Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Argentina ameaça barrar livre comércio

Mercado | 11/03/2013 | 20h28

Argentina ameaça barrar livre comércio

País vizinho ameaça retardar o acordo e impor novos limites a veículos brasileiros

PEDRO KUTNEY, AB

As negociações para tornar livre o comércio de veículos e autopeças entre Brasil e Argentina vão começar em breve com o risco de, mais uma vez, ver o acordo adiado. Desde 2008 os dois países têm limites ao comércio bilateral do setor automotivo e o fim das barreiras estava previsto a partir de junho deste ano. Contudo, o governo argentino já acena com a possibilidade de retardar essa medida e até impor cotas apertadas, para tentar reduzir o déficit de sua balança comercial com os brasileiros, especialmente localizado na cadeia de peças. A Anfavea, associação que reúne os fabricantes instalados no Brasil, defende a liberação imediata do fluxo comercial, sem maiores limitações.

Até junho, está em vigor o regime “flex” para o comércio de peças e veículos entre os dois países, pelo qual as exportações estão limitadas ao máximo equivalente a 1,95 vez o valor total das importações. Para cada dólar importado, cada país pode exportar ao outro até US$ 1,95 sem taxação. Na prática, esse limite se mostrou bastante folgado e nenhum dos dois lados teve dificuldade para cumpri-lo nos últimos anos, criando um livre comércio de fato. Por isso o governo argentino ameaça apertar as regras.

A Argentina é atualmente o terceiro maior parceiro comercial mundial do Brasil e o maior no Mercosul, tanto para as exportações, de US$ 18 bilhões em 2012, como importações de lá que somaram US$ 16,4 bilhões no mesmo período. O setor de transportes, que inclui veículos, autopeças, máquinas e chassis, representa nada menos que a metade da corrente de comércio entre os dois países, com US$ 9,1 bilhões em vendas brasileiras aos argentinos e US$ 8,1 bilhões em compras do país vizinho, o que deixou a Argentina com déficit setorial de US$ 1 bilhão, ou 62,5% de todo o saldo de US$ 1,6 bilhão da balança a favor do Brasil no ano passado.

Devido à grande relevância do setor automotivo para a corrente de comércio entre os dois países, a Argentina mostra a intenção de impedir a abertura total desse mercado antes mesmo de as negociações começarem formalmente, para assim pressionar o governo brasileiro a incentivar o adensamento da cadeia produtiva também no vizinho. Segundo reportagem publicada pelo Valor Econômico na segunda-feira, 11, os argentinos querem garantias que haverá compras de peças produzidas no país – o que pode ser inviável, pois muitos fornecedores foram embora após a crise de 2001.

ROMBO DAS AUTOPEÇAS

O grosso do déficit comercial argentino está na cadeia de suprimentos de componentes para as fábricas de veículos instaladas no país, que produzem modelos com grande quantidade de itens importados. Em 2012, o Brasil exportou à Argentina US$ 4,12 bilhões em autopeças, enquanto no fluxo contrário os brasileiros compraram de lá pouco menos que um terço disso, US$ 1,52 bilhão.

A situação é oposta na corrente de produtos acabados, em que o país vizinho teve superávit de US$ 1,92 bilhão. No ano passado, as montadoras instaladas no Brasil pagaram US$ 6,45 bilhões pelos 351.945 automóveis que trouxeram de suas contrapartes na Argentina. O volume representou 44% dos veículos importados emplacados no mercado brasileiro em 2012. Na mão contrária, no mesmo período os argentinos importaram 331.980 unidades, correspondente a 75% das exportações brasileiras de veículos, pelo valor total de US$ 4,53 bilhões.

A grande maioria dos fabricantes de veículos instalados no Brasil também tem fábricas na Argentina, onde produzem carros de maior valor agregado, mas com grande quantidade de componentes importados, inclusive de fora do bloco do Mercosul. Se o governo argentino exagerar na dose da pressão, exigindo medidas imediatas, os brasileiros podem perder o seu maior mercado externo de veículos (um dos poucos que restaram), mas também poderá inviabilizar a produção no país. Seria uma batalha sem vencedores.



Tags: Argentina, Brasil, Mercosul, acordo automotivo, balança comercial, exportação, importação.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência