Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 15/03/2012 | 21h39

Brasil fecha cota de importação com o México

Valor máximo será de US$ 1,45 bilhão no 1º ano

REDAÇÃO AB COM AGÊNCIA ESTADO

A revisão do acordo automotivo entre o Brasil e o México impõe limitações à parceria. As importações de carros mexicanos ficarão restritas até 2015, com valor de US$ 1,45 bilhão no primeiro ano, US$ 1,56 bilhão no segundo e US$ 1,64 bilhão no terceiro. Os números foram definidos com base na média de importações dos três anos anteriores. O anúncio foi feito pelo ministro da Economia do México, Bruno Ferrari.

Com o acerto, o México abre mão de uma fatia expressiva das exportações para o Brasil em troca da manutenção do acordo. Levando em consideração as importações de carros mexicanos em 2011, de US$ 2,1 bilhões, este ano a cota acertada imporá redução de US$ 700 milhões nos negócios. No período, as exportações de veículos brasileiros ao parceiro somaram US$ 500 milhões. O desequilíbrio com saldo negativo de US$ 1,6 bilhão para o Brasil motivou a renegociação do acordo.

Fernando Pimentel, ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, avaliou a definição como “muito razoável”. Ele e Antonio Patriota, ministro de Relações Exteriores, se reuniram na quarta-feira, 14, com os ministros mexicanos de Relações Exteriores, Patricia Espinoza, e da Economia, Bruno Ferrari, para desenhar o novo entendimento.

Pimentel voltou ao Brasil e deixou nas mãos de Patriota a negociação acerca do prazo para que o México atinja metas de aumento de conteúdo regional dos veículos. A intenção é que o índice salte dos atuais 30% para 45% de forma escalonada nos próximos quatro anos.

O ministro do Desenvolvimento participou de cerimônia do lançamento da obra da primeira fábrica de vidros planos do Nordeste, a Companhia Brasileira de Vidros Planos (CBVP), em Goiana (PE). A empresa vai atender à indústria da construção civil, moveleira e automobilística. Em discurso durante a cerimônia ele destacou que a revisão do acordo automotivo era “incontornável”. A fábrica da Fiat que está em construção no município foi um dos exemplos citados por Pimentel, que afirmou que a produção da unidade perderia mercado sem a renegociação.

Para ele, o governo tomou providências para defender o mercado das fabricantes nacionais. A atitude, segundo Pimentel, não pode ser classificada como protecionismo e é aceita pela OMC (Organização Mundial do Comércio). O ministro lembrou que não faria sentido aumentar em 30 pontos o IPI dos carros importados e manter uma brecha com o México.



Tags: MDIC, acordo automotivo, autopeças, conteúdo regional, veículos.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência