Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 12/04/2012 | 06h36

Bancos de montadoras brecam financiamentos

Instituições temem calote, que chegou a 5,5%

Redação AB

Redação AB, com informações da Agência Estado

O jornalista Altamiro Silva Júnior, do Estadão, registra que o aumento da inadimplência levou os bancos de montadoras a dificultar a concessão de crédito e projeta crescimento mais fraco dos empréstimos para financiar a compra de veículos em 2012.

A expectativa é de que as taxas de inadimplência, depois de um salto desde o fim do ano passado, subam mais um pouco até o fim deste semestre. Depois, devem se estabilizar, mas em um nível mais alto. O indicador para atrasos acima de 90 dias encerrou fevereiro em 5,5%, aumento de 2,7 pontos em 12 meses, segundo a Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef).

Automotive Business apurou que o índice de 5,5% refere-se ao conjunto de todos os veículos comercializados no País, incluindo motos, automóveis, comerciais leves e pesados. Segundo a Anef, a inadimplência mais acentuada, que puxa o índice para cima, diz respeito a motocicletas. Nesse segmento os potenciais compradores têm dificuldade em oferecer garantias para obter financiamento.

Em reunião com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, em Brasília, na quarta-feira, 11, o presidente da Anfavea, Cledorvino Belini, pediu uma solução do governo para a dificuldade de crédito no financiamento de automóveis. Ele explicou que o aumento da inadimplência levou os bancos a reduzir a oferta de crédito para compra de automóveis no varejo e disse que as instituições oficiais têm baixa participação nos financiamentos.

CAUTELA

Bancos de grandes montadoras, como a Volkswagen, estão mais cautelosos no crédito. "Está mais difícil aprovar novos empréstimos", disse o gerente de marketing e novos negócios do Banco Volkswagen, Marcos Ferreira, ao jornalista do Estadão.

Nos três primeiros meses de 2011, a instituição aprovava cerca de 65% das propostas de empréstimo recebidas das concessionárias. No primeiro trimestre deste ano, caiu para 50%, por causa do temor de calotes.

A taxa de inadimplência no financiamento de automóveis da instituição, considerando os atrasos acima de 90 dias, subiu de 2,7% para 4%. "É normal, diante disso, que o banco fique mais cauteloso", destaca Ferreira. Como reflexo da postura mais conservadora, a carteira de crédito do banco deve crescer menos. Após se expandir 19% em 2011, a projeção é que o índice fique em 12% este ano.

O banco Mercedes-Benz disse ao Estadão que espera crescimento mais modesto este ano. Depois de avançar 45% em 2011, a expectativa é que o saldo da carteira de crédito fique estável este ano. O diretor comercial da instituição, Angel Martínez, conta que houve recorde de empréstimos em fevereiro, com avanço de 45%, mas não vê o mesmo ritmo se mantendo nos próximos meses. A inadimplência no banco evoluiu de 1,6% para 2,2%, considerando os atrasos acima de 60 dias. Para 2012, o banco prevê liberar R$ 4 bilhões em todas suas linhas de crédito, número 5% acima de 2011. No ano anterior, o banco havia crescido 33%.

FINAME

O segmento de caminhões, que registra um período de baixa nas vendas, em razão nas mudanças na legislação de emissões para Proconve P7, equivalente a Euro 5, viu com otimismo a redução de juros nas linhas Finame, do BNDES, promovida no programa do governo para incentivo à indústria. As taxas para frotistas foram reduzidas de 10% para 7,7% ao ano e trouxeram ânimo aos diretores de vendas e marketing da Mercedes-Benz, MAN Latin América, Iveco e Volvo, que participaram do III Fórum da Indústria Automobilística, dia 9 de abril em São Paulo.

Apesar do estímulo do BNDES, o mercado trabalha com uma redução na demanda de caminhões este ano da ordem de 10% a 15%. As vendas foram fracas no primeiro trimestre e só serão retomadas na metade do ano, período em que as novas taxas Finame poderão ser efetivamente aproveitadas. “A partir de junho, com a efetivação da redução da taxa do Finame, deveremos ter uma retomada e o mercado deverá fechar com baixa de apenas 12% ante o excelente 2011”, projetou o diretor de vendas e marketing da Iveco, Alcides Cavalcanti, em entrevista ao jornalista Jairo Morelli, em entrevista para Automotive Business.



Tags: Anef, Banco Volkswagen, Banco Mercedes-Benz, BNDES, Finame, financiamento de veículos.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência