Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 15/10/2012 | 15h59

Importados recuam 32,5% no ano

Em setembro, a queda foi próxima de 60% no confronto com o mesmo mês do ano passado

REDAÇÃO AB

As empresas filiadas à Associação Brasileira das Empresas Importadoras de Veículos Automotores (Abeiva) encerraram setembro com 9.042 unidades emplacadas, queda de 59,9% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Com 102.727 veículos no acumulado de janeiro a setembro, as associadas à Abeiva tiveram retração de 32,4% nos primeiros nove meses do ano. Nos mesmos nove meses de 2011 já haviam sido emplacados 151.853 veículos.

A situação contrasta com a do mercado interno, que registrou alta de 5,5%. Foram emplacadas 2.667.347 unidades este ano até setembro, ante 2.527.469 nos três primeiros trimestres de 2011. O presidente da Abeiva, Flavio Padovan, chama a atenção para a perda de participação dos importados: “Ao comparar os totais do acumulado de 2012 e 2011, nosso market share caiu de 6,01% para 3,85%.”

INOVAR AUTO DESAGRADA PARTE DAS ASSOCIADAS

A possibilidade de habilitação no programa Inovar Auto, regulamentado pelo Decreto 7.819, publicado em 3 de outubro no Diário Oficial da União, atendeu apenas parcialmente às expectativas da Abeiva, que representa 29 marcas sem fábrica no País.

“Temos de reconhecer que o programa é um avanço para o País, que nunca teve uma regulamentação desse porte antes. Ao exigir contrapartidas de investimentos em pesquisa, desenvolvimento, engenharia e capacitação de fornecedores, o decreto sem dúvida significa uma importante definição de política industrial ao polo automotivo brasileiro”, avalia o presidente a associação.

“No entanto, a diversidade de empresas dentro da Abeiva mostra que ainda não são todas as empresas que veem vantagens com o Inovar Auto para suas operações futuras. Para algumas, o teto máximo de 4,8 mil unidades por ano é visto como uma ação paliativa e as demais exigências, um obstáculo de crescimento.”

A Abeiva pedia ao Governo Federal desde a publicação do decreto da alta do IPI, em 16 de setembro de 2011, que se estabelecessem cotas de importação proporcionais aos emplacamentos dos últimos anos. Padovan afirma que de 2013 a 2017 os importadores de veículos estarão em desvantagem ante aqueles que trazem automóveis do Mercosul e do México.

“Ressalto ainda que já perdemos 2012, que foi um desastre para o setor, que tinha uma rede de 882 concessionárias e contava com 35 mil trabalhadores. Hoje tem 737 revendas e emprega 25 mil trabalhadores brasileiros”, lamenta Padovan sobre o fechamento de cerca de 10 mil postos de trabalho. Para ele, a situação tende a agravar-se.

“Desde a semana passada, cada associada à entidade está avaliando como irá se adequar a essa nova situação e como se habilitar ao programa Inovar Auto. Assim como cada filiada vai estudar a possibilidade de investimento em fábrica no País. Mas, por questão de escala industrial, a maioria das empresas deve se manter na atividade de importação”, diz o presidente da Abeiva.



Tags: Abeiva, importados, Flávio Padovan, Inovar Auto, Governo Federal, Mercosul, México.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência