Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 01/09/2012 | 01h18

J. Toledo enfrenta a crise e vai tocando a Suzuki

Em entrevista, diretor da empresa brasileira explica relação com japoneses e dificuldades de mercado

MÁRIO CURCIO, AB | De Jundiaí (SP)

Durante a apresentação da nova linha GSR 125, Automotive Business entrevistou João Augusto de Toledo, diretor da J. Toledo, que detém os direitos de produção e venda das motocicletas Suzuki no Brasil. O executivo recebeu a imprensa na sede da empresa, em Jundiaí (SP), onde concentra seu centro de distribuição de peças, setores administrativos e a estrutura de treinamento técnico da rede. O executivo falou da relação com a fabricante japonesa, negou a intenção da própria Suzuki de assumir a operação no Brasil e refletiu sobre o período difícil que o setor de motos atravessa.

Automotive Business – A Suzuki já deu sinais de que quer assumir a operação de motos no Brasil no lugar da J. Toledo, a exemplo do que fez a Harley-Davidson com o Grupo Izzo?

João Augusto - Não. Para a Suzuki é interessante ter a J. Toledo e o Souza Ramos (Eduardo, por trás da importação de carros e da futura fábrica do Jimny em Goiás) porque essas coisas no Brasil envolvem risco.

AB - A Dafra encostou na Suzuki em emplacamentos e a Kasinski também vem puxando para baixo a participação de vocês. A J. Toledo não pretende fazer alguma campanha forte na mídia para ressaltar a tradição da marca Suzuki e atrair os consumidores? (Nota da redação: no acumulado até julho a marca era a terceira colocada no País, com pequena vantagem de 798 motos sobre a Dafra, mas esta baixou a diferença para 198 unidades na primeira quinzena de agosto e deve subir de posição no ranking com o fechamento do mês.)

JA - O que temos usado como estratégia há algum tempo são bônus de R$ 500 para a Intruder 125 e o Burgman 125 e de R$ 1 mil para a Yes 125 e a GSR 150i. A tecnologia e a qualidade Suzuki também fazem parte de nossa estratégia.

AB - Com a dificuldade de aprovação de crediário, as concessionárias têm feito ações específicas para a venda de consórcio?

JA – Este é sempre um caminho natural quando uma ficha não é aprovada, mas com os bônus conseguimos reduzir as prestações do financiamento e atrair clientes de outras marcas.

AB – Houve fechamento de revendas Suzuki de 2009 para cá?

JA – Sim. Vivemos nossa pior fase (na transição do primeiro para o segundo semestre de 2011) quando o estoque do Burgman 125 antigo acabou, o novo ainda não estava pronto e também não tínhamos a GSR 150i. Algumas concessionárias fecharam, mudaram de bandeira. (De acordo com o gerente comercial, Juliano Barro, a rede encolheu de aproximadamente 300 concessionárias em 2008 para 230 atualmente.)

AB - A Suzuki apresentou no exterior uma moto urbana de 250 cc (Inazuma) semelhante às já vendidas aqui. Quando ela chega ao Brasil? Em seis meses, um ano?

JA - Ainda não sabemos. Eu quero trazer a moto, mas a Suzuki não lança um produto aqui antes que esteja em vários mercados.



Tags: J. Toledo, GSR 125, João Augusto de Toledo, Suzuki, Jundiaí, Dafra, Kasinski, Juliano Barro.

Comentários

  • hermino

    Coitada da Suzuki nas mãos da TOLETE.

  • Fabiano Gonzalo Guiguet

    O grande problema é que a Suzuki não respeita seus clientes, motos relativamente boas para o Brasil não vem e quando vem esperamos 2 anos para podermos adiquirir, tenho uma boulevard m1500, e eu como muitos adeptos a moto deste estilo não entendemos por exemplo porque a m109r - ou seja 1800 não vem para o Brasil.....porque temos que engolir a pior se podemos ter a opção de ter a melhor......pagamos carissimo pela pior sendo que poderiamos ter a melhor, uma boulevard m1500 nos EUA custa 10,000 mil dolares transformados em reais fica em 21,000,00 reais enquanto que aqui pagamos no valor total 46,000,00 mil reais....

  • Marcelo Marchiori

    Lamentável...!!! J.Toledo andando pra trás. Entra ano, sai ano... ano após ano, e nada de significativo nas mudanças das motos de entrada. A exemplo da Yes que agora chama-se GSR 150, "grossamente" falando, troca-se 6 por meia dúzia. A GSR Indiana sim é uma moto diferente. Bom... mas falar não adianta. Atualmente sou proprietário de uma Suzuki Yes 06/07. Tendo em vista que a Suzuki não tem opções de motos 250 cc, o lance é partir pra outra. Adoraria continuar na Suzuki. Marca de renome. Mas... Mesmo que eu fosse comprar uma outra 125 cc, não compraria mais Suzuki. Pois não tem nenhuma novidade significativa. Como agora eu quero uma 250cc, esta semana estou comprando uma Dafra Next 250.

  • Dr. Guilherme Barros

    A Suzuki no Brasil é uma piada, só eles que dizem que o mercado está ruim, nunca se vendeu tanta moto, a cada dia eles tomam uma decisão que afastam os consumidores, já enviei diversos e-mails sugerindo mudanças, porém não possuem nenhum interesse, não querem resolver o problema de frente, o principal problema é o preço abusrdo das peças de reposição, ninguém é bobo, você pode enganar alguns mais nunca a todos, a última deles foi retirar o preço dos produtos do site, só vejo uma solução, ou seja, o controle pela própria fábrica, é lógico que irão dizer que não tem interesse, é uma mentira, o problema é o longo contrato no qual estão amarrados, infelizmente poderíamos ter uma concorrente de peso se mudassem a política da empresa, J. Toledo é uma piada e se continuar desta forma irá sumir do mercado.

  • rubens

    A Suzuki Motos alimenta sonhos e constrói a sua história buscando fazer parte da emoção de seus clientes atendendo os mais variados estilos de vida. A mais de cem anos no mercado superando muitos desafios, com muito orgulho, a Suzuki Motos se resume em qualidade, tecnologia e confiança.

  • GILSON

    Sou fã e cliente da marca desde 2005. Atualmente possuo uma Burgman AN 400. A única queixa que tenho é a dificuldade para se conseguir peças de reposição. Recentemente precisei de um motor de partida que custa R$2.300,00 e demora 60 dias para entregar. A J. Toledo precisa resolver isso.

  • Aderpa

    Respostas curtas e sem profundidade! Deixa no ar muita insegurança e falta de interesse no mercado brasileiro.

  • Allan

    Não adianta negar... os Japa's da Suzuki estão doidos pra entrar de forma sólida no Brasil SIM... estão dificultando e jogando com intuito de fazer o JT entregar os pontos... e quer saber... VAZA LOGO JOÃO TOLEDO... já passou da hora!!!

  • olinda r. santana

    suzuki!!! E desafio eu gosto parabens João Augusto ,estou na luta pra conseguir trabalhar com esta marca ,preciso do seu apoio ter o produto na loja ...

  • Valmir Luis Toniolli

    Adoro a marca suzuki,tenho uma yes,qualidade e altro padrão de acabamento,o que falta pra Suzuki sair dacrise é oferecer motos trail tipo a bross da honda,mais modelos,250,300 400cc,é isso.

  • Erwin Bogner

    Boa tarde, sou usuário de várias motos da Suzuki, sendo uma Bandit 1200s, uma Boulevard m800 e uma Vstrom 650, então acredito que posso tecer alguns comentários. Realmente verificamos que a rede de concessionárias da Suzuki estão fechando, pior é que as que fecham são as que melhor atendem o cliente, que fidelizam pelo ótimo atendimento e qualidade no serviço e as que continuam operando são as que oferecem os piores serviços e deixam o cliente na mão. É sabido que o mercado de motos no Brasil é o que mais cresce, que o volume de vendas é enorme, então dizer que está em crise é meio esconder a realidade. Tenho 3 motos incriveis, de ótima qualidade mas que necessitam de manutenção e suporte com certa frequencia, tudo normal. O problema é quando precisamos fazer essa manutenção e não encontrar uma concessionária preparada ou qualificada pra nos atender.

  • Marcelo Chagas

    Eu Sinceramente não acredito no que joão toledo disse. Por exemplo a GSR750 é uma moto que está em vários mercados por muito anos e aqui anda nada. a gw250 ou gsr250 já está presente em peises da america do sul e aqui nada. Para mim o que faz as motos suzuki perder cada vez mais mercado no brasil é falta de atualização na linha, falta de motos competitivas, me referindo a desgner e cv de potência nas motos de 125,150,650. As motos que a suzuki tem, que realmente são competitivas e de excelente designer comercializadas no brasil são as: GSX-R 750,1000 e a 1300R.

  • Marcelo Chagas

    A 150i que a suzuki lançou aqui no brasil é uma moto boa. Além do seu consagrado conforto, tem Injeção eletrônica, amortecedor a gás. Seu painel é acionado eletronicamente, não usa aqueles cabos para medir o velocimetro e nem o rpm. Seu hodômetro parcial e total são digitais, assim como o indicador de macha. Seu motor ganhou balanceador e 6 machas. Mais o que frustou o cosumidor foi a espectativa que a j. toledo fez para o lançamento dessa moto. Todo mundo esperava a gs150r indiana. ou mesmo a 250 e o que a suzuki fez foi lançar uma moto com o designer da yes com as modificações já referidas, com a mesma potência e com menor torque e custando mais. Se fosse a Gs150r vinhesse e eles adicionasse apenas a injeção seria um sucesso de vendas.

  • Andre Luiz

    Espero que recuperem logo o mercado e chegue a 250cc. Gosto da qualidade da marca...mas que estão patinando, estão..

  • Roberto Severino Dos Santos

    Quer resolver a crise eu tenho a solução faça algo diferente invente faça o que as outras fabricantes de motos não fizeram porque eu tenho uma moto Suzuki e é inadmissivel que uma Empresa que fabrica tanta qualidade tanta tecnologia possa estar em crise

  • Jorge

    Estou esperando a nova DL 650 Vstrom, produtos defasados é morte da empresa.

  • Rodrigo

    A melhor saída seria a Suzuki assumir todas as operações no Brasil . A JToledo ´weum empresa incopetende em vendas e encontrar peças das motos no Brasil é um parto.. Sempre só por encomenda quando está disponível. O atendimento nas revendas é péssimo e o relacionamento com o consumidor também é dos piores. O encolhimento da marca no Brasil é fruto de diversos fatores além dos já citados. Resposta normal a tantos problemas.

  • Rogerio Santos Cohen

    João , n quero saber se a Susuki Toledo vai bem ou mal no mercado. Sempre acreditei em vcs e vou continuar comprando com vcs em SP . Fui amigo do Toledo competição , gostaria de saber se ja posso ir para SP comprar e trazer para o RJ a nova GSR 750 Naked cor azul . Vcs ja tem esta moto p entregar ? Me dê um retorno e com certeza vcs darão a volta por cima com esses novos lançamentos no mescado . è o que faltava para Susuki levantar a Pipa. Afinal de contas Susuki é e será sempre Susuki . Abraço do amigo de sempre Rogério Cohen antigo amigo das pistas .

  • German Bernasconi

    Gostaria que a suzuki fosse um pouco mais ousada no mercado brasileiro porque sendo morna assim ela pode acabar se extinguindo do país. O público pode enxergar certas atitudes como falta de interesse e até mesmo respeito pelo consumidor porque essa postura da suzuki acarreta em outros transtornos como falta de peças, manutenção cara ou falta dela pela pouca venda não dando o devido giro de produtos. Tudo isso por ser menos audacioso... Vamos que vamos gente! A marca é forte, produtos excelentes(eu gosto), só falta acreditar! Sei que o Brasil é um país ruim, difícil, impostos altos mas é no volume que se ganha. Força! Acredito em vocês.

  • ronilson azevedo santos

    gostaria de ter o contato com a empresa de vcs, pois tenho uma moto suziki gsxf 750f, essa moto foi roubada e consegui recupara-la novamente, porém ela ficou muito danificado por isso gostaria de entrar em contato para que eu possa recuperar as peças da minha moto, ele e mujito nova e nao gostaria de perde-la.

  • alexandre

    eu queria saber por que que algumas peças originais suzuki são um absurdo de caras? primeiro lugar para a suzuki começar a ganhar mais mercado tinha que rever o preço das peças falo isso por que estou por dentro do assunto desde de 2005 da minha primeira moto ja foi uma suzuki gosto muito moto com muita qualidade mas não tente não precisar de nenhuma peça por se não a joão toledo te uma facãozada pelas costas...

  • Ricardo

    Desejo do fundo do meu coração que a Suzuki assuma de vez a representação de sua marca aqui no Brasil para vermos se melhora o tratamento de seus clientes pois o grupo J toledo não da mais!!!!!

  • Roberto Severino Dos Santos

    Acho a suzuk uma baita moto,eu tenho uma bandit 650s ano 2009 e é uma moto maravilhosa só que tem um grande problema agora mesmo eu estou precisando da co roa corrente e pinhão original e não estou encontrando as vezes tenho vontade de ir para honda porque não encontro peças originais para comprar, falar que suzuki esta em crise é piada digo isso porque por onde ando só vejo moto suzuki, eu acho que esta faltando interesse em quem administra a suzuki no Brasil a suzuki nunca pode parar

  • Dr. Eduardo

    A Suzuki so sera viavel quando a fabrica assumir a operacao, seu pior problema pecas de reposicao sao carissimas.

  • Dr.Guilherme Barros

    Enquanto a Suzuki não assumir a operação no Brasil jamais irá se consolidar no mercado brasileiro, a rede autorizada é uma vergonha e os preços das peças de reposição é . Não há crise no mercado de motos, nunca se vendeu tanto. O executivo da Suzuki filho do J.Toledo, só comprovou o que o mercado já sabe, sua total incompetência para gerir o negócio. O fato é lamentável para os consunidores que não possuem opção de compra, pois somente a Honda possui politica de peças e pós venda aceitáveis, a Suzuki teria condições de pelo menos dobrar a participação no mercado se tivesse gente capacitada para mudar a política da empresa. Possuo moto a 30 anos a única vez que comprei uma Suzuki 0 Km quando pedi para instalar o descanso central que não vinha no modelo e deram o preço de R$1200,00 cancelei a compra na hora. J.Toledo devia fazer um favor ao Brasil e renunciar a representação da Suzuki e ir vender tomate, porque de motos não entendem nada.

  • jose aureliano vieira

    será que vai abandonar o mercado Brasileiro novamente, pois se não tem interesse de trazer produtos novos é sinal que nosso mercado não interessa. Será que é isso mesmo.

  • vicente almeida

    Sim se o fabricante tomar a frente da revende e ver o quanto o gado engorda ao olho do dono, nos os amantes desta marca so temos a ganhar...

  • Cássio Gomes

    pelo jeito não mudou. Adquirir uma GS 500 e o problema de peças e assustador. Cobram R$ 500,00 em uma torneira de combustível, R$ 2.000,00 por um amortecedor é assim vai. Nunca mais suzuki até que tenha competitividade. Por isso a baixa vendas da marca no Brasil.

  • leonardo

    por isso que prefiro yamaha

  • Carlos Matos

    Gostaria de saber quando a Suzuki vai lançar uma Intruder de 200 ou mais cc sou fã da Intruder e acredito que tem muita gente que e, mais do jeito que estar ninguem quer mais a 125 a nova e a velha nao tem diferença nenhuma, ve se voces lancem um modelo da intruder 200 ou mais cc voces vao vender muito um abraço.

  • Sidney Damaceno

    Estou em busca da minha primeira moto, e não sou nenhum jovem de seque 35 anos, gosto muito da Inazuma, apesar de seu peso me parece uma moto robusta e de uma marca reconhecida no mercado, porém quando se fala em reposição de peças o custo e a dificuldade sobre as quais se houve e lê, realmente assustam, principalmente um iniciante no assunto. Meu irmão que é usuário de moto há bastante tempo, quando falei pra ele sobre minhas intenções de compra também me alertou sobre os problemas em conseguir peças e seus preços...a J. Toledo, se apoia na qualidade da Suzuki, mas se esquece sobre necessidades inesperadas de peças...e afugenta potenciais consumidores com uma estratégia logística e comercial, atrapalhada e mau conduzida. Tenho muito receio de iniciar justo com uma marca que possa me causar transtornos dessa ordem.

  • CLAUDINEI ANJOS

    Estamos em 2017 e a única coisa que mudou, foi a retração ainda maior na quantidade de concessionárias. Enquanto a BMW, Triumph, Harley estão só avançando, a Suzuki está ficando para trás. Os donos de concessionária mesmo falam, que a marca tem um câncer no Brasil chamado J Toledo, que só pensa nele. As concessionárias vendem uma V Strom 650 pra ganhar R$ 1600,00 e muitas vezes vendem e não tem em estoque. Outra hora, mudam as regras, que pra enviar uma moto da cor X, a concessionária tem de pedir mais 3 da cor Y. As motos Suzuki são excelentes, não dão manutenção. No dia que a fábrica japonesa assumir o mercado no Brasil, como a Harley fez, ninguem segura esse foguete pronto pra decolar. Tenho uma V STROM, e não tenho nada a reclamar da moto!

  • Murilo N. Araújo

    Os administradores da marca Suzuki precisa abrir os olhos e olhar além, parar de olhar dois metros e passar há enxergar 200. Como uma marca respeitada em todo mundo tem se sujado tanto com o pais mais apaixonado por motos? Quer ter resultados sem investir, as motos de baixa cilindradas lançadas aqui de modelos conservador não tem espaço no Brasil. exigimos e merecemos o melhor da marca desdas ''125cc'' há 1800. Exemplo (gsx-s125, gsx250r, V-strom250, adress, boulevarde-s40,rmx 250, quadsport-400, gsx-r600, gxs-r125). Observem que sitei motos que teria um valor comercial mais em conta, para atingir maior a população gerando assim maior resultados e movimentação de lucro. pensei diretores da Suzuki motos vocês representam uma das melhores, respeite isso, respeite os consumidores, respeite a exigência dos Brasileiros.

  • Antônio j. santos

    sou fã da moto suzuki, mas como no meu estado de alagoas não tem mas concessionaria, sou obrigado mudar pra outra marca, eu tenho uma intruder 125 eu e muitos sonhava com uma intruder 150 esse sonho acabou pra todos em maceió no brasil porque a marca Suzuki não investi no brasil.

  • carlos passos

    esse filhinho de papai vai acabar com a suzuki no brasil,fica brincado de administrar alguma coisa e não administra NADA.......é por essas e outras que não vende nada,esta nas piores posições nas vendas e esta fechando cc .......crise,engraçado ,para honda e yamaha não existe,muito pelo contrario.....vai dormir vai joão,vai brincar de motocroos como brincava com dinheiro do papaizinho......

  • C. Troyano

    Faz dois anos que adquiri uma Yes 2012 e adoro essa moto. Robusta, econômica e anda muito bem na cidade. Mas... noto que tanto a fabricante Suzuki como a J.Toledo, não olham com a devida importancia para suas motos de baixa cilindrada. Deveriam notar que suas concorrentes fazem das 125 e 150, os veículos mais vendidos no país. Investem em marketing, valorizam suas autorizadas e dão um suporte pós-venda com respeito a seus clientes. Já sinto a necessidade de uma moto com maior potencia, mas mesmo morando aqui na capital de SP, as poucas concessionárias e os preços praticados por elas para assistencia técnica, estão me obrigando olhar para outras marcas. A Yamaha Fazer 250 mostra-se uma excelente escolha...

  • Eldes Mendonça

    Na minha opinião noa tem que ter atravessador tem que ser a própria fabrica ter as concessionarias e distribuição de peças como a honda ,yamaha , Halley atravessador não dão as garantias de peças e não consegue nacionalização conforme as regras nacionais e torna se caro a moto e as peças

  • Lucio

    Tenho uma Yes 125/2007 e uma GSR 150/2012. O produto e muito bom, mas os mecânicos contratados pelas autorizadas deixam a desejar. Na antiga Speed, o Sydney trocou o amortecedor de borracha no núcleo da roda traseira com 11000 km, uma peça da parte elétrica em seguida, por erro na manutenção conseguiu condenar minha bateria à morte após 8 km de uso. Na Suzucamp levei para trocar o motor de partida e reclamando de um barulho nas válvulas, um mecânico só de olhar a moto com o motor parado, (32.970 km) afirmou que deveria ter muito mais problema, telefonou e disse que estava "fumando", pediu par abrir o motor. Interessante que estava com compressão normal, eu ando sempre a 80 km/h, eu mesmo troco o óleo e uso Motul.

  • Getulio Pereira

    Acho que J.Toledo é atraso, atraso para própria marca SUZUKI, que sempre tem que se sujeitar a boa vontade das decisões de importar ou não os modelos que saem lá fora, sendo que sempre estamos defasados DOIS anos, em relação as motos que estão na Europa, Japão e USA. É uma vergonha que essas coisas aconteçam no Brasil, mas tudo tem uma explicação, sempre tem alguém enchendo os bolsos por trás de um esquema desses. Mentirosos é isso que são, vendendo coisa ultrapassada como se fosse OK. SUZUKI tinha que entrar e assumir esse mercado.

  • Franklin de carvalho

    A J Toledo acabou de lançar no mercado a nova GSX S 750 com preço acessível de 33.900,00 e não se passa nem um mês e ja aumenta o preço para 35.500,00 em números cheios. E pra completar , não tem a moto , tem-se que ficar numa longa fila de espera . Ô Sr. João Toledo , não dá pra dar um atendimento dequado a seus clientes ?? Sou cliente fiel da Suzuki a muito tempo com vários tipos de motos ( Hayabusa , GSX 750 , GSR 750 , GSX S 1000 , e por aí vai só pra citar as mais recentes . Eperamos que a nova GSX S 750 volte ao seu preço inicial e abasteça as concessionárias em tempo melhor .

  • elizio

    E um absurdo estou tentando comprar as carenagens para minha a meses gsx 650f e nao consigo e ridículo oque tem feito com os clientes

  • UandersonDC

    Ameu ver as motos mais atuais da Suzuki, de A a Z não chegam aqui no Brasil por causa de uma briga contratual por valores R$$$$$... entre a JTA e Suzuki ! A primeira não larga o osso, por que tem um contrato de exclusividade e a segunda não quer pegar multa por rescisão de contrato.

  • CarlosAugusto

    Nãosei quem mente mais se é Suzuki ou a Jota Toledo. Pois sempre tem as mesmas conversas Mercado ruin, motos muito mais aprimoradas chegam aos países vizinhos, enquanto aqui no Brasil sempre os mesmos modelos, em especial a intruder 125cc. Se eles observasem como essa moto foi vendida jamais falariam essas besteiras, só acredito que eles deveriam respeitar mais o publico brasileiro com motos melhores.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência