Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Tecnologia e Engenharia | 26/03/2012 | 17h06

Filiais brasileiras buscam integração em desenvolvimentos globais

Aposta é na capacidade do País em inovar

Sueli Reis, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Sueli Reis, AB

O cenário de adversidade econômica é propício para a inovação tecnológica. Foi com esse conceito que os palestrantes Carlos Nascimento, gerente de engenharia e desenvolvimento da Magna Cosma, e Adriano Rishi, diretor executivo de pesquisa e engenharia da Cummins América do Sul, apresentaram suas impressões sobre o desenvolvimento de projetos globais e sua integração com o Brasil em painel durante o Simpósio SAE Brasil – Novas Tecnologias Automotivas, realizado nesta segunda-feira, 26, em São Paulo.

Os executivos apresentaram as experiências de cada filial na busca pela integração no desenvolvimento das tecnologias globais, a partir do estudo das particularidades do mercado brasileiro. Segundo Carlos Nascimento, a relevância que o País conquistou na indústria global nos últimos anos fez com que as novas tecnologias chegassem aqui de forma mais rápida, contribuindo para o desenvolvimento conjunto das soluções. “Há aspectos positivos que incluem o Brasil no desenvolvimento global, como a boa comunicação entre nossas filiais e as outras unidades no mundo, a disponibilidade e troca de ferramentas para pesquisa e a grande capacidade produtiva do País.”

O executivo também apresentou os pontos negativos do País, que merecem atenção, como a necessidade de redução de custos para tornar produtos mais competitivos e o preço crescente da mão de obra. “Esses são motivos para que muitas vezes a montadora prefira o desenvolvimento em seu país de origem, obstruindo a participação de outros países no processo.”

Pela experiência da Cummins, Adriano Rishi aponta que o desafio é desenvolver produtos que se encaixam no mercado, mesmo sendo globais. “É fato que a customização do produto resultará em plataformas que são globais, mas diferentes em cada local, o que gera um portfólio de tecnologia diversificado.”

O processo de globalização de tecnologias, segundo Richi, escorre sobre pontos cruciais que devem ser observados pelas unidades brasileiras a fim de acompanhar a lógica de suas matrizes: “É necessário entender para onde as tecnologias estão migrando, integrar as soluções apresentadas pela base de fornecedores e descobrir como o novo produto servirá cada mercado, de acordo com suas necessidades específicas.”

Rishi também coloca como desafio a aceitação do mercado pelo novo produto/tecnologia. “Não tenho dúvida de que as normas de emissões ditarão as regras do desenvolvimento para o futuro, mas existe uma estrutura de custo que muda as perspectivas do usuário com relação ao produto.” O executivo cita o exemplo dos veículos comerciais este ano no Brasil, que ganharam novas tecnologias para atender à norma de emissões Proconve P7, equivalente à Euro 5, mas cujas vendas ainda não deslancharam porque o preço é maior em relação às versões Euro 3 vendidas até este mês.

Os executivos concluíram relembrando a ideia de que é na adversidade que a inovação acontece. Para eles, o País já aprendeu a encarar esse cenário como oportunidade, citando o exemplo pioneiro do sistema flex, desenvolvido aqui e que surgiu a partir da necessidade de adequar o veículo nacional com o cenário de falta de álcool enfrentado no fim da década de 80.



Tags: SAE Brasil, simpósio, engenharia, desenvolvimento global, sinergia.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência