Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 16/04/2013 | 18h49

NGK quer movimentar negócios com o Inovar-Auto

Empresa estuda trazer novo produto ao Brasil para atender metas de eficiência energética

GIOVANNA RIATO, AB

A NGK trabalha para aquecer seus negócios com a chegada do Inovar-Auto. A companhia tenta vender no Brasil uma nova tecnologia de velas de ignição que promete ajudar as fabricantes de veículos a atender as metas de redução de consumo e de emissões. “São componentes com maior eficiência, com eletrodos mais finos, que podem reduzir em até 1% o consumo de combustível”, garantiu Edson Miyazaki, diretor de planejamento estratégico da organização, durante a Automec, feira voltada ao setor de reposição automotiva que acontece em São Paulo entre os dias 16 e 20 de abril.

Há ainda aumento da durabilidade da peça, que chega a 160 mil quilômetros. Os ganhos são efeito do novo material empregado no componente, o Irídio. A liga metálica é produzida no Japão, onde há exploração do insumo. Miyazaki conta que tem apresentado a nova vela de ignição aos clientes no Brasil, que demonstram interesse. Apesar disso, a chegada da tecnologia ao mercado nacional esbarra no alto preço, que chega a ser 10 vezes maior do que o das velas convencionais. O executivo admite que, para reduzir essa diferença, seria necessário produzir localmente e em alto volume.

EXPECTATIVAS PARA O MERCADO

Depois de ter encerrado 2012 sem crescimento, a NGK iniciou este ano com a produção aquecida. A fábrica da empresa em Mogi das Cruzes (SP) opera em plena capacidade, de seis milhões de velas por mês. Cerca de 25% do volume é exportado para países da América do Sul e para outras plantas da companhia no mundo, o restante abastece o mercado interno.

A empresa não tem investimentos anunciados para o País mas, se o ritmo se mantiver, ampliações da operação local podem ser consideradas a partir do ano que vem. Miyazaki teme, no entanto, que 2013 não termine com saldo tão positivo. Para ele, o cenário para o segundo semestre ainda é incerto. Com a restrição do crédito e a ameaça de aumento da inflação, que diminui o poder de compra do consumidor. “Apenas a redução do IPI não vai sustentar o crescimento das vendas de veículos. Precisamos de uma conjuntura favorável”, explica.



Tags: NGK, autopeças, Automec, velas de ignição.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência