Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Implementos voltam ao crescimento em 2013

Comerciais | 25/02/2013 | 18h40

Implementos voltam ao crescimento em 2013

Fabricantes de carrocerias e rebocados se recuperam mais rápido do que os caminhões

PEDRO KUTNEY, AB

Apesar de todo implemento estar em cima ou ser puxado por um caminhão, a indústria de implementos rodoviários teve desempenho descolado do setor de caminhões e mostrou recuperação mais rápida nos meses finais de 2012. Após um ano difícil, em que a média de queda das vendas persistia acima do mercado de veículos comerciais, “no último trimestre a retomada foi muito forte”, conforme destacou Alcides Braga, presidente da Anfir, a associação nacional dos fabricantes de carrocerias, reboques e semirreboques.

Com a recuperação no fim do ano, os fabricantes de implementos fecharam 2012 com 160,4 mil unidades emplacadas no País, em recuo de 15,9% sobre as 190,8 mil de 2011. O desempenho foi substancialmente melhor do que o do mercado de caminhões no mesmo período de comparação, que caiu quase 20%, para 139,8 mil veículos vendidos.

A maior retração aconteceu no segmento de leve, de carrocerias sobre chassis, com vendas de 107,8 mil unidades, 17,9% menores que as de 2011. No mercado de pesados (reboques e semirreboques) o recuo foi de 11,6%, para 52,5 mil rebocados emplacados.

- Veja aqui o desempenho do setor de implementos em 2012.

No ano passado, as vendas domésticas de comerciais foram fortemente afetadas pela mudança na legislação de emissões, o Proconve P7, que obrigou veículos diesel a usar motorização Euro 5, mais cara, resultando em retração generalizada dos negócios, agravada ainda pela desaceleração da economia. Em um primeiro momento, esse fator acabou atrasando a compra de implementos, pois muitos frotistas preferiram primeiro renovar a frota com caminhões Euro 3, mais baratos, que ainda estavam em estoque. Depois, todos ficaram esperando pelas definições sobre o financiamento via BNDES/PSI, principal mecanismo de vendas do setor. O governo baixou por três vezes seguidas os juros do programa, até fixá-los em 2,5% ao ano em agosto. Quando as regras de crédito foram finalmente definidas, houve destravamento dos pedidos represados de implementos e as encomendas vieram com força.

Um fator que contribuiu para suavizar a queda das vendas domésticas em 2012 foram as exportações, que cresceram 10% no ano passado, para 5,8 mil implementos rodoviários embarcadas para fora do País. Segundo Braga, a indústria foi beneficiada pelo câmbio favorável e retomou as vendas externas, que na comparação com 2010 avançaram ainda mais, 38,6%. “Esse é um caminho necessário, até como forma de atenuar a tributação. A taxa de câmbio ajudou e começo a pensar que o setor pode colocar como meta exportar ao menos 15% da produção”, avalia.

PROJEÇÃO DE CRESCIMENTO

“A falta de regras claras de financiamento impediu a recuperação mais rápida. Mas no último trimestre as encomendas voltaram fortes e conseguimos fechar o ano com queda menor do que a esperada”, conta Braga. Agora, com financiamento estável e sinais de apoio à produção, o presidente da Anfir informa que muitos fabricantes já voltaram a contratar e adotaram segundo e terceiro turnos de produção. “As encomendas de implementos pesados chegam a três meses, o que é um nível bastante confortável para nós” afirma.

Com o cenário normalizado e perspectiva de crescimento econômico, a Anfir projeta que o desempenho dos fabricantes de implementos volte a rodar colado com os caminhões. A entidade estima incremento de 6,5% nas vendas este ano, para algo em torno de 171 mil unidades. O segmento pesado, de reboques e semirreboques, deverá ter contribuição menor na expansão, com avanço de 4,6%, para 55 mil produtos, enquanto as implementações de carrocerias sobre chassis devem crescer 7,5%, para 116 mil.

Os resultados de janeiro comprovam a recuperação, com 13,6 mil emplacamentos e crescimento de 5% sobre o mesmo mês de 2011. A retomada é forte no segmento pesado, com 5 mil rebocados vendidos, o que representou expansão significativa de 38,2% sobre o ano anterior. Já as implementações de carrocerias sobre chassis têm ritmo lento, 8,6 mil unidades e retração de 7,6% ante janeiro de 2011. Segundo Braga, essa diferença acontece justamente pela maior dificuldade de obtenção de financiamento do PSI para implementos de menor porte, a maioria feita por autônomos ou pequenos frotistas.

“Já verificamos uma redução do ímpeto em fevereiro, mas como a retomada veio com muita força isso é normal, houve represamento de pedidos em 2012 e grande acúmulo no fim do ano. Agora deveremos entrar em ritmo menos acelerado”, avalia Braga. Segundo ele, não há falta de insumos e as fábricas trabalham com relativo conforto, levando em consideração a capacidade de produção calculada pela Anfir em 215 mil implementos por ano, ou 45 mil abaixo da expectativa de vendas para este ano.

Para Braga, o principal motor do crescimento é a necessidade de melhorar a infraestrutura do País, “não só para Copa em 2014 ou as Olimpíadas de 2016, pois muitas dessas obras já estão em fase de execução e não devem representar grande fonte de compras, mas ainda há muito por fazer em portos e aeroportos, por exemplo”, citou o executivo.



Tags: Implementos rodoviários, Anfir, rebocados, reboques, semirreboques, carroceria, resultado, balanço 2012, caminhões.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência