Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Importados | 28/01/2013 | 17h57

Argentina revoga parte das licenças não automáticas

Medida beneficia veículos e autopeças brasileiros

REDAÇÃO AB

O governo argentino publicou na sexta-feira, 25, medida que revoga parte das chamadas Licenças Não Automáticas (LNAs), certificados oficiais que obrigam as empresas a solicitar licenças para poder importar certos produtos ao país. Publicada no Diário Oficial da União da Argentina (veja aqui), a revogação isenta 17 produtos de uma lista de 600 itens cuja licença para entrar no país é obrigatória e sujeita à aprovação. O comunicado ocorre dois dias após o anúncio de que a Argentina obteve, em 2012, superávit comercial de US$ 12,6 bilhões.

Parte dos 17 itens com licenças não automáticas anuladas está relacionada à indústria automotiva, como automóveis e motocicletas, autopeças, câmaras pneumáticas de bicicletas, pneus, parafusos e similares, produtos metalúrgicos. A medida também beneficia produtos de outros setores, como papel, fios e tecidos, partes de calçados, pneumáticos e brinquedos, entre outros.

Segundo o Ministério da Economia da Argentina, a resolução foi tomada por “questões de oportunidade, mérito e conveniência”. O secretário de comércio exterior, Guillermo Moreno, chegou a declarar a um jornal local que “à medida que a crise internacional se dissipe, o controle sobre a entrada das importações também será relaxado”.

Mas este passo que minimiza as barreiras não tarifárias que a Argentina vem adotando desde 2011 não resolve o impasse. O país manteve a aplicação das Declarações Juramentadas Antecipadas de Importação (DJAI), que desde fevereiro do ano passado, obriga todas as empresas que desejem importar a apresentar, de forma prévia, um relatório detalhado ao órgão responsável pela arrecadação tributária.

Ainda assim, a medida da Argentina abre caminho para que o Brasil adote ação recíproca: em maio de 2011, como resposta à burocracia imposta pelo país vizinho para a importação de produtos, o governo brasileiro adotou as mesmas licenças não automáticas (leia aqui), afetando diretamente a balança comercial com a Argentina, principalmente no setor de veículos (leia aqui).

Tags: Argentina, licenças, importação, barreira, balança comercial, superávit.


Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
AB Inteligência