,1% de um total de 3,41 milhões de unidades produzidas no período, segundo dados recentemente compilados pela Anfavea, associação que reúne as montadoras. O índice representa leve recuo de 0,4 ponto porcentual sobre a fatia do ano anterior, de 42,5%. São Paulo abriga o maior número de fábricas consideradas pela entidade no levantamento, com 11 linhas de montagem de veículos no total: Ford, General Motors (2), Honda, Hyundai, Mercedes-Benz, Scania, Toyota (2) e Volkswagen (2).

Os números da entidade revelam que dos oito polos produtivos existentes, quatro deles viram sua participação nas atividades industriais do setor automotivo diminuir durante o ano passado: além de São Paulo, Rio Grande do Sul, Goiás e Rio de Janeiro. Enquanto Bahia e Amazonas permaneceram no mesmo patamar de 2011, os polos de Minas Gerais e Paraná registraram fatia maior na produção nacional de veículos na comparação com 2011.

O Estado mineiro, onde estão instaladas as fábricas de Fiat, Iveco e Mercedes-Benz, passou de uma participação de 22,9% em 2011 para 24,8% para 2012, aumento de 1,9 ponto porcentual. O crescimento se deve principalmente ao retorno das atividades da unidade da Mercedes-Benz, com a montagem de caminhões, além do aumento gradual da capacidade da fábrica de automóveis da Fiat.

No Paraná, a participação na produção nacional subiu 1,8 ponto porcentual entre 2011 e 2012, para 15,1%. No Estado funcionam as plantas de Renault e Nissan (no mesmo complexo) além das unidades de Volkswagen e Volvo. A participação do polo paranaense registrou crescimento médio de 1,7 ponto porcentual nos últimos dois anos, em parte pelo aumento acelerado da produção da Renault: o resultado está nas vendas de 2012 da marca francesa, que saltaram 24,3% sobre o ano anterior, três vezes mais que o mercado de veículos leves, cujo crescimento foi de 6,08% no período. O aumento da produção de veículos no Estado também se deve ao fato de não ter havido greves no ano passado, diferente de 2011. Além disso, a fábrica da VW é responsável pela produção do modelo Fox, o segundo mais produzido e exportado pela montadora no Brasil.

No caso da Bahia, em 2012 manteve o índice de participação do ano anterior, em 5,5%, mas a tendência é de que o Estado aumente sua fatia, principalmente em 2014, quando as chinesas JAC e Foton Motors prometem iniciar suas operações fabris, ambas em Camaçari, onde a Ford já mantém seu complexo industrial de automóveis. No Amazonas, onde a Anfavea considera a montagem da Mahindra, a produção não atingiu índices significativos em 2011 e 2012.

escrever

EVOLUÇÃO

Há 22 anos, portanto em 1990, a produção nacional de veículos limitava-se a pouco mais de 914 mil unidades com atividade distribuída em apenas quatro estados: São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul. Naquela época, São Paulo respondia por 74,8% da produção, quando já abrigava Ford, General Motors, Mercedes-Benz, Scania, Toyota e Volkswagen, além das extintas Gurgel e Engesa (esta última era focada em veículos de defesa).

Minas Gerais, com fatia de 24,5%, contava apenas com a Fiat Automóveis, enquanto que Paraná, com 0,5% de participação, e Rio Grande do Sul, com 0,2%, tinham Volvo e Agrale, respectivamente.

Em 2010, vinte anos depois, a indústria nacional já contava com os atuais oito polos industriais, conforme mostra o gráfico abaixo: escrever

O QUE VEM POR AÍ

O aumento na participação da produção nacional está na mira de polos como Rio Grande do Sul, Goiás e Rio de Janeiro. Apesar de terem produzido menos em 2012 com relação a 2011, esses estados têm investimentos confirmados de novas fábricas e/ou de ampliação das existentes: no Rio de Janeiro, a PSA Peugeot Citroën aplica R$ 3,7 bilhões até 2015 em sua unidade de Porto Real para ampliação da capacidade, para 220 mil unidades por ano. Além dela, a MAN Latin America também anunciou a ampliação de seu complexo em Resende, cidade que também receberá a primeira fábrica da Nissan no Brasil, com capacidade para 200 mil unidades/ano, cujo investimento é estimado em R$ 2,6 bilhões.

Já em Goiás, com R$ 1 bilhão, a Mitsubishi pretende duplicar sua produção na fábrica de Catalão, além do Grupo CAOA, que anunciou mais R$ 300 milhões em sua unidade de Anápolis para a montagem do ix35. Enquanto isso, o Rio Grande do Sul, onde estão fábricas das associadas Agrale e General Motors, deve ganhar um pouco mais de produção a partir da inauguração da fábrica de caminhões International, ainda neste semestre.

Soma-se a tudo isso investimentos em São Paulo, que deve continuar por longos anos na liderança da produção nacional: o Estado já recebeu investimentos importantes, como Toyota e Hyundai, cujas novas fábricas, em Sorocaba e Piracicaba, respectivamente, começaram a funcionar no ano passado. São Paulo conta ainda com a construção da unidade da chinesa Chery, em Jacareí, que deve abrir as portas no fim deste ano.

A nova política industrial automotiva, o Inovar-Auto, em vigor desde 1ºde janeiro deste ano, trouxe ao País a chance do surgimento de novos polos e a ampliação dos existentes, como os já anunciados por Fiat, que está construindo sua segunda fábrica de automóveis em Pernambuco, na cidade de Goiana (leia aqui); da BMW, que terá uma fábrica de pequeno porte em Araquari, em Santa Catarina (leia aqui) e DAF, que montará caminhões em Ponta Grossa, no Paraná (leia aqui).



Tags: Produção, polo automotivo, Anfavea, indústria, Inovar-Auto.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência