Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Powertrain | 03/10/2012 | 10h55

Bosch apresenta injeção direta flex

Tecnologia mostrada na SAE reduz consumo, emissão e melhora desempenho

CAMILA FRANCO, AB

A Bosch, uma das empresas presentes no 21° Congresso SAE, que acontece até 4 de outubro em São Paulo, prevê que em 2020 cerca de 95% da frota mundial ainda seja movida a motores de propulsão a diesel, gasolina, gás ou biomassa, como etanol. Durante o evento, em seu estande, a empresa deixou claro que continuará a investir em novas tecnologias de powertrain, com o objetivo de reduzir os níveis de CO2 e consumo de combustível. Uma de suas novas apostas é a injeção direta flex, para motores bicombustíveis, que segundo a Bosch proporciona maior torque e potência com menor consumo e emissão. E mais: pode vir ser uma alternativa para ajudar as montadoras no Brasil a melhorar a eficiência energética dos veículos, como exige o novo regime automotivo.

De acordo com Martin Leder, chefe de engenharia avançada da Bosch, a injeção direta bicombustível, que vem de encontro com uma demanda do mercado, já proporciona economia em torno de 15% no consumo e torque até 5% maior.

O sistema funciona da seguinte maneira: nos motores bicombustíveis com injeção direta, a mistura ar/combustível se forma diretamente na câmara de combustão. Como resultado, há uma melhor pulverização do combustível e queima mais eficiente, gerando torque e potência maiores. “A medição precisa, a preparação, e a distribuição do ar admitido e do líquido injetado em cada tempo de combustão resultam em um menor consumo e um nível mais baixo de emissões de poluentes”, detalha Leder.

A injeção direta para motores ciclo otto só está disponível por enquanto nos mercados europeus e da América do Norte em motores com gasolina pura (E0) ou abastecidos a gasolina com 85% de etanol (E85). “O desafio é desenvolver um sistema capaz de operar com os combustíveis brasileiros (E22 e E100) e que proporcione os mesmos ganhos de eficiência e consumo que a gasolina”, admite Leder. Ele diz que ainda não existem veículos com injeção direta que trabalhem com a E100 (100% etanol), mas assegura que a Bosch já está trabalhando no desenvolvimento dessa tecnologia junto às montadoras instaladas no Brasil.



Tags: Bosch, injeção direta, biocombustível, bicombustíveis, Congresso SAE.

Comentários

  • Thiago

    POR ISSO QUE EU TE AMO BOSCH

  • Antonio Donizeti Crepaldi

    Injeção direta, este sistema de injeção é ótimo ; sou mecânico diesel há mais de vinte e cinco anos e conheço muito bem as vantagens da injeção direta de combustível com acionamento mecânico e com gerenciamento eletrônico, (eletrônica embarcada) em motores ciclo diesel.também gostaria de conhecer as novas tecnologias sobre a injeção direta nos motores ciclo Otto , até porque também preciso me informar mais sobre novas tecnologias, para ministrar minhas aulas que dou no Senai sp; a já ia me esquecendo e se é BOSCH é ótima ,e eu assino em baixo. espero por novas notícias muito grato.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência