Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
JAC Motors aposta nos caminhões leves
VUC T140 que JAC planeja produzir em sua fábrica de Camaçari (BA)

Mercado | 22/01/2013 | 21h03

JAC Motors aposta nos caminhões leves

Chinesa quer produzir modelos com PBT de até 10 toneladas no Brasil

SUELI REIS, AB

A JAC Motors revela os caminhos que pretende traçar no segmento de caminhões, cuja entrada se deu em dezembro passado, com o início das vendas do leve T140, com peso bruto total (PBT) de 3,5 toneladas. O modelo será o primeiro de uma linha de quatro veículos comerciais leves que serão produzidos em Camaçari (BA). Para introduzir a nova linha, a empresa ampliou em R$ 100 milhões o investimento na planta, que terá capacidade para fabricar 100 mil carros e 10 mil caminhões por ano (leia aqui).

Os outros três modelos terão PBT de 6, 8 e 10 toneladas, mas só devem entrar em linha em 2016, após a concepção da uma nova rede, explica o presidente da JAC Motors, Sergio Habib.

“Para vender caminhões no Brasil, é preciso abrir uma rede com 40 ou 50 revendas de uma vez e isso gera um custo gigantesco, entre R$ 200 e R$ 300 milhões, mas apesar disso, teremos uma rede diferenciada da que temos para automóveis”, afirmou.

O executivo explica que terá parte da produção compartilhada com a linha de automóveis, como pintura e montagem de cabine e que seus principais itens serão de origem brasileira, como o motor Cummins 2.8, de 140 cv de potência, a transmissão mecânica ZF de cinco marchas, além dos pneus e implementos. Um lote com 500 unidades importado da China

O T140 chega para brigar no mercado de VUC (Veículo Urbano de Carga), composto por marcas tradicionais como Ford Transit, Iveco Daily, Mercedes-Benz Sprinter, Renault Master, e os líderes de vendas Hyundai HR e Kia Bongo. Habib considera o segmento “pequeno, mas com tendência de crescimento”. Segundo ele, no ano passado, o mercado absorveu 23,4 mil VUC’s, participação de 3,5% das vendas totais de veículos no País. Para este ano, as estimativas apontam para 30 mil unidades, alta de 28%.

LACUNAS

Habib conta que o T140, por se tratar de um VUC (Veículo Urbano de Carga) será vendido em 12 das 65 concessionárias da JAC, concentradas em São Paulo, interior paulista e Rio de Janeiro. Um lote com 500 unidades importado da China, Euro 4, e por isso, faturado ainda no ano passado para as revendas, deverá ser vendido entre seis e sete meses, estima. “Só para este mês devemos vender 60 caminhões. Este é um teste de mercado, mas já temos bons retornos de pequenos empresários e frotistas”, afirmou. Os veículos importados são da versão mais antiga do modelo: na China, o T140, lá chamado de 1035, já tem novo design de cabine e novo motor fornecido pela joint venture com a Navistar.

Contudo, este será o primeiro e único lote importado do T140, isso porque a JAC pretende, após esgotar suas vendas, voltar a oferecê-lo no mercado só depois da conclusão do novo projeto do caminhão, que deverá ter airbag, conforme exige a legislação.

Com isso, ele afirma que ainda não definiu o quê vai produzir primeiro em Camaçari, que deve começar a operar no segundo semestre de 2014:

“É mais fácil montar caminhão do que automóvel, porque tem menos peças, mas não sei se o caminhão ficará pronto antes do carro que projetamos para a Bahia.”

CARGA PESADA

Desde que iniciou suas vendas de automóveis por aqui, em março de 2011, a JAC considerou a possibilidade de trazer também seus caminhões. A empresa nasceu na China há quase 48 anos no segmento de veículos comerciais e entrou no ramo de automóveis há apenas 10 anos. Segundo Habib, a JAC Motors do Brasil cogitou até a representação da Tata Motors para trazer modelos comerciais, mas a negociação, que esteve em nível “bastante adiantado” em 2012, caiu por terra após a imposição do IPI maior para importados.

Para o presidente da JAC, a opção de trazer os modelos leves da marca ao Brasil se dá por uma questão única de preço.

“O Inovar-Auto aumentou violentamente o tíquete de entrada, seja no País ou em qualquer segmento daqui. É muito complicado - e caro - produzir ou trazer para o Brasil caminhões pesados. A JAC tem na China caminhões com PBT de até 70 toneladas, mas por hora, não é viável. Nosso foco são os leves.”

Na China, a maior participação da JAC no mercado de caminhões é no segmento leve, algo como 30%. A aposta para crescer nos pesados virá na joint venture que firmou com a Navistar para a produção de motores que equipará seus modelos mais robustos (leia aqui).

Habib revela que tem conversado com a Navistar brasileira, mas afirma não saber o que pode resultar de seus encontros com Waldey Sanches.



Tags: JAC, T140, Sergio Habib, caminhões, VUC, Hyundai HR, Kia Bongo. Navistar.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência