Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
CN Auto fabricará Hafei no Espírito Santo
Liu Zhengjun, presidente da Hafei, e o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande: Brasil ganhou importância para a marca chinesa

Indústria | 24/07/2012 | 17h10

CN Auto fabricará Hafei no Espírito Santo

Montadora chinesa transferirá tecnologia para fábrica de R$ 250 milhões

PEDRO KUTNEY, AB | De Vitória (ES)

Linhares, no Espírito Santo, se prepara para receber sua segunda fábrica de veículos de origem chinesa. Na terça-feira, 24, foi assinado no Palácio Anchieta, sede do governo capixaba na capital Vitória, contrato de transferência de tecnologia da Harbin Hafei Automobile para a CN Auto, que já é importadora dos utilitários Hafei Towner desde 2008 e agora irá investir R$ 250 milhões para construir uma unidade de produção no Brasil. Os chineses não colocam dinheiro vivo na operação, só transferem tecnologia, a empresa brasileira é controladora de 100% do empreendimento.

Na primeira fase, a planta começa a produzir picapes de cabine dupla e estendida em janeiro de 2014, com 500 empregados e capacidade de 12 mil unidades/ano em um turno. Em 2015 entra em produção a caminhonete Towner cabine dupla e o potencial sobe para 25 mil/ano. Em 2016 serão incorporadas à linha vans pequenas para carga e passageiros e, com dois turnos, o ritmo poderá chegar a 47 mil/ano com cerca de 1,2 mil funcionários. “No início vamos importar motor, transmissão e partes estampadas, mas o objetivo é nacionalizar tudo gradativamente”, informou Ricardo Strunz, presidente da CN Auto. Ele afirma que já está em negociações com fornecedores locais de pneus, rodas, vidros, sistemas elétricos, bancos e revestimentos. “Para planejar o avanço dos índices de nacionalização vamos esperar pela regulamentação do Regime Automotivo.”

“O que era um plano estratégico se tornou mandatório após a espada do aumento de IPI para veículos importados”, disse durante a cerimônia Érico Sodré Quirino Ferreira, sócio-controlador da CN Auto, empresário do setor financeiro que também é dono da Omni, especializada em refinanciamento de veículos usados, e presidente da Acrefi, a associação das empresas de crédito. Após o aumento do imposto e da cotação do dólar, os preços foram reajustados em cerca de 20% e as vendas no atacado caíram 12% no primeiro semestre, em comparação com o mesmo período de 2011.

Em março, a Brasil Montadora de Veículos (Bramo), do grupo Districar, assinou protocolo de intenção de instalar uma unidade de montagem das marcas chinesas Haima e Changan (além da coreana SsangYong) no mesmo município, a 136 km da capital capixaba, mas condicionou o investimento de US$ 300 milhões a uma regulamentação favorável do regime automotivo. O caso da CN Auto parece mais concreto, pois a empresa já havia assinado o protocolo no início deste ano, sem divulgar à imprensa, e agora formalizou a transferência de tecnologia.

PLANO ANTIGO

“Nossa decisão de fazer a fábrica não é nova. Já tínhamos identificado um viés protecionista no governo e dávamos como certo que o futuro de qualquer importadora seria o de fazer seus produtos aqui”, afirma Strunz, que já passou por quatro montadoras e tornou-se presidente da CN Auto em 2010. “Em maio de 2010 começamos o processo de estruturação da empresa e decidimos pela construção da fábrica”, diz, informando ainda que 12 Estados foram visitados antes da escolha do Espírito Santo, que ocorreu em outubro de 2011. Segundo ele, pesou na decisão a boa receptividade do governo estadual, a localização estratégica entre o Sul e o Norte do País e o fato de a empresa já ter sede em Cariacica, onde é feita toda a nacionalização e preparação dos veículos importados pelo porto da vizinha Vitória, com a inclusão e adaptação de itens para atender à legislação brasileira, como a colocação de extintores e kits de GNV, por exemplo.

O governo estadual também garantiu incentivos generosos. Segundo o governador Renato Casagrande o diferimento de ICMS poderá chegar a 90% do tributo por 12 anos, com possível renovação. “Mas ainda estamos negociando uma lei específica para empresas do setor automotivo”, disse Casagrande, lembrando ainda que a região norte do Estado, exatamente de Linhares para cima, também conta com os benefícios da Sudene, a Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste, que oferece financiamentos com taxas baixas. “Estamos no Sudeste com benefícios do Nordeste”, lembrou o prefeito de Linhares, Guerino Luiz Zanon. Além dos incentivos, ele também destaca que a cidade está se tornando rapidamente um polo industrial do Espírito Santo, com boa infraestrutura logística e disponibilidade de mão de obra qualificada, com um Senai instalado no município.

No terreno de 1 milhão de metros quadrados, a CN Auto terá espaço suficiente para fazer futuras expansões. “Já pensamos a estrutura de maneira flexível, modular, para crescer conforme a necessidade”, diz Strunz. O acordo com a Hafei prevê que a empresa não poderá produzir modelos concorrentes da linha Towner, o que não impede de se fazer outras associações. A CN Auto também importa vans da Jimbei e estava se preparando para importar carros Brilliance, do mesmo grupo na China. “Chegamos a homologar três modelos, mas aí veio o aumento do IPI e paramos com tudo. No futuro nada impede de estudar o projeto de fazer outros produtos na nossa fábrica”, informa.

BRASIL ESTRATÉGICO PARA A HAFEI

A Hafei tem atualmente dois importadores no Brasil. Além da CN Auto, o Grupo Effa também vende os utilitários com sua própria marca e já montou algumas picapes em uma unidade mantida em Manaus (AM). Em abril deste ano, a Effa informou que negociava com a Hafei o licenciamento para fabricação de seus modelos. Segundo Liu Zhengjun, presidente da montadora chinesa, “estamos negociando cotas e se a CN Auto alcançar o número ganhará o direito de fabricar e vender os utilitários Hafei com exclusividade”.

O Brasil ganhou importância crescente para a Hafei. O País já é o maior cliente externo da montadora, que exporta para mais de 40 mercados e também tem acordos de fabricação por licenciamento no Vietnam, Irã e Malásia. Em 2011, os dois importadores brasileiros (CN Auto e Effa) consumiram 20 mil unidades, ou 10% da produção de 200 mil veículos da Hafei no ano passado, e metade das exportações de 40 mil. A capacidade da fábrica chinesa em Harbin é de 400 mil unidades/ano e a empresa emprega 4 mil funcionários.

“É um grande mercado para nós. Já vendemos para os brasileiros mais de 100 mil veículos desde que começamos a exportar para o País, em 2006”, disse Zhengjun. Segundo ele, a Hafei não tem pretensão de construir fábrica própria fora da China. “Preferimos nos associar com que já conhece o mercado e seus clientes”, afirma. No caso do acordo com a CN Auto, a empresa chinesa receberá um pagamento inicial pela transferência tecnológica e após o início da produção passará a ter um porcentual sobre cada veículo.

Zhengjun também avalia que a parceria com o sócio brasileiro trará mais qualidade aos produtos da Hafei. “Este acordo abre uma nova página de nossa relação com a CN Auto. Esperamos uma qualidade altíssima com a cooperação que passamos a ter”, disse o executivo chinês.



Tags: CN Auto, Hafei, Espírito Santo, Linhares, Ricardo Strunz, Liu Zhengjun.

Comentários

  • Andréia p souza

    Espero ter a oportunidade, de me empregar na CN Auto,estou esperançosa.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência