Automotive Business
  
Siga-nos em:

Notícias

Ver todas as notícias

Lançamentos | 20/04/2012 | 00h01

Honda City 2013 começa a chegar às concessionárias

Modelo manteve preço inicial de R$ 53.620

Mário Curcio, AB

Mário Curcio, AB

Começa a chegar às revendas nesta sexta-feira, 20, a linha 2013 do Honda City. O carro que abastece o mercado brasileiro continua sendo produzido na fábrica de Sumaré, que abriu suas portas aos jornalistas uma semana atrás “para mostrar que a produção está a todo o vapor”, segundo o supervisor de assuntos institucionais da montadora, Alfredo Guedes Júnior.

Juntando Civic, City e Fit, a unidade produz 525 carros ao dia. A Argentina também monta o City em regime de CKD desde 2011 para o mercado doméstico. Se a demanda pelo Civic crescer, porém, a produção sul-americana do City migrará toda para lá.

O sedã começou a ser fabricado no Brasil em 2009. Em 2010 teve um bom volume de vendas, 35.131 unidades. Em 2011, porém, os emplacamentos do City resumiram-se a 24.637 carros, queda de 29,87%, resultado da falta de componentes vindos do Japão e da Tailândia por conta de fenômenos naturais ocorridos naqueles países em 2011.

“Não há mais escassez de peças nesse momento”, garante Guedes Júnior. Dessa forma, o carro pode voltar à boa média mensal de 2,9 mil unidades observada 2010, isso se novos concorrentes, como o Chevrolet Cobalt, deixarem. O City tem índice de nacionalização de 80%. As peças locais são provenientes de 110 fornecedores locais. As importadas vêm não só do Japão e da Tailândia, como também dos Estados Unidos.

MUDANÇAS DISCRETAS
Honda
Mudanças estéticas do Honda City 2013 (à esquerda nas imagens) se concentraram nos para-choques. O carro que abastece o Brasil é montado em Sumaré (SP) com índice de nacionalização de 80%. O preço inicial permanece em R$ 53.620 e a versão intermediária subiu até 2,73% por conta de novos itens como freios ABS e sensor de estacionamento. O carro é agradável de dirigir.

O City 2013 recebeu pequenas mudanças de estilo, equipamentos e teve o número de opções reduzido de oito para quatro. A versão de entrada, DX, manteve seu preço de R$ 53.620. A intermediária LX, que responderá por cerca de 60% das vendas, está mais cara. O reajuste faz sentido porque todo LX traz agora freios ABS com distribuição eletrônica de frenagem (EBD) e sensor traseiro de estacionamento.

Isso resultou num aumento de 2,73% em sua versão manual, que custa agora R$ 58.990. A LX automática foi a R$ 62.190, alta de 1,45%. Assim como ocorreu com o Fit, é preciso pôr o novo City lado a lado com o antigo para perceber as diferenças de estilo. Somando alterações externas e internas, 344 modificações foram feitas, segundo a Honda. Uma delas foi a troca do tanque de 42 para 47 litros, interessante sobretudo para quem utiliza o etanol com mais frequência.

Quando abastecido com esse combustível, produz até 116 cv. O City é um carro bom de guiar. Veste bem como um terno bem cortado ou uma calça jeans. Tem boa posição de dirigir. O porta-malas comporta 506 litros. O espaço no banco traseiro é um pouco menor que o do Civic, mas resolve.

A versão manual tem cinco marchas e engates fáceis. A opção automática também tem cinco velocidades. O City EX, mais completo, manteve o preço de R$ 66.855 e tem agora borboletas atrás do volante para as mudanças de marcha.



Tags: Honda, City, Civic, Fit, Sumaré, Argentina, CKD, Alfredo Guedes Júnior, Chevrolet, Cobalt, Japão, Tailândia, índice de nacionalização.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência