Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 03/05/2013 | 14h18

Honda Civic assume liderança entre sedãs médios

Com 15.821 unidades, modelo superou Toyota Corolla em 148 carros no acumulado do ano

MÁRIO CURCIO, AB

Com o novo motor 2.0 e uma boa dose de campanhas publicitárias, o Honda Civic voltou ao primeiro lugar entre os sedãs médios. O modelo já vinha apresentando vendas superiores às do Toyota Corolla desde fevereiro e agora, no acumulado de janeiro a abril, conseguiu assumir a liderança do segmento. A vantagem ainda é pequena. Neste primeiro quadrimestre o Civic teve 15.821 unidades vendidas e o Corolla, 15.673.

O Civic liderava o segmento em 2009, ano em que perdeu o posto quando passou a dividir as concessionárias com o Honda City, sedã mais acessível e com porta-malas maior. As vendas do “irmão mais velho” caíram e o concorrente Toyota passou a pontear o ranking dos sedãs médios.

Os rivais representam o início da segunda fase de suas fabricantes no Brasil. Foi o Civic que inaugurou a fábrica de automóveis da Honda em Sumaré (SP), há pouco mais de 15 anos, em outubro de 1997. Até então a empresa só produzia motos no País. É considerada a primeira das newcomers, fabricantes que se instalaram no País após um longo período dominado por apenas quatro montadoras: Fiat, Ford, General Motors e Volkswagen.

O Corolla estreou no ano seguinte, em setembro de 1998, a unidade de Indaiatuba (SP) da Toyota. Foi o primeiro carro de passeio da marca com produção local. Antes dele, a empresa só fazia os utilitários Bandeirante, montados no Brasil de 1958 a 2001. A rivalidade entre os dois sedãs no Brasil começou nos anos 1990, com a reabertura às importações.



Tags: Honda, Civic, Toyota, Corolla, Sumaré, Indaiatuba.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência