Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Motores | 22/03/2013 | 20h09

Tecnologia bicombustível completa dez anos

Primeiro veículo flex do País foi o Volkswagen Gol

REDAÇÃO AB

Há dez anos o mercado brasileiro ganhava seu primeiro veículo bicombustível, comumente denominado flex, capaz de rodar com gasolina ou etanol ou a mistura dos dois combustíveis em qualquer proporção. A tecnologia genuinamente brasileira chegou ao mercado em 24 de março de 2003, com o lançamento do Volkswagen Gol Power 1.6 Total Flex.

“O desenvolvimento do motor flexível foi uma grande revolução da indústria nos últimos anos, e a Volkswagen se orgulha por mais esse pioneirismo. A empresa foi a primeira fabricante do Brasil a oferecer todos os seus modelos nacionais com motores total flex. As contínuas inovações retratam bem a trajetória de sucesso dos 60 anos da marca no Brasil”, declara o presidente da Volkswagen do Brasil, Thomas Schmall.

Três anos após chegar ao mercado, a tecnologia flex da VW alcançava a marca dos 500 mil veículos vendidos no Brasil, volume atingido em março de 2006. No ano seguinte, em maio de 2007, a Volkswagen contabilizava o recorde de 1 milhão de veículos flex vendidos, subindo para 2 milhões em fevereiro de 2009 e 3 milhões em agosto de 2010. Desde o lançamento de seu primeiro modelo flex, entre março de 2003 e fevereiro de 2013, a Volkswagen vendeu 4,78 milhões de veículos equipados com a tecnologia bicombustível. Em sua linha atual de motores flex são oferecidas as versões 1.0, 1.4, 1.6 e 2.0.

O sistema flex tem um complexo desenvolvimento de software capaz de, em segundos, adaptar o motor ao combustível presente no tanque. A tecnologia utiliza parte dos componentes existentes nos carros movidos exclusivamente à gasolina e a implantação do sistema exigiu a adaptação de vários componentes e sistemas, que precisaram ser protegidos da ação corrosiva do etanol, como o tanque, bomba e condutor de combustível, válvulas, bicos de injeção, velas de ignição, catalisador e sistema de escapamento.

Desde que foi lançado, o motor flex continua em processo de aprimoramento. Um dos avanços que aos poucos chegam aos modelos nacionais é a adoção do sistema de partida a frio, que dispensa o tanque auxiliar de gasolina: na Volkswagen, o sistema estreou em 2009, no Polo Flex.

Mas o motor bicombustível deverá passar por novas modificações nos próximos anos, com foco na maior eficiência energética. O processo deverá atingir a maior parte dos propulsores produzidos aqui para que possam atender as novas exigências de consumo do novo regime automotivo, o Inovar-Auto, que exige redução de 12% no consumo de combustível até 2017. Pelos dados da Anfavea, 88,3% dos veículos produzidos no Brasil saem de fábrica com motor flex.



Tags: Flex, bicombustível, motor, Volkswagen, Gol, etanol, gasolina.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência