Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Distribuição | 05/02/2012 | 08h30

Otimismo de volta ao mercado dos EUA

Concessionários apostam na recuperação em Las Vegas

Pedro Kutney, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Foto: dirigentes da NADA abrem oficialmente em Las Vegas a convenção da entidade que reúne os concessionários americanos.

Pedro Kutney, AB
De Las Vegas, Estados Unidos


Na cidade do jogo e do pecado, como é conhecida Las Vegas, nos Estados Unidos, os conservadores concessionários americanos abriram seu congresso anual em clima de otimismo e forte apelo religioso-patriótico, incluindo a interpretação da canção “God Bless America” por uma cantora adolescente de bochechas vermelhas e sermão de um pastor de olhos fechados na abertura oficial do evento, no sábado, 4, além de palestra do beligerante ex-presidente George W. Bush no dia seguinte, domingo, 5.

Com a fé na força do dinheiro que traz estampado “Em Deus Nós Confiamos” em cada cédula circulante, que começou a circular com maior intensidade no ano passado, o setor de distribuição americano ainda comemora o resultado de 2011, com 12,8 milhões de veículos leves vendidos, em alta de 11,3% sobre os 11,5 milhões de 2010, confirmando assim a recuperação que vem sendo construída desde 2009, quando as vendas chegaram ao fundo do poço, com 10,3 milhões de unidades. Tudo isso em um mercado que chegou a ter o impressionante tamanho de 16 milhões de carros por ano em 2007.

“Sobrevivemos à pior crise que já se abateu sobre o setor automotivo americano”, afirmou Stephen Wade, que durante 2011 ocupou a presidência da associação dos concessionários americanos, a NADA. Wade lembrou ainda que as vendas só não chegaram a 13,5 milhões de unidades devido ao recuo das marcas japonesas, prejudicadas pelo terremoto seguido de tsunami no Japão, que interrompeu a produção de veículos e peças. “Mas estamos só virando a esquina da crise, com imensos desafios pela frente”, ponderou Wade.

A incerteza na economia ainda é forte, será difícil repetir dois dígitos porcentuais de crescimento este ano, mas mesmo assim o setor trata de comemorar enquanto pode. Ainda que um terço menor do que já foi, o mercado americano continua sendo o respeitável segundo maior do mundo – e com rentabilidade recuperada, a julgar pelos lucros divulgados por todas as três de Detroit (Ford, General Motors e Chrysler), todas no vermelho e à beira da falência há apenas dois anos. A lucratividade dos concessionários também está em franca ascensão, mas não sem dor. As margens melhoraram porque o setor encolheu: de 22,2 mil lojas em 2000, esse número foi reduzido a 16,5 mil hoje e continua a cair, proporcionando um maior número de negócios por ponto de venda, ainda que o mercado seja menor do que no passado recente.

São esperados mais de 20 mil visitantes na convenção da NADA deste ano entre concessionários, fornecedores diretos, executivos de montadoras e expositores. O encontro local atrai o interesse internacional de 1,5 mil concessionários de 36 países – muitos do Brasil, incluindo a diretoria da associação das concessionárias brasileiras, a Fenabrave, e o recém-empossado presidente da entidade, Flávio Meneghetti. Sinal de que, apesar da crise, todos querem aprender a vender mais com a fé inabalável no consumo dos americanos. Afinal, foram os concessionários do país que criaram a cultura de massa do automóvel: ainda em 1917, trinta revendedores se reuniram para ir à capital do país, em Washington, para convencer os congressistas a desistir de taxar os carros como bens de luxo. Eles conseguiram.



Tags: NADA 2012, mercado, Estados Unidos, desempenho, projeção, Las Vegas.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência