Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Crédito | 26/04/2012 | 10h17

Inadimplência recua e bancos já reduzem spread

Margem passou de 28,5 pontos porcentuais em fevereiro para 28 pontos em março

Agência Estado

A redução da inadimplência motivou a queda do spread bancário - diferença entre juros cobrados pelos bancos nas operações de crédito e a remuneração paga pelas instituições nos investimentos. Dados divulgados pelo Banco Central mostram que o indicador passou de 28,5 pontos porcentuais em fevereiro para 28 pontos em março. O número diz respeito ao spread médio de todas as operações de crédito livre.

Apesar do recuo no mês passado, o patamar do mês passado é superior ao observado em janeiro, quando estava em 27,8 pontos.

A redução do spread em março foi liderada pelas operações voltadas à pessoa física, cuja margem caiu de 35,8 pontos para 35,1 pontos. Nos financiamentos para empresas, a diminuição foi de 18,8 pontos para 18,4 pontos.

Com a redução do spread, o juro praticado nas operações de crédito livre passou de 38,2% em fevereiro para 37,3% em março. A redução foi mais uma vez liderada pelas operações para famílias, cujo custo dos empréstimos caiu 45,4% para 44,4%. No crédito para pessoa jurídica, a taxa média caiu de 28,6% para 27,7%.

A inadimplência caiu pela primeira vez desde dezembro de 2010. "Essa tem sido uma variável importante e observamos uma redução da inadimplência em março", disse o chefe do Departamento Econômico da casa, Tulio Maciel, ao comentar que a acomodação do nível dos calotes "é um bom sinal, em linha com a perspectiva de acomodação e reversão que a gente vinha anunciando".

Os dados do BC mostram que a inadimplência média nas operações de crédito livre caiu para 5,7% em março. A inadimplência em fevereiro estava em 5,8%. Nas operações para pessoas físicas, a taxa de atraso no pagamento caiu de 7,6% para 7,4% em março, mas nas operações para pessoas jurídicas, a inadimplência ficou estável em 4,1%.

Maciel avalia que o patamar ainda é alto, mas comemorou a queda. "A tendência é de acomodação e reversão no médio prazo. Mas é claro que isso não significa redução contínua da inadimplência a partir de agora", disse.

Apesar dessa perspectiva, Maciel anunciou que o calote no financiamento de veículos, que já era recorde em fevereiro, voltou a subir no mês passado e agora já atinge 5,7% das operações, nova marca histórica.

O período do levantamento - até o dia 12 de abril -, porém, não permite avaliar o impacto total da investida dos bancos públicos. As taxas da Caixa Econômica Federal caíram em 9 de abril e as do Banco do Brasil no dia 13.

CRÉDITO

O volume total de crédito no sistema financeiro cresceu 1,7% em março em relação a fevereiro, segundo o Banco Central. O resultado mostra uma expansão bem mais forte do crédito em relação a fevereiro, na mesma base de comparação, quando o crescimento havia sido de 0,4% ante janeiro. De acordo com o BC, o volume de crédito atingiu em março R$ 2,069 trilhões, representando 49,3% do PIB ante fatia de 48,9% do PIB em fevereiro.

Parte desse crescimento visto no fim do trimestre pode ser atribuído à desvalorização cambial, fato que infla as carteiras de crédito em outras moedas, mas que são divulgadas em reais.

O chefe do Departamento Econômico do Banco Central avaliou que a maior seletividade dos bancos proporciona uma melhor qualidade do crédito novo que está sendo concedido agora. Segundo ele, essa seletividade maior das instituições financeiras tem sido relatada desde o início do segundo semestre do ano passado, com o aumento da inadimplência. "Isso se reverte numa melhor qualidade do crédito", disse Maciel.

No acumulado dos três primeiros meses de 2012, o crescimento do crédito atingiu 2% e, nos últimos 12 meses, o estoque de crédito voltou a subir, passando de 17,3% até fevereiro para 18% até março.

BASE MONETÁRIA

A base monetária registrou contração de 2,1% em março na comparação com fevereiro na média do saldo dos dias úteis. Com essa retração, o montante passou de R$ 194,553 bilhões em fevereiro para R$ 190,404 bilhões em março. Por esse conceito, o valor registrou expansão de 5,3%.

Pelo conceito de saldo em final de período, o chamado "na ponta", a base terminou março com uma expansão de 5,5% na comparação com fevereiro, passando de R$ 191,489 bilhões para R$ 201,956 bilhões. Em 12 meses até março, a base monetária apresenta uma expansão de 12,12%.



Tags: Inadimplência, crédito, bancos, juros, veículos, financiamentos.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência