Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Trabalho | 03/09/2012 | 20h11

GM e sindicato de São José discutem pacote salarial

Para manter os 1.840 funcionários do MVA, empresa quer congelar salários e rever PLR

REDAÇÃO AB

Menos de dois meses após o anúncio do fechamento do MVA da fábrica da GM de São José dos Campos (SP) (leia aqui), onde eram montados Corsa hatch, Zafira e Meriva (os dois últimos substituídos pela Chevrolet Spin), o Sindicato dos Metalúrgicos do Vale do Paraíba tenta impedir, ao menos, o congelamento dos salários de todos os profissionais da fábrica – inclusive de montadores de Classic e S10 - e outras medidas de readequação salarial.

De acordo com Luiz Carlos Prates, secretário geral do sindicato, em reunião na última sexta-feira, 31, a GM propôs o congelamento dos salários de todos os 7.500 funcionários da planta em um período de três anos para manter os 1.840 empregados do MVA.

A fabricante, que quer readequar a grade salarial, também colocou em pauta a intensão de reduzir de 30% para 25% os percentuais pagos por horas extras e adicional noturno, discutiu o pagamento da parcela de participação nos lucros e resultados (PLR) de 2012 e sugeriu PLRs menores para os próximos anos. Além disso, a GM informou que irá rever a cláusula de estabilidade para trabalhadores lesionados.

“Nos não vamos aceitar todas essas medidas”, adiantou Prestes, conhecido entre os trabalhadores como Mancha. Segundo ele, integrantes dos sindicatos de todas as unidades da GM (São José, São Caetano do Sul e Gravataí) se reunirão na terça-feira, 4, para discutir reajuste salarial na empresa. E ainda nesta semana serão realizadas assembleias com os trabalhadores para analisar as propostas. O próximo encontro entre GM e sindicato deverá ocorrer em 13 de setembro.



Tags: GM, São José dos Campos, sindicato dos metalúrgicos, Luiz Carlos Prates, salários, reajuste salarial, PLR.

Comentários

  • HELIO THURLER

    A atuação sindical terá que ser realinhada face ao momento econômico delicado que estamos vivendo. Não é hora para impor ônus adicionais para as empresas industriais que já se encontram sem condições de competitividade em face dos concorrentes internacionais. Estamos perdendo empregos para o exterior, logo, se nada for feito, voltartemos a ser um país exclusivamente agrícola. Atuação sindical com responsabilidade eu apoio ! Organização da massa trabalhadora contra o empregador pelo simples fato de obter resultados imeditatistas e populistas - eu sou contra ! Por um sindicalismo responsável.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência