Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 05/03/2012 | 14h00

Bramo quer montar SsangYong, Changan e Haima

Fábrica de US$ 300 milhões no ES depende do regime automotivo

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Foto: O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (à esquerda), e o prefeito de Linhares, Guerino Zanon (centro), assinam protocolo de intenção para instalação na cidade capixaba da Brasil Montadora de Veículos, de Abdul Ibraimo (direita).

Redação AB

Linhares, cidade a 134 quilômetros da capital Vitória, no Espírito Santo, será sede de mais uma fábrica de carros chineses e coreanos no País, batizada como Brasil Montadora de Veículos, ou Bramo. O empreendimento, anunciado nesta segunda-feira, 5, pelo empresário Abdul Ibraimo, ainda depende do novo regime automotivo, esperado para ser anunciado ainda este mês. Também presidente da Districar, importadora que representa a coreana SsangYong e as chinesas Changan e Haima, Ibraimo condicionou o investimento de US$ 300 milhões à esperada flexibilização das regras de importação e nacionalização, que permitiria a importadores trazer ao mercado veículos sem a sobretaxação de IPI em troca da construção de linhas de montagem, além de dar mais tempo para que seja atingido o índice de conteúdo local mínimo de 65%.

Em comunicado, Ibraino justificou a condicionante do investimento da seguinte forma: “Em qualquer lugar do mundo, esses índices de nacionalização e/ou localização regional começam com, em média, 15% no primeiro ano, subindo gradativamente até 60%, 65% no quinto ano. Se o governo federal atender a este pleito, certamente a Brasil Montadora de Veículos garantirá seus investimentos no Brasil.” Na China, país de onde Ibraino traz a maioria dos veículos que vende aqui, a exigência inicial de nacionalização é de 85% e os estrangeiros interessados em fabricar lá precisam se associar em partes iguais a empresas locais.

Confiante na flexibilização do regime automotivo brasileiro, Ibraimo reuniu-se nesta segunda-feira em Vitória com o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, no Palácio Anchieta, e o prefeito de Linhares, Guerino Zanon, para assinar o protocolo de intenção de instalação da Bramo no município capixaba. Não foram divulgados os incentivos locais oferecidos.

PRODUÇÃO DE TRÊS MARCAS EM 2014

O projeto da Bramo prevê linhas de montagem das três marcas atualmente importadas pela Districar. Da Ssangyong a intenção é montar os modelos Korando e Korando Sports (este ainda a ser lançado no Brasil); da Changan, a linha de utilitários MiniStar (antiga Chana); e da Haima a minivan H2 e a van H3. “Os US$ 300 milhões se destinam à produção inicial de 10 mil unidades por ano a partir de 2014, com geração de 1,1 mil empregos diretos e mais 3,5 mil indiretos”, explicou Ibraimo, acrescentando que a intenção é alcançar 50 mil unidades anuais em cinco anos.

O empresário revelou que os fundos para a construção da fábrica virão de fontes diferentes: “Nossos investimentos reúnem recursos próprios, de nosso grupo empresarial em Portugal e também de investidores internacionais”, disse.

No mesmo comunicado distribuído após a assinatura do protocolo de intenções em Vitória, Ibraimo avalia que o Brasil continua sendo um mercado promissor para qualquer marca. Segundo ele, a receptividade do consumidor brasileiro a todos os modelos trazidos pela Districar até agora “comprova que nosso projeto de fábrica se mostra muito viável”.



Tags: Bramo, Brasil Montadora de Veículos, SsangYong, Changan, Haima, Espírito Santo, Linhares, regime automotivo, política industrial.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência