Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 17/04/2012 | 20h17

Tupy desafia a lógica: é brasileira e competitiva

Fundição torna-se maior fabricante mundial de blocos

Paulo Ricardo Braga e Sueli Reis, Automotive Business

Foto: Fernando Cestari Rizzo, vice-presidente da Tupy, aposta em crescimento dos negócios.

Paulo Ricardo Braga e Sueli Reis, AB

Enquanto a indústria brasileira questiona a capacidade de competir globalmente, a Tupy corre na contramão. Em um lance agressivo, investiu US$ 439 milhões na compra das fundições mexicanas Cifunsa Diesel e Technocast, do Grupo Saltillo, e tornou-se a maior fabricante mundial de blocos e cabeçotes de ferro para motores, capaz de processar 852 mil toneladas/ano em componentes automotivos.

Metade da produção da Tupy no Brasil, de 540 mil toneladas/ano processadas em Joinville (SC) e Mauá (SP), segue para outros países, desafiando a lógica. Há casos curiosos, como os blocos do motor do caminhão extrapesado TGX, da MAN, que são exportados de Joinville para a Alemanha e agora voltam para Resende (RJ), onde são incorporados aos veículos montados no País. Há também outro “case” parecido envolvendo a DAF, que deve comprar da Tupy os blocos e cabeçotes a serem usinados na Holanda, para depois voltarem como motores que vão equipar os caminhões da marca montados em Ponta Grossa (PR) a partir de 2013. Há ainda clientes especiais como a Ford, que encomenda nada menos de 200 mil blocos/ano produzidos em ferro vermicular para os motores V8 de 6.7 litros das picapes F250 e F350.

A estratégia de avançar para o México tem explicação na conquista de um mercado em expansão, representado pelo segmento de máquinas agrícolas e de construção. Até agora uma empresa com 89% do faturamento originado no fornecimento ao setor automotivo, a Tupy passa a comercializar produtos em partes iguais para veículos leves, caminhões e ônibus e máquinas agrícolas e de construção. “Este último segmento traz boas oportunidades no mercado internacional”, garante Fernando Cestari Rizzo, vice-presidente da empresa – engenheiro mecânico cuja carreira começou na Sofunge, três anos antes de a fundição da Mercedes-Benz ser adquirida pela Tupy, em 1995.

Com o negócio no México a Tupy tornou-se a principal parceira da Caterpillar e John Deere no segmento, além de ampliar a lista generosa de clientes no exterior, que inclui nomes como Cummins, Ford, Perkins, Audi, MAN, DAF, Iveco, Chrysler, Navistar, Komatsu e Kubota. No Brasil, a marca atende todas as marcas de veículos comerciais e está presente também no segmento de leves. A DAF está ultimando a forma de fazer suas encomendas à empresa, para produção local, que deve incluir, além de blocos, cabeçotes e virabrequins, outros componentes de ferro fundido.

NO LIMITE E LUCRATIVA

As fundições da Tupy em Mauá e Joinville trabalham no limite e só haverá fôlego novo com a operação da unidade C, em Joinville, que terá capacidade para 70 mil toneladas/ano, depois de receber investimento de R$ 40 milhões para apressar a inauguração, marcada para o fim deste mês. A empresa já aplicou R$ 19 milhões em Mauá, restando ainda R$ 10 milhões a serem investidos em expansão. A operação no México tem também a carteira de pedidos cheia, atendendo clientes locais, dos Estados Unidos e de países da Europa e Ásia.

A matéria prima da empresa de Joinville é o ferro. “Não temos interesse no alumínio, material que não traz vantagens em blocos de motores em relação ao ferro e custo mais caro”, avalia Rizzo. A Tupy apostou na estratégia de aguardar a terceirização de blocos e cabeçotes, antes produzidos de forma cativa nas montadoras. Deu certo.

“Os dois componentes, somados, representam menos de 1% do valor do veículo, mas trazem complexidade e são considerados críticos nos projetos. Investimos bastante em tecnologia para ganhar a confiança dos fabricantes de veículos e trabalhamos em conjunto com IPT, Poli, IME e outras especialistas globais”, assegura. Com o firme avanço no mercado brasileiro e exportando metade da produção, a fundição catarinense driblou as dificuldades logísticas e cambiais para tornar-se lucrativa. Em 2011, faturou R$ 2,18 bilhões, dos quais R$ 203,4 milhões entraram na conta do lucro líquido. A empresa emprega 9,5 mil profissionais no País e vende os produtos de ferro para 40 países.

NOVOS VEÍCULOS, NOVOS CONTRATOS

A Tupy prepara-se para fornecer os blocos do motor que a Ford vai montar em Camaçari para equipar o novo Ka. Será um propulsor 1.0 de três cilindros, que será produzido também na Índia, África do Sul e Europa. A MAN será outro cliente importante, com a substituição de motores da Cummins e MWM International pela linha própria de propulsores. “Vamos fornecer blocos na faixa de 140 a 280 cavalos”, revelou Rizzo. “Haverá esforço grande também de outras marcas para enquadramento em novas regras de eficiência energética”, aposta o executivo.

Em outra frente, a empresa, por meio da VM Motores, vai abastecer o Grupo Fiat, com blocos de motores hoje utilizados pela Chrysler no SUV Cherokee, entre outros modelos, que serão utilizados em veículos montados na Itália, como Maserati.

Rizzo acredita que o governo vai estimular o consumo, que vai gerar fretes. Assim o mercado de caminhões Euro 5 ganhará impulso, estimulando a demanda de blocos e cabeçotes. Ele admite, no entanto, que o segmento de veículos comerciais pode sofrer uma retração de até 10% este ano.



Tags: Tupy, fundição, blocos, cabeçotes, aquisição, Cifunsa, Technocast.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência