Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 05/07/2012 | 19h56

Produção de veículos cai 2,6% em junho

Para Anfavea, setor retomará crescimento este mês

GIOVANNA RIATO, AB

A produção de veículos esfriou 2,6% em junho na comparação com maio, para 273,5 mil automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus. O dado foi divulgado na quinta-feira, 5, pela Anfavea, associação que reúne os fabricantes do setor. A queda foi chega a 7,6% em relação ao mesmo mês de 2011. No semestre, saíram das linhas de montagem 1,55 milhão de unidades. O volume fica 9,4% abaixo do registrado há um ano.

-Confira aqui as estatísticas completas da Anfavea.

Depois do desempenho fraco da primeira metade do ano, a Anfavea espera aumento do ritmo das fábricas nos próximos meses. “O resultado de agosto já deve ser positivo”, aposta Cledorvino Belini, presidente da organização. Para ele, o principal indício de que a situação vai mudar é a redução dos estoques de 43 dias em maio para 29 dias em junho, com 342 mil unidades armazenadas nas fábricas e rede de distribuição. A diminuição foi impulsionada pela redução do IPI para veículos, anunciada pelo governo no fim de maio.

O executivo também destaca que, apesar da queda na produção total do mês, houve aceleração se considerados os volumes diários. A média de maio, que teve 22 dias úteis, foi de 12,7 mil veículos/dia. Em junho, que teve 20 dias úteis, esse número avançou 7,2%, para 13,6 mil unidades. O tombo no total fabricado no País alcançou pico em fevereiro, com redução de 19,6% na comparação com os dois primeiros meses do ano passado. Desde então o setor apresenta leve recuperação a cada mês.

O segmento de caminhões foi o principal responsável pela baixa do semestre, com diminuição de 39,8%, para 62,9 mil unidades produzidas. As fabricantes de ônibus também apresentaram desempenho negativo, com queda de 30,1% para 15,8 mil unidades. Um dos principais fatores para as quedas é o início do Proconve P7, ou Euro 5, nova legislação de emissões para veículos comerciais que entrou em vigor em janeiro deste ano. Como os modelos Euro 3, com a tecnologia anterior, podiam ser vendidos à rede de concessionárias até o fim de março, muitas montadoras viraram o ano com estoque elevado.

A fabricação de automóveis e comerciais leves sofreu queda menos expressiva, de 7,1% no semestre, para 1,55 milhão de unidades nos primeiros seis meses do ano. A produção de automóveis diminuiu 5%, para 1,21 milhão carros. Já a de comerciais leves caiu 16%, para 258 mil veículos.

Produção

PROJEÇÃO INCERTA

A Anfavea não refez as projeções de desempenho para o ano e também não confirmou que mantém a expectativa anterior. Até o mês passado, a empresa apostava em aumento de 2% na produção de veículos na comparação com 2011, para 3,47 milhões de unidades. Depois do saldo negativo do primeiro semestre, a projeção soa ambiciosa. Para que o número seja alcançado, as montadoras precisão fabricar mais de 320 mil unidades por mês até o fim do ano, volume poucas vezes superado.

Mesmo sem sustentar a meta, Belini mantém a expectativa de que o resultado será positivo. “Os fornecedores já percebem aumento dos pedidos”, afirma. Ele reconhece, no entando, que a situação não é a mesma para os segmentos de caminhões e ônibus (leia aqui).

EMPREGOS EM ALTA

Entre maio e junho, foram contratadas 1,9 mil pessoas nas montadoras de veículos, para um total de 146,9 mil trabalhadores no setor. A Anfavea avalia que a tendência é que esse nível se mantenha ou cresça nos próximos meses. “Algumas empresas estão realocando a mão de obra de uma fábrica para a outra, mas não há redução do número absoluto de funcionários”, defende Belini.

Assista à entrevista exclusiva com Cledorvino Belini, presidente da Anfavea:



Tags: Anfavea, veículos, produção, fábrica, montadora.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência