Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Negócios | 12/12/2012 | 17h50

Renault: 2013 será o ano da transformação no Brasil

Empresa brecará lançamentos para ampliar fábrica e investir em marketing

CAMILA FRANCO, AB

A francesa Renault comemora 2012, o melhor ano da sua história no Brasil, com quase 250 mil veículos vendidos no País, que continua sendo o seu segundo maior mercado. “Devemos fechar 2012 com crescimento de 25% em relação a 2011, enquanto o mercado cresceu em torno de 5%. Abrimos 30 concessionárias, totalizando 235. E nos consolidamos entre as cinco principais marcas”, declarou o presidente da Renault do Brasil, Olivier Murget, em evento que reuniu imprensa e colecionadores de veículos da marca na terça-feira, 11. O executivo diz que “2013 tende a ser o ano da transformação”.

De fato, a receita das vendas no próximo ano será um pouco diferente. O executivo revela que 2013 terá menos lançamentos do que 2012 (que teve os novos Clio, Fluence GT, Duster Tech Road, Sandero GT Line, além de Sandero Stepway e Logan com motor 1.6 8 V Hi-Power). Apenas a van Master, em março, chegará às concessionárias com novidades.

Em compensação, segundo Murget, esforços serão direcionados à ampliação da fábrica da Renault, em Curitiba (PR), que a partir de 2013 terá capacidade ampliada em 100 mil unidades para atender a demanda crescente dos modelos Sandero, Duster e Logan. A unidade ficará parada por dois meses (de 8 de dezembro até 7 de fevereiro) para a expansão (leia aqui). Com as obras prontas, o potencial produtivo passará de 280 mil para 380 mil carros/ano (um carro por minuto). Desse volume, 30% serão destinado a exportação.

A unidade de motores, alocada na mesma planta, acompanha o ritmo, incorporando também mais 100 mil unidades por ano. Passará dos atuais 400 mil para 500 mil/ano em 2013, sendo que 40% do volume serão destinados à exportação.

“O ano de 2013 será de transformação porque queremos entrar em um novo patamar, conquistando e atendendo mais clientes. Vamos aproveitar 100% da capacidade da fábrica com o funcionamento de três turnos de trabalho. Serão 10 meses com a responsabilidade de produzir por 12”, afirma o presidente.

Murget diz que a empresa investirá em marketing de varejo em 2013. “Estamos com uma ampla gama de veículos, muitos deles recém-lançados. Agora, temos de fazer com que os consumidores conheçam melhor os nossos modelos, como o novo Clio (vendido desde meados de novembro)”, diz Murget.

Outro investimento para 2013 será na imagem da empresa. O executivo francês admite que muitos brasileiros, que ainda não tiveram um Renault, acreditam que a empresa se dedica à importação de veículos. “Quem já comprou um Renault compra outro de novo, mas consumidores que ainda não tiveram um ainda têm preconceito em relação à marca. Precisamos expandir a nossa participação e divulgar a empresa em todas as regiões do País. Em 2012, por exemplo, conquistamos o direito de nomear um centro de exposições no principal parque de Curitiba (PR), o Parque Barigui, agora Expo Renault Barigui, e uma das principais salas de espetáculos musicais de São Paulo, o antigo Teatro Abril, que passou a se chamar Teatro Renault. Além dessas ações e de investimentos em publicidade, em 2013, aumentaremos a quantidade de concessionárias para 275.”

CRESCIMENTO DO MERCADO

Assim como Carlos Ghosn, presidente mundial da Aliança Renault Nissan, que prevê desaceleração do mercado de veículos brasileiros em 2013 (leia aqui), Olivier Murget também espera crescimento tímido de 2%, metade do avanço do PIB em 2013. “Aposto nessa margem, mas não descarto a possibilidade de ser mais, se houver uma política forte de reduções dos impostos; ou menos, caso não haja incentivos fiscais.”

Ele defende uma política que reduza o custo Brasil a longo prazo. “Tudo sai mais caro para montar aqui do que em qualquer outro país: matéria-prima, logística, eletricidade, processos administrativos, impostos. Tudo isso reduz a nossa competitividade.”

Murguet diz que não tem como absorver as diferenças de preços entre os mesmo veículos montados no Brasil e em outros países. “Neste ano, o preço do carro aumentou em média 2% e a inflação 5,5%. Não tem como mudar a nossa margem. A saída, inevitavelmente, é aumentar os preços.”

A meta da Renault, segundo ele, é atingir 8% de participação de mercado interno até 2016 (atualmente o market share é de 6,7%), em um mercado de mais de 4 milhões de veículos.



Tags: Renault, Olivier Murget, fábrica, Clio, Master, investimentos.

Comentários

  • Rogério

    Poucos lançamentos para 2013?? Sinceramente se a Renault não renovar a linha Logan/Sandero logo a coisa vai ficar feia para ela no mercado brasileiro, já que o HB20 está vindo com tudo, além do Onix, já que ambos já ultrapassaram o Sandero em vendas no mês de novembro segundo dados da Fenabrave. Com o lançamento do HB20 a Hyundai já encostou na Renault em novembro/2012 na participação de mercado de automóveis com 4,58% vs. 5,17% da marca francesa. A Fiat mesmo sendo líder de vendas sempre está inovando, todos os anos tem uma inovação em seus carros, e dessa forma ficando à frente da concorrência. Não é a toa que a marca italiana caiu no gosto do consumidor brasileiro. E pelo visto a Hyundai está aprendendo a lição com os italianos. INOVANDO!!!

  • JETER

    Quando chega aqui no brasil o novo logan2013.

  • Alex Barros

    Prezados, mesmo com estes argumentos, não consigo visualizar diferença tão grande de preços e acabamento dos carros com relação a outros países. Tudo bem, se você tem, matéria-prima, logística, eletricidade, processos administrativos e impostos, com valores mais altos, e estes são os argumentos para trabalharem esses preços, por que não mantêm a qualidade que os carros lá fora tem, fale-se tecnologia. Belo texto.

  • Jorge F. Gomes

    Comprei um Renault, troquei por outro mas se em 2014 a Renault não tiver um sedã 2.0 nacional com motor renault estou saindo da marca.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência