Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 18/11/2012 | 18h06

Exportação de carros recua US$ 800 milhões em 2012

Infraestrutura, logística e mão de obra afetam vendas externas mais que o câmbio

REDAÇÃO AB

De janeiro a outubro, a indústria automobilística nacional exportou US$ 12,6 bilhões, ou US$ 800 milhões menos do que em igual período de 2011 (US$ 13,4 bilhões). A Argentina contribuiu com 70% da queda, reduzindo as compras em US$ 570 milhões, para US$ 3,7 bilhões.

Os dados estão em reportagem da jornalista Cleide Silva para o Estadão de domingo, 18. Ela lembra que as montadoras chegaram a exportar 30% da produção em 2005, o equivalente a 724 mil veículos, mas hoje apenas 13% seguem para outros países.

"O câmbio é a menor das nossas preocupações; o problema são os custos de infraestrutura, logística e mão de obra", diz Jaime Ardila. Ele cita especialmente as dificuldades nos portos, estradas e o monopólio mantido pelos transportadores, os chamados cegonheiros.

Agora, as vendas perdem espaço também na América do Sul. A Renault deixou de vender para o México 7 mil unidades ao ano do compacto Sandero produzido no Paraná. "A Colômbia passou a ser a fornecedora do modelo, pois tivemos uma evolução desfavorável de custos e nossa competitividade se degradou muito", diz o vice-presidente para as Américas da Renault, Denis Barbier, à jornalista do Estadão. A fábrica local da Renault em Medellín recebe as peças do Sandero de diversas partes do mundo, entre as quais Brasil, França e Romênia, e apenas monta o carro.

A General Motors perdeu contratos para Chile, Colômbia, Equador e Venezuela, que passaram a ser abastecidos por China, Coreia do Sul e Tailândia. Um exemplo citado pelo presidente da GM América do Sul, Jaime Ardila, é o da picape S10, que é exportada da Tailândia para esses mercados a preços entre 20% e 30% mais baixos que os do Brasil. "A ironia é que a S10 foi desenvolvida aqui no Brasil", diz o executivo.

Cledorvino Belini, presidente da Anfavea, a Associação nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores enfatiza que há 29 milhões em capacidade ociosa nas instalações de montagem mundiais.

A Volkswagen é a que está mais perto de metas traçadas no passado, de exportar entre 25% e 30% do que produzia nas fábricas brasileiras.

No ano passado, as exportações da montadora somaram 178 mil unidades, o equivalente a 22% de sua produção local, mas a maior parte para os países vizinhos. O grupo chegou a exportar o Fox para a Alemanha, mas por pouco tempo.



Tags: Exportações, Volkswagen, Anfavea, Jaime Ardila, Sandero, Renault.

Comentários

  • Eduardo Ubiratan

    Acho que só demonstra o atraso do nosso mercado, nossos carros não passam da América Central.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência