Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Motores | 09/11/2012 | 17h35

Tupy introduz ferro vermicular nos projetos para otto

Empresa consolida liderança global em blocos

PAULO RICARDO BRAGA, AB

A Tupy, de Joinville (SC), deve fechar o ano no azul e trazer resultados positivos para a balança comercial de autopeças, repetindo o que ocorreu em 2011, quando a empresa exportou US$ 600 milhões e nada importou. Há outros fatos a comemorar na tradicional empresa brasileira. Em abril foi concluída a aquisição de duas fundições do México, Cifunsa Diesel e Technocast, controladas pelo Grupo Industrial Saltillo (GIS). A empresa aplicou US$ 439 milhões na transação.

Quando anunciou a compra, em novembro do ano passado, a Tupy informou que o objetivo era internacionalizar a atuação e tornar-se a maior fabricante de blocos e cabeçotes de ferro fundido do mundo, além de aproximar-se dos clientes do setor automotivo baseados na América do Norte. Mais tarde, em junho, foi inaugurada, no complexo de Joinville, a fundição C (70 mil t/ano), que recebeu parte de um investimento de R$ 157 milhões, abrindo 600 postos de trabalho, que se somaram a outros 9 mil da empresa. A unidade de Mauá (SP) recebeu R$ 19 milhões para expansão.

VANGUARDA

As iniciativas recentes colocaram a Tupy na primeira posição entre as empresas que fornecem blocos e cabeçotes para motor, com capacidade para fundir 635 mil t/ano de ferro cinzento, cinzento ligado e vermicular, destinados à Caterpillar, John Deere, Cummins e Chrysler Europa, Ford, presentes no primeiro time de clientes. Das 540 mil t/ano processadas pela empresa no País, 480 mil t são destinadas à área automotiva e nada menos de 70% têm como endereço as exportações. Há casos curiosos, como os blocos e cabeçotes de ferro vermicular entregues à DAF, na Holanda, que serão utilizados nos motores brasileiros dos caminhões da marca. A MAN utiliza blocos similares na Europa, que serão empregados na montagem dos caminhões TGX no Brasil.

Fernando Cestari de Rizzo, vice-presidente, revela ponderado otimismo sobre a evolução do mercado, lembrando que houve muitos negócios de caminhões Euro 3 no final do ano passado, inibindo o deslanche do Euro 5. O segmento é vital para os bons resultados da Tupy, que contabiliza 70% da receita automotiva com blocos e cabeçotes para motores do ciclo Diesel.

“Dependemos do comportamento da economia e da oferta de frete. Houve alguns momentos bons, porém outubro sinalizou baixa no transporte de cargas. Mas estamos otimistas com a recuperação do segmento de caminhões, com o incentivo do Finame”, disse, observando que a compra do caminhão, assim como as de máquinas agrícolas e de construção, obedecem conceitos racionais.

TECNOLOGIAS

Rizzo comemora o fato de a Tupy estar pronta para utilizar ferro vermicular também em blocos e cabeçotes de motores do ciclo Otto. Até agora o material era aqui uma exclusividade de propulsores Diesel. “Trata-se de uma boa conquista no campo tecnológico, já que o ferro vermicular oferece boas propriedades mecânicas para projetos nessa área”, explica Rizzo.

Sobre as disputas entre alumínio e ferro em powertrains automotivos, ele reconhece que o primeiro metal conquistará novas aplicações veiculares, mas não é certo dizer que se trata da receita ideal para motores. Quando as potências e torques envolvidos são elevados, o ferro vermicular pode ser a melhor solução, garantido um dimensionamento adequado das paredes dos blocos.

“Para cada aplicação deve ser feito um exame meticuloso do projeto como um todo, da geometria envolvida e dos materiais à disposição”, explica o executivo. Embora a Volkswagen utilize alumínio nos blocos da família EA 2011, para as capacidades de 1.0, 1.4 e 1.6 litro, os propulsores 1.8 e 2.0 empregam ferro vermicular da Tupy.

Rizzo admite que os projetos locais de motores serão alinhados aos existentes em outras partes do mundo. Em função disso, não há programas criados e desenvolvidos exclusivamente no País, embora a engenharia local esteja pronta para fazer adequações. “Há um importante esforço de desenvolvimento da tecnologia automotiva no País”, garante, referindo-se à colaboração com universidades e institutos de pesquisa.

Na área de produtos da tecnologia Otto a Tupy está focada em motores para veículos premium, como Audi, Porsche, Volkswagen, Jaguar, Land Rover e Chrysler Europa. “São componentes que trazem complexidade no projeto geométrico e requisitos metalúrgicos elevados”, afirma. Um de seus clientes no Brasil será a Ford, que desenvolve o motor Fox, com bloco de ferro.

“A evolução do Inovar-Auto traz boas perspectivas para o setor de autopeças. E estamos incluídos aí”, diz Rizzo, lembrando que a Tupy também produz componentes para suspensões, freios, direções, eixos e transmissões de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus, além de tratores e máquinas agrícolas. Para ele, 2013 será um ano de recuperação, mas ainda há dúvida se voltaremos aos volumes e receitas registrados em 2011, um ano de recordes para a indústria automobilística. No que diz respeito a caminhões, ônibus e motores Otto os resultados no ano passado foram notáveis, com a produção de 263,8 mil veículos comerciais.



Tags: Tupy, Cifunsa Diesel, Technocast, Ford, DAF, MAN, Caterpillar, John Deere, Cummins, Chrysler Europa, blocos de motor, cabeçotes.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência