Automotive Business
  
Siga-nos em:

Notícias

Ver todas as notícias
Caminhões: Mercedes-Benz recupera espaço no ranking de vendas

Mercado | 08/11/2012 | 19h04

Caminhões: Mercedes-Benz recupera espaço no ranking de vendas

MAN e Volvo também avançaram. Ford, Iveco e Scania perdem mercado no ano

GIOVANNA RIATO, AB

A Mercedes-Benz parece ter acertado na estratégia para o Proconve P7 (ou Euro 5), legislação de emissões que entrou em vigor no início de 2012 e tornou os caminhões mais caros. A empresa conseguiu este ano recuperar parte do espaço perdido em 2011. Enquanto o mercado do segmento sofreu retração de 20,8% entre janeiro e outubro, para 113,9 mil unidades, as vendas de veículos da marca tiveram queda menor, de 18,7%, para 28,8 mil emplacamentos.

Com isso, a marca alemã ganhou quase 0,9 ponto porcentual de participação e respondeu por 25,6% das vendas. A montadora se manteve em segundo lugar no ranking, ainda atrás da MAN, que vende modelos Volkswagen e MAN, mas mais perto de alcançar a meta de voltar a ser líder em 2015. Ao lado da Volvo e da Scania, a Mercedes-Benz integrou o grupo de montadoras que mais vendeu modelos Euro 5. Entre as linhas da marca, a que teve melhor desempenho foi a de leves, Accelo, com redução de apenas 3,2% nas vendas.

A líder entre as fabricantes de caminhões, MAN, também teve performance positiva, fortalecendo sua posição com ganho de 0,3 ponto de market share no ano, para 30,1%. As vendas da companhia somaram 33,9 mil unidades entre janeiro e outubro, com retração de 20,6% em relação ao mesmo intervalo de 2011 - quase em linha com o desempenho médio do mercado. Os caminhões semileves e leves Delivery seguraram o resultado negativo do período. A linha de pesados Constellation também teve resultados melhores do que o do mercado total.

A Ford Caminhões, terceira colocada do ranking, foi a que mais perdeu mercado, entregando 1,4 ponto de market share, para 16%. Foram licenciados 18,1 mil veículos da marca nos 10 meses do ano. O volume é 27,8% menor do que o registrado em 2011. As maiores retrações aconteceram entre os modelos leves e médios. As vendas de pesados apresentaram desempenho melhor, impedindo que a queda da empresa se aprofundasse.

Já a Volvo continuou a ganhar mercado e chega cada vez mais perto da concorrente. Na quarta colocação, a marca sueca responde por 11,2% do total vendido no País, com ganho de 0,3 ponto porcentual de market share até outubro. Os emplacamentos passaram de 12,6 mil unidades, com retração de 19,2% na comparação anual. As vendas da empresa foram melhores do que a média nos dois segmentos em que atua, de semipesados com os modelos VM e de pesados com a família FH.

A Iveco, quinta maior marca de caminhões do País, chega perto do fim do ano com saldo negativo. A montadora perdeu 0,6 ponto de presença no mercado, para 7,6%. Com 8,5 mil licenciamentos, houve retração de 27,9% em relação ao ano passado. A participação da empresa nas vendas de Euro 5 foi pequena. Os negócios entre janeiro e outubro ficaram mais concentrados no segmento de leves, com a linha Daily, que se enquadra entre os VUCs (Veículos Urbanos de Carga), com autorização para circular em grandes centros urbanos.

A Scania foi mais uma a perder espaço, entregando 0,1 ponto de seu market share para deter 7,5% do mercado. A companhia vendeu no Brasil 8,4 mil caminhões entre janeiro e outubro, com redução de 22,6% em relação ao mesmo período do ano passado. Assim como a Volvo, a fabricante trabalha com veículos de alto valor agregado e não formou estoques de Euro 3 para vender no início deste ano. A linha de semipesados da companhia apresentou crescimento expressivo entre janeiro e outubro, apesar de a base de comparação ser fraca, já que a empresa vendeu poucas unidades no ano passado.

A Sinotruk teve retração menor nas vendas, de 10,1%, mas também em relação a uma base fraca de comparação. A empresa vendeu 611 caminhões entre janeiro e outubro. O volume garantiu participação de 0,5%. A brasileira Agrale vendeu 457 unidades, com retração significativa de 32,5%, e participação de 0,4%. A International ampliou em 29,9% os seus emplacamentos, para 404 caminhões. A companhia é a nona colocada no ranking de vendas, com 0,3% de participação.

ranking



Tags: caminhões, ranking, Mercedes-Benz, Euro 5, MAN, Volvo, Ford, Iveco, Scania.

Comentários

  • Osmar Tellos

    Cara Giovanna, analisando as estatísticas sem analisar o contexto é um erro. Comumente aceitamos 22° C como temperatura agradável. Se pegarmos uma pessoa e colocá-la com a cabeça em uma estufa, à 44° C e os pés em um balde de gelo à 0° C, na média ela vai estar com 22° C. Mas, não vai estar confortável. Para analisar o ranking, deveria-se dividir por setores de mercado, e não analisa-lo como um todo. Ex.: A Scania compete quase que exclusivamente no mercado de extra-pesados, mercado este que não vende tanto quanto ao do semipesados. Daí a sua participação ser menor... Este tipo de estatística mostrado no texto só interessa à alguma montadora. No caso, a Mercedes Benz.

  • antonio luiz pereira

    comparando os europeus aos norte-americanos, a impressão que se tem é que os primeiros são bem mais ágeis desde estratégias, cadeia de produção e comercialização estudando mellhor o nosso mercado, enquanto os norte-americanos e aqui lembramos a Ford parece ainda muito ligada a estratégias decididas lá na matriz e seus valores norte-americanos com dificuldades de segurar o conquistado por conservadorismo até o último momento enquanto as vendas perdurarem.

  • giovane

    eu tenho um caminhão com moto de mercedes benz ai da certo e garantido esse moto p o meu caminhão

  • Aparecido de Jesus Berto

    Admiro a evolução dos caminhões de carga no Brasil como tenho idade suficiente e conhecimento do andamento evolutivo dos caminhões desde os anos 60 me tornei fã assíduo da Ford vi os F 6 e F8 deixar nuvem de poeira nas estradas de chão batido aqui pelo interior do Est, de S,Paulo assim como vi outros que hoje não se cogita ,mais, o que me entristece é ver seu ídolo perdendo espaço na batalha comercial que foi demonstrado em revistas especializadas onde se comenta o descontinuamento da montagem da F 250, F 350 e F 4000, abrindo assim janela para concorrente sem história historia e nem tradição em nosso País, vi noticiário onde concorrente esta utilizando motor Cumins de 390 CV e minha admirável Ford deixa uma lacuma entre o Cargo 1932 e o novo 2642 onde caberia com sucesso um 2239., mas assim mesmo dou meus parabens pelos ótimos produtos

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência