Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 15/04/2013 | 19h25

GM de São Caetano: 54% das peças usadas nos veículos são importadas

Depois de ampliada, fábrica produz mais de 45% do volume vendido pela Chevrolet anualmente

CAMILA FRANCO, AB

A estratégia da General Motors do Brasil de esvaziar São José dos Campos, no interior São Paulo - a maior fábrica da montadora na América do Sul, mas que deixou de ser competitiva por falta de acordo com o sindicato local, culminando com a demissão de 598 trabalhadores (leia aqui) - entupiu a linha de produção mais antiga da GM no País, a octogenária São Caetano do Sul, que hoje importa mais da metade das peças usadas para montagem de seis modelos Chevrolet diferentes.

Um ano, exatamente de julho de 2011 a julho de 2012, foi o prazo estabelecido para a antiga fábrica de São Caetano do Sul, que até então fazia apenas a picape Montana e o sedã de entrada Classic em sua única linha de produção, se reestruturar para fabricar mais quatro novos carros: o Cruze nas versões sedã e hatch (Sport 6), o sedã Cobalt, e ainda o monovolume Spin, com versões para cinco e sete passageiros e que tinha sido desenvolvido para ganhar forma em São José, na mesma linha em que eram feitos os monovolumes Meriva (de cinco lugares) e Zafira (de sete), seus antecessores.

A fábrica do ABC deu conta do recado sem parar nenhum dia, com a formação de um terceiro turno com 1,5 mil novos empregados, a adição de mais de 16 mil metros quadrados e 159 novos robôs. Hoje, com um total de 7 mil empregados, é capaz de fabricar 1,1 mil carro por dia, quase 300 mil por ano. A planta produz mais de 45% dos 640 mil automóveis e comerciais leves vendidos em média pela Chevrolet anualmente.

INOVAR-AUTO

Mas o desafio que está prestes a enfrentar tende a ser mais complicado do que fazer seis carros (quatro plataformas) em uma linha só. Durante o Simpósio de Manufatura Automotiva, realizado pela Sociedade de Engenharia Automotiva, SAE Brasil, em São Paulo, na segunda-feira, 15, Sonia Campos, diretora da fábrica de São Caetano do Sul, revelou que atualmente 54% das 10 mil peças usadas para montagem diária dos veículos na unidade são importadas.

“Recebemos 68 containers diariamente para o abastecimento da nossa fábrica”, contou Sonia. Ainda segundo ela, o volume importado é alto principalmente por causa do sedã médio Cruze, que por ter sido desenvolvido na Coreia do Sul com nível alto de tecnologia embarcada (para os padrões brasileiros), tem muitas peças vindas de fornecedores asiáticos, com preços mais competitivos.

Com a chegada do Inovar-Auto, o novo programa do governo para o setor que incentiva investimentos em inovação, pesquisa e desenvolvimento, em eficiência energética, e, sobretudo, na aquisição de componentes nacionais até 2017, a GM vai ter que recalcular o porcentual de peças importadas.

A fabricante se habilitou ao novo regime automotivo em novembro do ano passado. Com isso, recebeu a autorização para importar 2,4 mil veículos sem o acréscimo dos 30 pontos porcentuais do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI). Assim como as demais habilitadas, a GM também está autorizada a descontar os valores gastos na aquisição de insumos e ferramentais para abatimento de até 30 pontos porcentuais do IPI.

A diretora Sonia conta que “a GM está avaliando as medidas estabelecidas pelo Inovar-Auto e como se preparar para atendê-las. Além disso, tem se preocupado em localizar porque o câmbio não está favorável para continuar com o atual volume de importação”. “Desenvolveremos uma programa forte para localização”, comentou.

Em São Caetano do Sul, por falta de espaço, hoje não há como fazer a mais sequer um novo popular com pouquíssimo conteúdo. “Do jeito que está, só se crescêssemos para cima”, brincou. Uma alternativa viável seria a substituição de modelo antigo por um mais novo. Nesse caso, o Classic, no mercado brasileiro há mais de uma década, seria um forte candidato. Desde já Sonia tem cobrado de seus funcionários: “Devemos ser competitivos ou nunca mais teremos novos produtos na planta.”



Tags: General Motors, GM, Sonia Campos, São Caetano do Sul, importação, São José dos Campos.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência