Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 03/07/2012 | 16h55

Fenabrave: vendas de veículos devem cair 0,5%

Entidade reduz projeções e espera mercado de 3,61 milhões de unidades este ano

GIOVANNA RIATO, AB

As vendas de veículos encerrarão 2012 com retração de 0,5% na comparação com o ano anterior, para 3,613 milhões de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus. A expectativa é da Fenabrave, entidade dos distribuidores do setor, que divulgou na terça-feira, 3, a sua segunda revisão para baixo das projeções para este ano.

Em janeiro a organização divulgou a expectativa de alta de 4,5% sobre o ano passado. Em abril a projeção foi reduzida para um avanço de 3,5%, para 3,54 milhões de unidades. O presidente da entidade explicou que a mudança da expectativa acompanha a revisão feita na expectativa de PIB do País, que deve crescer cerca de 2% este ano. A previsão considera a redução do IPI até 31 de agosto. Os resultados podem ser melhores caso o governo prorrogue o incentivo.

As vendas de automóveis devem apresentar expansão tímida de 0,5%, para 2,66 milhões de unidades no ano. Já o segmento de comerciais leves, que crescia em ritmo vigoroso até o ano passado, poderá apresentar retração de 3,5%, para 749,2 mil emplacamentos. “Esse tipo de cliente não é tão sensível a redução do IPI”, explica Flávio Meneghetti, presidente da Fenabrave.

Os negócios diminuirão 6,9% para as fabricantes de caminhões, para 160,7 mil unidades. Se o mercado acompanhar a projeção, este ainda será o segundo melhor ano da história para o segmento. Alguns players se ajustam a um cenário mais pessimista, de até 150 mil veículos.

Além da diminuição do ritmo da economia, a redução reflete o início do Proconve P7, nova legislação de emissões que tornou os caminhões mais caros. Com a redução do Finame, no entanto, a queda deve diminuir nos próximos meses. A curva do segmento de ônibus é a única que aponta para cima no levantamento da entidade. A Fenabrave espera que as vendas encerrem o ano em alta de 16,8%, para 40,6 mil chassis.

RENDA COMPROMETIDA

A diminuição das expectativas mostra que a organização não aposta que os incentivos concedidos ao setor poderão salvar o ano. “Para fechar com alta de 5%, as vendas precisariam avançar na casa dos 20% de agora até o fim do ano”, avalia Meneghetti. O presidente da entidade aponta que a renda das famílias brasileiras já está bastante comprometida com outras dívidas. Com isso, o consumidor não vai responder com tanto vigor aos estímulos.

Estudo da MB Associados revela que, apesar do cenário econômico incerto, a massa salarial cresceu 6% no País. O nível de emprego também está em expansão. “O que segura o consumo é o endividamento, que está em torno de 22%. O número é bastante superior ao verificado nos Estados Unidos, por exemplo, onde as famílias têm cerca de 16% da renda comprometida”, explica Tereza Dias da Silva, sócia e diretora da consultoria.

Segundo ela, não há espaço no orçamento para que as classes D e E façam novas dívidas para adquirir um automóvel. Essa parcela da população é justamente a que elevou o nível da inadimplência no setor, que alcançou recorde de 6,1% em maio. A MB Associados indica que 13,5% dos consumidores dessas classes estão comprometidos com financiamento do carro.

Há ainda outra diferença entre a situação atual e o que aconteceu em 2009, quando as vendas se mantiveram em alta após a redução do IPI. MEsmo com os estímulos do governo, a liberação de crédito está mais rigorosa, com a exigência de entradas maiores. A Fenabrave aponta, no entanto que a aprovação das fichas já mostra sinais de melhora.: o nível subiu de 35% para 55%.

Confira os resultados do mercado de veículos em vídeo:



Tags: veículos, vendas, Fenabrave, projeção, revisão, mercado.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência