Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 18/03/2013 | 20h00

Volkswagen pode elevar investimento no Brasil e voltar a fabricar carros da Audi no Paraná

Novas tecnologias terão de ser adotadas para atender Inovar-Auto, diz Thomas Schmall

PEDRO KUTNEY, AB

O atual pacote de investimento da Volkswagen no Brasil, de R$ 8,7 bilhões de 2010 a 2016, pode ser insuficiente para atender todas as exigências de evolução tecnológica contidas no Inovar Auto, a política industrial desenhada para o setor automotivo de 2013 a 2017. “O Inovar-Auto traz novas necessidades de investir em engenharia, sistemas de segurança e redução de consumo de combustível. Para isso precisamos reavaliar nossos investimentos”, afirmou Thomas Schmall, presidente da empresa no País.

Segundo Schmall, desde o ano passado a Volkswagen já trabalha mais fortemente na atualização tecnológica dos carros que produz no Brasil. “Existe pressão natural do consumidor sobre isso, que tem direito a ter aqui os mesmos equipamentos e evoluções que existem em outros lugares do mundo”, disse. “Novas plataformas que serão feitas no País já contarão com mais tecnologias”, revelou.

Uma dessas novas plataformas da Volkswagen no Brasil é a PQ12, sobre a qual é montado o compacto Up!, lançado em 2011 na Europa, que deve começar a ser produzido na fábrica brasileira de Taubaté (SP) ainda este ano, equipado com novo motor 1.0 de três cilindros, este a ser fabricado em São Carlos (SP) com bloco e cabeçote de alumínio (leia aqui).

“O lançamento constante de novos produtos faz parte da estratégia de crescimento no País. Por isso crescemos e alcançamos o recorde de produção de 850 mil veículos em 2012”, disse Schmall, evitando revelar quais serão os próximos passos. “Vocês vão ver muitas novidades”, desconversou.

Sobre a ampliação em curso da fábrica de Taubaté, onde o Up! provavelmente será produzido, o executivo disse que é necessário esperar um pouco mais para definir o ritmo dessa expansão. “O mercado é quem vai nos dizer. Se precisarmos de mais produção, vamos fazer”, definiu. “Março é decisivo para avaliar como as vendas vão se comportar este ano. Depois deste mês poderemos avaliar com mais clareza o que precisamos fazer”, disse.

AUDI

A possibilidade da Audi, marca do mesmo grupo, voltar a produzir seus carros na fábrica da Volkswagen no Paraná, como aconteceu de 1999 a 2006, ainda está para ser definida oficialmente no próximo mês, porém a maneira como Schmall fala no assunto dá a entender que está quase tudo confirmado: “Se o Grupo Volkswagen, com 12 marcas, não conseguir fabricar um carro aqui, ninguém mais vai conseguir”, indicou. “Com o Inovar-Auto produzir no País virou uma necessidade, porque é possível importar o mesmo modelo (sem sobretaxação de IPI) por até 24 meses antes de começar a produzi-lo aqui.”

Schmall não confirma se será necessário investimento em ampliação da fábrica do Paraná para produzir um Audi lá. “Depende do carro a ser feito”, disse. Na semana passada, durante a convenção anual da marca na Alemanha, Bernd Martens, membro do conselho-diretor da Audi e responsável por compras, confirmou a intensão de voltar a fazer no Brasil o hatch A3. “Se acontecer, faz todo sentido usar e expandir algo já existente, como a área de Curitiba, para fabricar a família A3. É muito mais viável”, afirmou o executivo ao UOL Carros.

Viria junto a sétima geração do Golf, que é montado sobre a mesma plataforma – o modelo ainda é produzido em São José dos Pinhais, mas está três gerações atrasado em relação ao europeu. Então o Golf 7 também será feito no Paraná? “Não sei”, desconversa Schmall.



Tags: Volkswagen, VW, Inovar-Auto, Thomas Schmall, investimento, política industrial, regime automotivo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência