Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 09/10/2012 | 19h55

Metas de redução de consumo surpreendem a GM

Implementação nas linhas pode demorar, diz vice-presidente Marcos Munhoz

AGÊNCIA ESTADO

O vice-presidente da General Motors Brasil, Marcos Munhoz, classificou a meta de redução de 12% do consumo de energia dos carros até 2017, estabelecida pelo novo regime automotivo, como forte e surpreendente. “A meta de melhoria energética, de certa forma, nos surpreendeu. A gente não imaginava que o governo fosse estabelecer uma meta tão forte”, disse. O Inovar-Auto foi anunciado pelo governo federal na última quinta-feira, 4, e prevê redução no IPI para montadoras que investirem na eficiência energética dos veículos.

Munhoz explica que a GM vai iniciar imediatamente a avaliação do atual consumo de combustível de cada uma das 20 linhas que a empresa fabrica atualmente, para então trabalhar no atendimento das metas. "A implementação da redução é que poderá ser mais demorada, mas alguns modelos serão mais fáceis de atingir a meta, outros mais difíceis", disse. "Para que isso aconteça, três coisas vão precisar melhorar: o motor e o sistema de transmissão, o resto do automóvel, com redução de peso e do atrito do pneu, e novos componentes que hoje não existem no produto", explicou. O executivo disse que ainda não é possível avaliar qual deve ser a mudança na nova fábrica de motores de Joinville (SC), que, segundo ele, começa a produzir em novembro.

O executivo pondera que a GM terá uma análise completa da política do governo, "que é complexa", nos próximos 40 dias, mas que as previsões de investimentos para a adequação dos veículos só devem estar concluídas no começo de 2013. A montadora ainda não divulgou plano de investimentos para os próximos cinco anos, porque, segundo Munhoz, aguardava a publicação do novo regime automotivo. A projeção dos R$ 5 bilhões investidos no projeto anterior termina neste ano.

Munhoz disse que a segunda fábrica de Joinville, que fabricaria transmissões e funcionaria ao lado da unidade de motores, deverá ser reavaliada em janeiro. O executivo explica que o projeto surgiu para exportação dos produtos para a Europa, mas "as coisas mudaram na Europa e os volumes que se projetava há dois, três anos atrás não são mais verdadeiros".

"Não quero fazer prognóstico, especulação, mas a situação na Europa não melhorou. Na verdade, piorou em relação ao que estava há três meses. Então, temos que esperar janeiro, mas é um desafio muito grande", disse o executivo. Segundo ele, parte da produção da planta seria absorvida pelo mercado interno, mas o projeto só é viável com a exportação.

O executivo destacou que a unidade de motores de Joinville já está produzindo os cabeçotes e, a partir de novembro, estará produzindo motores. O projeto prevê a fabricação anual de 150 mil motores, que serão destinados à planta de Gravataí, onde a GM está produzindo seu novo modelo, o Chevrolet Onix.



Tags: regime automotivo, General Motors, Inovar-Auto, consumo, GM, Onix.

Comentários

  • Danilo

    Deve ter surpreendido mesmo.. os carros da GM bebem igual uma égua véia!!!

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência