Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
208: enfim, um Peugeot brasileiro e global

Lançamentos | 21/03/2013 | 23h00

208: enfim, um Peugeot brasileiro e global

O novo modelo fabricado no Brasil entrega modernidade, mas cobra seu preço

PEDRO KUTNEY, AB | De Búzios (RJ)

Chega no próximo 13 de abril às concessionárias Peugeot o hatch 208, o mais atual e importante lançamento já feito pela marca francesa no Brasil desde 1999, quando começou a vender aqui o 206, comprado por mais de 450 mil brasileiros em seus dez anos no mercado. O 208 evidencia uma mudança substancial na estratégia, para voltar a ter no País uma linha global de veículos atualizados tecnologicamente, similares aos disponíveis na Europa, abandonando o cansado golpe do produto-desenvolvido-para-as-necessidades-do-consumidor-brasileiro, um eufemismo repetido milhares de vezes na última década para justificar o corte de custos e aumento de lucros por meio da oferta de carros defasados – como fez a própria Peugeot em 2008 com o 207 nacional, uma versão melhorada do 206 que não acompanhou a evolução tecnológica do modelo europeu. Com o 208, essa história parece ter ficado para trás.

“É sempre importante para um construtor apresentar um novo produto, mas o 208 representa muito mais, pois simboliza a revitalização da marca no Brasil”, classifica Carlos Gomes, presidente na América Latina do grupo PSA Peugeot Citroën, que em fevereiro começou a produzir na fábrica de Porto Real (RJ) o novo modelo, após investir R$ 800 milhões para fazer o carro aqui menos de um ano após o lançamento na Europa, comprovando a atualidade da gama de produtos no mercado local. “Desafio qualquer um a apontar um fabricante que tenha conseguido fazer um carro global aqui em tão pouco tempo”, disse Gomes.

Apesar da rapidez, o 208 brasileiro nasce com índice de nacionalização alto: 84%. Fora da Europa, ele só é produzido no Brasil, onde a PSA escalou uma equipe de 780 pessoas, entre técnicos, engenheiros e pessoal de marketing, para viabilizar a produção nacional e fazer as adaptações necessárias, quase imperceptíveis em relação ao carro europeu. A suspensão foi recalibrada e a altura livre do solo aumentou 10 milímetros, a grade dianteira cresceu um pouco por causa do calor tropical, para ampliar a captação de ar para arrefecimento e ar-condicionado.

O Peugeot 208 tem modernidade, estilo, design emotivo e tecnologia dignos de boa nota. Hoje há pouquíssimos como ele por aqui. Não chegam aos cinco dedos de uma mão os modelos compactos (segmento B) feitos e vendidos no Brasil e que também estejam presentes nos mercados desenvolvidos e mais exigentes.

“Avaliamos que seremos premiados por essa estratégia, pois a ascensão social do consumidor brasileiro é um fato e nos próximos anos vai crescer o número de compradores de veículos de maior qualidade”, aposta Gomes. “O mercado brasileiro está em mutação para cima. Os carros de entrada, 1.0, há poucos anos representavam 60% das vendas e hoje são 45%. Essa tendência de elevação social deve continuar nos próximos dez anos”, avalia.

VERSÕES COMPLETAS

Seguindo essa estratégia, o 208 chega com design externo e interno bastante inovador e atraente, que capta a atenção das pessoas por onde passa, e é recheado de equipamentos de conforto e segurança. Há, contudo, um preço a se pagar por isso. O novo Peugeot brasileiro é bom, bonito e caro, situa-se na faixa de valor mais alta de seu segmento. Mas os executivos da marca estão confiantes que o forte apelo emocional do carro supere a barreira racional do preço. “Quem compra um Peugeot nunca é 100% racional”, afirma o diretor de marketing Frederico Battaglia.

Desde a versão de acabamento mais básica, a Active 1.5 (preço sugerido de R$ 39.990), são de série direção assistida elétrica progressiva, ar-condicionado, air bags frontais para motorista e passageiro, freios com sistema antitravamento (ABS) e distribuição eletrônica de força, além de acionamento elétrico de vidros, retrovisores e travas, com controle remoto na chave tipo canivete.

Subindo para a versão seguinte, a Allure, também equipada com o eficiente motor flex 1.5 de 93 cavalos (quando abastecido com etanol) e nota A de eficiência energética no programa do Inmetro, o preço salta para R$ 45.990 e o 208 vem com suas duas principais atrações: o teto envidraçado Cielo e a central multimídia, integrada por uma tela de sete polegadas instalada no centro do painel com comandos sensíveis ao toque, que reúne sistema de som, navegação por satélite GPS e Bluetooth para conexão com celular.

A versão topo de gama é a Griffe, com motor 1.6 16V de 122 cavalos e sistema de partida a frio para etanol sem tanquinho de gasolina; eficiente do ponto de vista do desempenho esportivo, mas um pouco menos econômico (tirou nota C na etiquetagem do Inmetro). Além do motor mais forte, as principais diferenciações são as rodas de liga leve com aro de 16 polegadas e a lanterna dianteira de LED. O preço, contudo, sobe bastante. Com câmbio manual de cinco marchas vai a R$ 50.690. Com opção de câmbio automático de quatro velocidades bate no teto de R$ 54.690.

Peugeot
O Peugeot 208 renova a identidade da marca com design inovador e cativante

PROJEÇÕES

“O 208 será o Peugeot mais vendido do País, por isso é o lançamento mais importante dos próximos anos”, estima Frédéric Drouin, diretor geral da marca no Brasil. Ele confia em sucesso semelhante ao já conquistado na Europa, onde o modelo já teve 250 mil unidades comercializadas em menos de um ano desde o lançamento e atualmente é o hatch compacto mais vendido.

A projeção é vender de 2,5 mil a 3 mil unidades do 208 por mês, sendo 50% da versão intermediária Allure, 25% da Active (de entrada) e outros 25% da topo de gama Griffe, metade com câmbio automático.

Com seus preços e estilo, o 208 vai disputar o mercado dos hatchbacks compactos premium, que em 2012 representou 18% das vendas totais no País, com cerca de 500 mil carros vendidos.

Com seu novo modelo que pode chegar a vender 36 mil/ano, a Peugeot calcula que é possível abocanhar quase 1% do mercado nacional de veículos leves. Esse número sobe para 45,6 mil/ano e a participação porcentual avança para perto de 1,2% com a ajuda das 700 a 800 unidades/mês que a Peugeot estima continuar a vender do 207, lançado em aqui 2008 e agora só com motorização 1.4 e duas versões, de R$ 29.990 e R$ 32.500.

Se o design inovador e chamativo do 208 suplantar a barreira do preço alto, o plano da Peugeot tem grande chance de dar certo e a marca pode recuperar o terreno perdido nos últimos quatro anos seguidos. A participação no mercado nacional, hoje em torno de 1,7%, poderá voltar a encostar nos 2,5%, o que parece ser suficiente para as ambições do grupo PSA por aqui. “Não vamos brigar pelo segmento popular e não temos a ambição de sermos líderes, mas de produzir os melhores automóveis, com maior rentabilidade”, diz Carlos Gomes. “É preciso lembrar também que a vocação de qualquer empresa é ganhar dinheiro para remunerar seus investidores.”

DESEMPENHO

Peugeot
As principais atrações do Peugeot 208: o teto envidraçado Cielo, a central multimídia no centro do painel e a posição de dirigir diferente, com o volante pequeno posicionado abaixo dos instrumentos.

Se o preço é alto para os padrões brasileiros, o prazer de dirigir também é. O 208 oferece uma experiência bastante única ao motorista. “Você entra em um novo mundo”, exagera Drouin. A sensação diferente está baseada em uma nova conformação ergonômica, com volante cerca de 10% menor do que os convencionais, posicionado abaixo do painel de instrumentos – quem dirige vê os marcadores acima da direção. Parece estranho, mas o resultado é bom, confortável.

Por fora o 208 parece bem mais compacto do que ele é por dentro. Ele cresceu apenas 9,5 centímetros em relação ao 207, mas os 2,54 metros de distância entre eixos, a maior entre os hatches compactos do mercado, garantem espaço de sobra para as pernas de quem viaja na frente ou atrás – uma raridade em carros desse segmento.

Dirigido em um percurso misto de estrada e cidade, o 208 foi muito bem com ambas as motorizações, 1.5 e 1.6. As acelerações e retomadas são rápidas, o comportamento dinâmico do carro mostrou-se preciso e seguro, os freios respondem sem hesitações.

PÓS-VENDA

Com a renovação e globalização da linha de produtos, a Peugeot também tenta se redimir de um de seus principais defeitos no Brasil: o atendimento caro e deficiente do pós-venda. Assim como o resto dos novos produtos da marca, o 208 tem três anos de garantia e preços fixos de revisão, que para as versões 1.5 somam R$ 810 nas três primeiras, ou 30 mil quilômetros, e R$ 890 nas opções com motor 1.6. O fabricante garante que em ambos os casos os pacotes estão entre os mais acessíveis do mercado.

“Virou um mito a ideia de que o pós-venda da Peugeot é alto”, diz Battaglia. Ele também informa que os preços de reparação e seguro são competitivos. Segundo pesquisa do Cesvi, a cesta básica de peças do 208 é uma das três mais baratas e o seguro, em torno de 5% do valor do carro, é o segundo mais baixo do mercado para a categoria.

Com o 208, talvez seja possível acabar com o maior dos mitos do mercado brasileiro de veículos, segundo o qual não seria possível produzir modelos globais no Brasil. Ao que tudo indica, agora pode.



Tags: Peugeot, 208, PSA Peugeot Citroën, Carlos Gomes, Frédéric Drouin.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência