Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Importações de veículos caem 9,2% para Abeiva

Mercado | 14/05/2012 | 17h09

Importações de veículos caem 9,2% para Abeiva

Vendas de carros trazidos do exterior por associados da Anfavea cresceram 9,1%

GIOVANNA RIATO, AB

As empresas associadas à Abeiva, organização que reúne os importadores de veículos sem fábrica no Brasil, registraram queda de 9,2% nas vendas no primeiro quadrimestre do ano em relação ao mesmo período do ano passado, para 52,1 mil unidades. Nesse mesmo intervalo, o mercado total teve queda menos expressiva, de 3,4%, para 1,07 milhão de unidades. Já a importação de veículos das montadoras filiadas à Anfavea cresceu 9,1%, para 208,8 mil carros.

- Veja aqui as estatísticas da Abeiva

O adicional de 30 pontos no IPI aplicado sobre carros importados de fora do Mercosul e México é o principal motivo para a retração dos negócios dos sócios da Abeiva. Com a alíquota majorada, o IPI incidente sobre alguns modelos chega 55%. “Se analisarmos outras taxas, como importação, PIS/Cofins e ICMS, a carga tributária chega a 180% sobre o preço do carro”, calcula Flávio Padovan, presidente da organização.

Com o IPI gordo, as vendas da entidade, que até então cresciam em ritmo acelerado, começaram a perder espaço. Os carros nacionais responderam por 74,7% dos emplacamentos entre janeiro e abril, os importados trazidos pelas empresas associadas à Anfavea representaram 20,5% do total, enquanto as empresas filiadas à Abeiva tiveram market share de 4,7%. Do total importado no quadrimestre, a entidade respondeu por 18,4%. No ano passado esse porcentual ficava em torno de 25%.

Para Padovan, a queda vai se aprofundar nos próximos meses. “No início do ano muitas marcas ainda tinham estoques de veículos importados antes da elevação do IPI. A partir deste mês, não há mais este recurso”, explica. O executivo afirma que nenhum importador repassou integralmente o aumento da alíquota para o consumidor, já que isso frearia ainda mais as vendas. No entanto, o dirigente alerta que, se a situação continuar a mesma, muitas empresas terão com a saúde financeira comprometida.

CENÁRIO INCERTO

A associação espera medidas do governo para suavizar as perdas. Uma possível ação, aguardada ainda para este mês, é o estabelecimento de cotas de importação sem o adicional do IPI. Com isso, seria possível evitar a diminuição do número de concessionárias das 27 marcas da entidade.

Padovan evita fazer projeções de vendas diante do cenário incerto. Em março a associação divulgou expectativa nada otimista, de uma queda de até 40% nas vendas em relação ao ano passado, para cerca de 119,5 mil carros. O presidente lembra que, além de administrar o aumento do tributo, as empresas do segmento precisam ainda trabalhar para atrair os consumidores no contexto de retração da economia.

Assista abaixo a entrevista do presidente da Abeiva, Flavio Padovan, à ABTV:



Tags: importações, veículos, Abeiva, carros.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência