Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 19/04/2012 | 20h25

Vassallo: FPT Industrial quer motores ''mais brasileiros''

Fabricante está de olho no avanço da nacionalização no regime automotivo

Paulo Ricardo Braga, Automotive Business

Paulo Ricardo Braga, AB

O genovês Enrico Vassallo (foto), que comanda a FPT Industrial no Brasil, ainda terá de esperar pacientemente o momento de reportar à matriz na Itália novas receitas generosas com a venda de motores diesel no País este ano. É fácil entender: a Iveco, principal cliente cativo (ambas são empresas do Grupo Fiat), limitou as encomendas de propulsores em razão das mudanças tecnológicas introduzidas nos caminhões P7 (Euro 5), que elevaram preços e levaram o frotistas a frear as compras, para avaliar o impacto das mudanças e os novos custos operacionais.

Antes da mudança na legislação de emissões no segmento de veículos comerciais para o Proconve P7, nos últimos meses de 2011, a FPT Industrial registrou expressivo crescimento da produção na fábrica de Sete Lagoas, em Minas Gerais. Nesse período, a indústria de caminhões acelerava para fazer estoques de produtos Euro 3. Em janeiro, quando a produção de motores para o mercado doméstico ficou limitada aos modelos P7, no entanto, as linhas de montagem pararam com a redução das encomendas e só voltarão ao ritmo normal em junho ou julho, se tudo correr bem.

"Na Europa ocorreu o mesmo com a mudança de legislação para Euro 5. Houve uma corrida aos caminhões Euro 4 e a transição trouxe dificuldades para a cadeia de suprimentos, de um lado, e na outra ponta nas vendas aos frotistas, que antes de comprar queriam conhecer as novas tecnologias e os custos operacionais envolvidos. Algo bastante parecido ocorre no Brasil. Era previsível", afirmou Vassallo.

Ele acredita que o Brasil, com alguma defasagem, caminhará na direção dos mesmos programas de redução de emissões adotados na Europa. "A globalização das plataformas exige a adoção de produtos e tecnologias dentro de padrões equivalentes", avalia. Ele admite que os custos de aquisição dos novos veículos é maior, mas enfatiza que o conteúdo agregado traz avanços e há economia expressiva no consumo de combustível, que varia de 4% a 8%, dependendo das soluções adotadas no powertrain.

"Houve ganhos importantes no powertrain e nos caminhões, como um todo, do ponto de vista da operação das frotas. É preciso somar, também, os resultados extraordinários para o meio ambiente, com a redução de emissões, que constitui a razão de ser de todas as mudanças", diz o executivo.

NOVO REGIME

Às voltas com as mudanças na legislação do Proconve, ele se preocupa também com o impacto das regras da segunda etapa do regime automotivo, que obriga os fabricantes de veículos, a partir de 2013, a investir mais na localização de componentes e em novas tecnologias para abater pontos do chamado IPI gordo, majorado em 30 pontos porcentuais. "Estamos empenhados em elevar o grau de nacionalização de nossos produtos, para atender às regras do regime automotivo, que favorecem o conteúdo local, e as estratégias de suprimentos de nossos clientes", observa Vassallo. Ele explica que o patamar atual está na média de 80% para os propulsores destinados a veículos médios e de 65% para leves e pesados.

Há poucos meses como superintendente da empresa que herdou os negócios de motores para veículos comerciais, quando houve a cisão da FPT Powertrain, Vassallo já sabe que não terá grande oportunidade de diversificar a carteira de clientes fora do Grupo Fiat, como gostaria. Como clientes não-cativos, ele tem a TAC, que tem planos para transferir a produção do Stark de Joinville (SC), para Sobral (CE), e a Hyundai CAOA, que adotou o motor S30 3.0 de quatro cilindros, com turbo-intercooler e injeção common rail, de 155 cv e 40 kgf.m, no caminhão médio HD 78, de 7,8 toneladas de PBT.

Nada indica, ainda, que haverá oportunidades comerciais importantes com os newcomers na área de veículos comerciais. A DAF trará os motores da Holanda, pelo menos na fase inicial. Chineses como a Sinotruk e Foton já têm soluções próprias – a segunda, por exemplo, tem parceria com a Cummins. O projeto da Shiyan Yunlihong Industrial, uma das divisões da gigante Dongfeng Motor Corporation, que assinou protocolo de intenções com o governo do Rio Grande do Sul para a instalação de uma fábrica em Camaquã, ainda não é conhecido, mas sabe-se que há possibilidades para a FPT Industrial, em razão de relações comerciais já existentes.

SPLIT DA FPT

Os negócios do Grupo Fiat na área de motores e transmissões, que estiveram concentrados durante cinco anos na FPT Powertrain Technologies, foram separados em duas unidades no início do ano: a Fiat Powertrain e a FPT Industrial. Paolo Ferrero assumiu o comando da primeira e Vassallo da segunda, depois de passar pela diretoria de vendas e marketing de varejo na Irisbus, divisão de ônibus do grupo. No ano passado, ele batizou os motores Proconve P7, equivalentes a Euro 5, que foram apresentados na Fenatran equipando caminhões Iveco.

A Fiat Powertrain, divisão da Fiat, passou a desenvolver, produzir e comercializar motores com potência de 60 cv a 235 cv e transmissões com torque máximo de 143 Nm a 400 Nm para veículos de passeio e comerciais leves. A unidade possui 3 mil empregados em três unidades no Mercosul. A planta de Betim (MG) é a maior e produz por ano 1,6 milhão de unidades entre motores Fire e Fire EVO e transmissões C513, C510, Dualogic e Locker para carros de passeio. A unidade conta com um centro de engenharia especializado no desenvolvimento de propulsores movidos a combustíveis alternativos. A fábrica de Campo Largo (PR), inaugurada em junho de 2010, produz os motores E.torQ nas versões 1.6 e 1.8. A planta de Córdoba, na Argentina, fabrica as transmissões MA5 e C513.

A FPT Industrial, divisão da Fiat Industrial, responde pelo desenvolvimento, fabricação e venda de sistemas de propulsão diesel para veículos comerciais e aplicações marítimas e de geração de energia. A empresa possui 7,8 mil colaboradores em nove plantas e oito centros de pesquisa e desenvolvimento e a rede de distribuição soma 100 concessionários e mil centros de assistência e serviços em uma centena de países.

Com cinco famílias de motores em faixa de potência de 50 cv a 870 cv e transmissões com torque máximo de 300 Nm a 400 Nm, a FPT Industrial é uma das maiores produtoras globais de sistemas de propulsão para aplicação industrial, utilizados pela Iveco, Case e New Holland (do Grupo Fiat Industrial) e também Tata-Daewoo, Mitsubishi, BPTC (Beijing Public Transportation Corporation), Materfer/Agrinar e Technew China.

No Brasil a empresa possui uma fábrica em Sete Lagoas (MG) que produz quatro famílias de motores diesel (F1, NEF, Cursor e S8000), destinadas a indústrias de veículos comerciais, máquinas agrícolas e de construção e geradores de energia.



Tags: FPT Industrial, motores, diesel, Proconve P7, Euro 5, veículos comerciais.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência