Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
VW Gol e Voyage têm visual renovado
Mudanças de estilo alinham Gol e Voyage (veja abaixo) à nova identidade visual da Volkswagen (fotos: divulgação)

Lançamentos | 18/07/2012 | 03h36

VW Gol e Voyage têm visual renovado

Mudanças gerais estão na dianteira, traseira e interior; motor 1.0 recebeu várias melhorias

MÁRIO CURCIO, AB | De Florianópolis (SC)

Reportagem atualizada em 19/7, às 23 horas

Na primeira semana de agosto as revendas Volkswagen começam a receber os novos Gol e Voyage reestilizados por brasileiros nos estúdios de design daqui e da Alemanha. A geração que chega agora ao mercado já estava planejada havia cerca de dois anos e se integra à identidade visual da VW pelo desenho dianteiro e pelas novas lanternas traseiras. Quando acesas à noite, permitem perceber de longe que se trata de carros Volkswagen.

O Gol 1.0 parte agora de R$ 27.990, alta de R$ 86. O Voyage 1.0 tem tabela inicial de R$ 29.990, acréscimo de R$ 77. Vale dizer que ambos os carros estão mais equipados desde as versões de entrada, independentemente da motorização. Os vidros dianteiros e as travas das portas têm acionamento elétrico de série. A abertura do porta-malas também tem abertura elétrica nos dois modelos.

Todas as versões do Gol passam a vir também com limpador e lavador do vidro traseiro. Conta-giros, console central estendido e cintos traseiros laterais retráteis são outros itens que deixam as versões básicas mais civilizadas.

Novos
Mudanças de estilo estão também na traseira dos dois modelos. Lanternas do Voyage agora ocupam parte da tampa do porta-malas.

Com motorização 1.6 o Gol parte agora de R$ 31.890 e o Voyage, de R$ 34.590. Thomas Schmall, presidente da VW no Brasil, não quis revelar o montante investido na renovação das linhas, mas sua expressão denota que ele sabe onde cada centavo foi gasto. Boa parte desse investimento teve como destino o novo motor de um litro, que agora se chama 1.0 TEC. Recebeu várias modificações que o tornaram até 4% mais econômico e com partidas a frio mais rápidas (veja aqui as mudanças aplicadas nos propulsores). A economia de combustível pode atingir 8% com o pacote BlueMotion Technology, que inclui pneus com menor resistência à rolagem.

“A intenção é vender em média 16 mil unidades por mês do Gol e 7 mil/mês do Voyage”, afirma o gerente de marketing da montadora, Henrique Sampaio. Esse volume pode ser maior nos primeiros meses, algo natural para os lançamentos. Tanto Sampaio como Schmall negam mudanças de estratégia para o Gol Geração 4, cujas vendas correspondem a 25% do total da linha Gol.

Munido de dados do mercado nacional, Henrique Sampaio afirma que o segmento de hatches compactos em que o Gol se encontra representava 65% das vendas em 2002 e caiu para 56% em 2011. Contudo, o volume de tais modelos nesse mesmo período subiu de 796 mil para 1,48 milhão de unidades. “Este ainda é o segmento mais importante do mercado”, diz o gerente de marketing. Segundo a VW, de 2002 para cá os concorrentes do Gol saltaram de 11 para 21, isso sem mencionar os que estão chegando, como o piracicabano Hyundai HB e o sorocabano Toyota Etios.

Sobre a liderança nas vendas, os discursos de Sampaio e Schmall também estão alinhados. “Ela é consequência de um bom produto.” Para falar sobre a vida difícil do Voyage num mercado cada vez mais competitivo, o gerente de marketing mais uma vez utiliza números: “Em 2010 eram dez concorrentes. Neste ano são 15.

Ao contrário do que ocorre com os hatches compactos, os sedãs pequenos vêm ganhando participação. Em 2008 respondiam por 17% de todo o mercado e agora são 19%. Nesse período o volume total desse setor saltou de 392 mil para 494 mil unidades. Sampaio considera o Chevrolet Cobalt e os Fiat Siena e Grand Siena concorrentes importantes. Sobre esse assunto, a vice-presidente de vendas e marketing, Jutta Dierks, admitiu em tom de brincadeira: “Seria ótimo se pudéssemos ter aumentado a distância entre eixos do Voyage nessa mudança!”

Toda a arquitetura eletrônica dos carros mudou e permitiu interatividade maior entre os sistemas e a simplificação do chicote elétrico. Os freios estão melhores. Receberam novo servofreio de dez polegadas, que reduz o esforço no pedal, e sistema ABS (opcional) mais eficiente.

Outra alteração significativa: Gol e Voyage tornaram-se os primeiros automóveis no Brasil a utilizar tecidos para forração de bancos e laterais de portas feitos a partir de garrafas PET recicladas. O toque é frio, típico de materiais sintéticos, mas transmite mais resistência do que simplicidade ou despojamento.

Volkswagen
Versão Comfortline do Voyage tem acabamento interno bem cuidado. Item opcional no porta-malas organiza o espaço e impede que objetos menores rolem de um lado para o outro (fotos: divulgação).

São 12 padronagens ao todo, desenvolvidas durante dois anos em parceria com fornecedores locais da montadora. Mas tem um detalhe que atrapalha demais o brilho desse pioneirismo: a matéria-prima tem de ser importada porque o Brasil ainda não tem fornecedores de plástico reciclado que atendam aos requisitos necessários para a produção desses tecidos.

BOAS IMPRESSÕES

Automotive Business avaliou duas das novidades, uma versão do Gol e outra do Voyage. O hatch equipado com o novo motor 1.0 convence. Tem desempenho aceitável naquelas situações em que a maioria dos carros com motor de um litro se mostra anêmica, como subidas longas e uso geral com o ar-condicionado ligado. Segundo a montadora, quando abastecido com etanol o Gol 1.0 acelera de 0 a 100 em 12,9 segundos, atinge 165 km/h e faz 7,7 km/l na cidade e 9,6 km/l em estrada. Quando equipado com o pacote BlueMotion Technology, esses números sobem, respectivamente, para 8 km/l e 10,1 km/l.

O outro carro avaliado foi um Voyage 1.6 com conveniente câmbio automatizado i-Motion, opcional. Em meia hora de uso, um motorista habituado com carros manuais aprende a lidar com a novidade e a tirar proveito do conforto que ela traz. Essa transmissão ainda titubeia em alguns momentos, com mudanças às vezes vagarosas, mas vale os R$ 2,6 mil que a VW cobra por ela.

Segundo a Volkswagen, quando abastecido com álcool o Voyage 1.6 i-Motion acelera de 0 a 100 km/h em 10,5 segundos e vai a 191 km/h. Também com etanol, o sedã 1.6 percorre 7,3 km/l na cidade e 9,4 km/l na estrada. O Voyage tem um bom porta-malas, que acomoda 480 litros. Nessa nova geração a VW criou para ele um opcional capaz de organizar e esconder objetos menores no fundo do compartimento. Há também ganchos para pendurar sacolas a fim de evitar que as compras fiquem rolando de uma lado para outro.

Tanto Gol como Voyage têm um ano de garantia para todo o carro, três anos para motor e transmissão e cinco anos contra perfuração de chapa.



Tags: Volkswagen, Gol, Voyage, Thomas Schmall, Jutta Dierks, Henrique Sampaio.

Comentários

  • Gian

    Mudanças bacanas,porém a VW é e sempre foi mais cara que os concorrentes e mudar a casca do ovo e manter a clara e a gema iguais poderiam ser um bom motivo para reduzirem os preços !!!!! APOIO toda a concorrência devido as mudanças mais significativas e com os preços mais acessíveis .... Porém é inutil tudo isso aqui no Brasil onde as montadoras ainda abusam e "estupram" os clientes com os preços dos seus ditos lançamentos, porque ainda assim estamos lá atrás das verdadeiras revoluções tecnológicas dos automóveis !!!! .... Que os chinas venham e derrubem os preços, porém não serão só os preços que irão cair, será TODA a ecônomia de um país .... CONSUMIDORES, EXIJAM PREÇOS LEGAIS E NÃO OS EXORBITANTES QUE SÃO COBRADOS HOJE EM DIA !!!!! Como ??? NÃO COMPREM CARROS, NÃO GASTEM DINHEIRO EM DITOS LANÇAMENTOS .... SIMPLES ASSIM !!!!!

  • Alexandre Ule Ramos

    Nada mais do que um remendo na velha PQ24. O carro ficou bonito, mas faz jus à tradição de manter um Gol antigo em linha até não poder mais. O BX ficou 16 anos, o AB9 está por aí até hoje disfarçado e por aí vai...

  • EDILSON ARAUJO DE PAIVA

    Quando posso adquiri um voyage 1.6 já na nova versão?

  • Felipe Folster

    bom o único comentário que eu tenho a dizer é "porque eu não esperei mais um pouco pra comprar o meu gol, RsRs"

  • AnaMiranda

    Gostodo gol me satisfaz no que preciso claro que teria que ser mais barato. É muito caro. Quando comprei o meu em dezembro de 1999 modelo 2000 fiquei encantada estou aguardando um novo pra trocar. Faço pesquisas mas está muito alto os preços. Peguei o meu na época zero é contínuo com ele até hoje.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência