Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Cummins projeta produção 20% maior em 2013
Para o presidente da Cummins da América do Sul, Luis Pasquotto, 2013 será um ano de retomada, apesar das incertezas

Mercado | 12/03/2013 | 17h05

Cummins projeta produção 20% maior em 2013

Crescimento será sustentado pela retomada de caminhões e ônibus, diz presidente Luis Pasquotto

SUELI REIS, AB

Após apurar queda expressiva de 46,8% em 2012 na produção de motores diesel no Brasil, que atendem o setor automotivo e industrial, a Cummins projeta elevar a atividade em 20% este ano na comparação com o ano passado, sustentada pela retomada dos negócios no segmento de veículos comerciais pesados, que deve crescer na mesma proporção, aposta o presidente da empresa na América do Sul, Luis Afonso Pasquotto, que divulgou os números do balanço de 2012 na terça-feira, 12, em São Paulo.

No ano passado, a empresa entregou 49,4 mil unidades ao setor automotivo, a maior parte para equipar caminhões e ônibus, 70% do total de motores entregues no ano. Segundo o executivo, as dificuldades de transição do Euro 3 para Euro 5 foram superadas.

“O volume de produção de motores em 2012 acompanhou o setor brasileiro de caminhões, que anotou queda de 40%, mas pelo quinto ano consecutivo, mantemos a liderança no mercado (de veículos comerciais pesados), com 33% de participação. Para este ano, projetamos a produção de pelo menos 70 mil motores, tanto os automotivos como os industriais, sendo que o setor de veículos continua com a maior participação, de 65% a 70%”, informa o executivo.

No ano passado, a Cummins forneceu 46,2 mil motores para caminhões e 3,1 mil para ônibus, participação de 33% e 11%, respectivamente. Entre os veículos equipados com os novos motores Euro 5, a Cummins informa ter encerrado o ano na liderança, com 28% de participação de um total de 69,6 mil unidades entregues ao mercado no período. Apesar disso, a queda acentuada nas vendas de veículos comerciais devido à nova motorização, e por consequência, menor produção, influenciou diretamente no balanço financeiro da empresa na América do Sul. Em 2012, o faturamento foi 15,7% menor que o verificado no ano anterior, para US$ 1,6 bilhão, sendo o Brasil responsável por 56%.

O executivo destaca que mesmo com a queda, este é o segundo melhor desempenho registrado em 42 anos de operação na região. A manutenção da participação no mercado brasileiro ajudou a abrandar a queda no faturamento, além de índices também importantes registrados em outros mercados, como na Argentina, onde a participação em caminhões chegou a 28%; Chile, onde a Cummins atua no segmento de mineração, com 23% do mercado; e Colômbia, cuja participação em caminhões pesados chega a 80%.

No Brasil, Pasquotto diz ainda que o crescimento de outras divisões, como a de filtros, cujo faturamento avançou 10% em 2012, para US$ 102 milhões, e o primeiro ano de operações da unidade de negócio Cummins Emissions Solutions (CES), com US$ 87 milhões, “foram fatores que compensaram em parte a queda das operações de motores”.

BALANÇO GLOBAL

O executivo também apresentou os números globais da empresa: em 2012, a Cummins anotou faturamento de US$ 17,3 bilhões, o segundo melhor desempenho em 94 anos de história: perde apenas para os US$ 18 milhões apurados em 2011, representando queda de 3,9% nesta comparação. As operações de motores responderam por US$ 10,7 bilhões.

Quase metade da receita global, 48%, foi gerada nos Estados Unidos, enquanto 16% foram de responsabilidade da Europa, 11% da Ásia, incluindo Austrália, e 10% da América Latina. A China respondeu por 6% do faturamento, Canadá e Índia, 4%, e África 1%.

“Apesar da crise global, o bom desempenho financeiro da companhia em 2012, aliados aos investimentos que a empresa vem fazendo para o futuro, oferecem preparo vigoroso para atender às solidas tendências de crescimento que estão por vir nos próximos anos. Só em 2012 foram US$ 720 milhões aplicados em pesquisa e desenvolvimento”, disse Pasquotto durante a divulgação do balanço.

O executivo elencou tendências mundiais que apontam para uma forte demanda por motores – automotivos e industriais - nos próximos anos e cita as legislações de emissões, como o Euro 6 na Europa, renovação de frota em diversos mercados, o aumento do uso de biocombustíveis, desenvolvimento de infraestrutura em diversos níveis, Copa do Mundo e Jogos Olímpicos no Brasil, pré-sal e setores de óleo e gás/marítimo, novos entrantes na América do Sul nos setores automotivo, industrial, agronegócio e mineração, além da disponibilidade e custos da energia, que apontam contínua escassez de energia elétrica na América do Sul.

INVESTIMENTOS

Mesmo diante dos desafios da transição de tecnologias de motores, a Cummins manteve seus programas de investimentos em toda a região da América do Sul. No Brasil, estão em curso os investimentos de US$ 50 milhões na renovação das instalações da fábrica de Guarulhos (SP) e outros US$ 90 milhões na nova unidades produtiva da Cummins em Itatiba, no interior paulista, com inauguração prevista para 2015, quando serão transferidas a unidade de negócios de geração de energia e centro de distribuição de peças, hoje também localizados em Guarulhos.

“Em Itatiba os serviços de terraplanagem estão concluídos e os de infraestrutura estão em andamento. Vamos dar início às operações daquela planta no primeiro semestre de 2015. A intenção inicial é não mover as operações de motores, mas a nova unidade terá espaço amplo para atender outras necessidades que surgirão futuro.”



Assista aqui a entrevista exclusiva de Luis Pasquotto, presidente da Cummins para a América do Sul, a ABTV.



Tags: Cummins, motor diesel, Euro 5, produção, caminhões, faturamento.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência