Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Salão de Xangai também mira o Brasil
Chineses e convidados do mundo inteiro enfrentam evento lotado para conferir as novidades da indústria automobilística

Lançamentos | 23/04/2013 | 03h22

Salão de Xangai também mira o Brasil

Entre os modelos que vêm para o País, Mercedes-Benz GLA, VW Santana e JAC S5 e A30

SUELI REIS | De Xangai (China)

Assim como em todo grande salão do automóvel, o de Xangai, na China, surpreende não só no tamanho (são 17 pavilhões que abrigam as principais empresas chinesas e estrangeiras, entre montadoras de automóveis, caminhões, ônibus, além de sistemistas e fabricantes de autopeças), mas também chama a atenção pelo interesse que a indústria automobilística chinesa gera sobre o que ela prepara não só para seu mercado, mas para consumidores do mundo inteiro.

A maior parte das novidades contempla o mercado interno, que este ano deve crescer algo como 7% sobre 2012 e ultrapassar pela primeira vez em sua história a casa das 20 milhões de unidades, de acordo com as projeções da CAAM, associação que reúne as montadoras locais. Ainda assim, fica evidente a importância da China na estratégia global de marcas que atuam no mundo inteiro, com lançamentos mundiais, SUVs, que caíram no gosto dos chineses, conceitos híbridos, elétricos e tecnologias que misturam informação e entretenimento ao volante que não se limitam às gigantescas fronteiras do país.

Além disso, o Salão de Xangai se mostra como um dos mais importantes no mundo para o Brasil, já que muitas novidades apresentadas aqui devem ser lançadas no País neste e nos próximos anos. Um deles é o novo SUV que a Mercedes-Benz apresentou ao mundo pela vitrine de Xangai, o GLA, feito sobre a mesma plataforma do Classe A e do cupê CLA, cuja versão de produção será mostrada em setembro, no Salão de Frankfurt, na Alemanha. Com início das vendas agendado para 2014, começando pela Europa, o modelo também vai desembarcar no mercado brasileiro. Cogita-se ainda a possibilidade de sua produção em solo nacional, em uma eventual retomada da produção de automóveis da marca no Brasil.



Outra novidade já conhecida pelos chineses é a nova geração do Volkswagen Santana, produzido no país por uma das duas joint ventures que a marca mantém na China, a Shangai Volkswagen Automotive. A montadora no Brasil ainda não confirma, mas as notícias nos bastidores do setor dão conta de que o modelo voltará ao País no fim deste ano ou em 2014. Se for confirmado, o modelo estará posicionado entre o Voyage e o Jetta.



O Volkswagen Santana é o líder de vendas na China, considerando apenas o mercado de veículos leves. O país é o mercado mais importante para o grupo, que aproveitou a véspera do Salão de Xangai para anunciar seu maior ciclo de investimento no país, de € 9,8 bilhões até 2015, para o desenvolvimento de novos modelos com tecnologias focadas em maior eficiência e sustentabilidade.

“Na Volkswagen, estamos convencidos de que a proteção do clima e tecnologias mais eficientes são as bases para o crescimento econômico. E estou confiante de que como uma das maiores montadoras do mundo deveremos assumir também a liderança em termos de mobilidade verde. A China vai desempenhar um papel fundamental para que o Grupo Volkswagen alcance seus objetivos ambiciosos. O grupo está em fase de construção de sete novas fábricas na China. Cinco delas já devem começar a produção neste ano: em Urumqi, Foshan e Ningbo, todas montadoras de veículos, bem como as plantas de componente em Changchun e Foshan. Em 2018, o número de empregados aumentará dos atuais 75 mil para 100 mil pessoas. A capacidade de produção anual deverá crescer de 2,6 milhões para mais de 4 milhões de unidades por ano também em 2018, com o objetivo de aliviar a sobrecarga das outras plantas existentes neste mercado em pleno crescimento”, ponderou o CEO do Grupo Volkswagen, Martin Winterkorn.

Além das marcas globais, há novidades genuinamente chinesas que também vão para o Brasil. O vice-presidente da Chery no Brasil, Luis Curi, confirmou a ida do sedã Alpha 7 para o mercado brasileiro. “A ideia é reduzir cada vez mais o tempo de lançamentos entre a China, Brasil e outros mercados. No caso do Alpha 7, que chega no fim deste ano no mercado chinês, teremos um intervalo entre seis meses a um ano para seu lançamento no Brasil”, revela o executivo. Já o facelift do SUV Tiggo, versão automática 4x2, chega simultaneamente no Brasil, Chile e Peru em junho deste ano.



A JAC também revela seus planos para os mercados chinês e brasileiro. No estande da montadora, dos doze modelos apresentados, três são conceitos, enquanto outros cinco são lançamentos, além de dois facelifts. Entre os lançamentos para a China, o utilitário esportivo S5, que será exportado para o Brasil a partir de 2014, o sedã A30, que para os brasileiros será o J4, começa a ser produzido na China no segundo semestre deste ano e tem embarque marcado para o Brasil no fim de 2014; e a van Refine M5, que no Brasil receberá o nome de T8, com motor turbodiesel 1.9 e versão automática.

O sedã A20, sucessor do J3 Turim estreia na China em 2015, mas Sérgio Habib, presidente da JAC Motors do Brasil garante que não tem ligação com o modelo que será produzido no Brasil.



Tags: Salão de Xangai, China, Chery, Mercedes-Benz, GLA, Volkswagen, Santana, Tiggo, Ampha 7, JAC, J3 Turim, A30, S5.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência