Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Conjuntura | 01/04/2013 | 16h42

Crescimento do PIB requer alta na produtividade

Fornecer mais por preço menor é o caminho apontado pelo economista Mendonça de Barros

FERNANDO NEVES, PARA AB

“O crescimento deverá ser em cima de produtividade, ou seja, produzir mais e fornecer a menor preço.” Dessa forma, o economista da MB Associados, José Roberto Mendonça de Barros, resumiu em sua visão qual o caminho para o Brasil manter a taxa positiva de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). Durante o IV Fórum da Indústria Automobilística, realizado na segunda-feira, 1º, em São Paulo, o economista explicou que o “efeito inclusão”, ou seja, a ampliação do número de cidadãos incluídos como consumidores, já está concluído. Para Mendonça de Barros, sem aumentar a produtividade, o resultado é importação ou produção mais cara.

-Confira aqui a cobertura completa do IV Fórum da Indústria Automobilística.

O cenário atual, na avaliação de Mendonça de Barros, traz dificuldades a essa mudança de produção. De acordo com o economista, há perda de qualidade regulatória, prejuízo nas empresas causado pela política cambial, prejuízo da Petrobras para seus acionistas e fornecedores, perdas associadas ao novo modelo elétrico, multas aplicadas pela receita e agências regulatórias e aumento de custos, especialmente da mão de obra.

INFLAÇÃO PREOCUPANTE

O sócio da MB Associados informou que já há aumento generalizado de preços. Segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) compilado por sua empresa, dos 365 itens medidos pelo instituto, 70% cresceram e 30% sofreram aumento de preços acima de 30%.

Para ele, a simples oferta de produtos, sem o aumento da qualidade na cadeia, não levará à expansão. “Apenas a alta do consumo não nos fará crescer mais”, afirma. Segundo o economista, o Brasil crescerá em 2013 (3%) e em 2014 (3,5%) muito sustentado nas ações de investimentos públicos, por causa das eleições e da Copa do Mundo.

Todavia, em paralelo a isso há risco na oferta de energia por conta da dependência do País em hidrologia. A escassez de chuvas teve como consequência reservatórios abaixo dos níveis esperados. E com as reservas técnicas já utilizadas a situação de fornecimento de energia é preocupante. Nesse ambiente de incerteza, o setor privado se mantém cauteloso e não está investindo.

No entanto, Mendonça de Barros identifica sinais de mudança de posição do governo no sentido de atrair investidores privados. A edição de editais de concessão de prestação de serviços públicos (aeroportos e rodovias, por exemplo) indica que a administração pública quer atrair o capital privado. No entanto, mudanças nas regras estabelecidas e baixas taxas de retorno diminuem o interesse das empresas em participar desses negócios.



Tags: IV Fórum da Indústria Automobilística, MB Associados, José Roberto Mendonça de Barros, WTC, Petrobras, IBGE, Copa do Mundo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência