Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 02/02/2012 | 22h57

Rombo na balança com México ameaça acordo automotivo

Entenda o conteúdo regional e como ele afeta o comércio

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Paulo Ricardo Braga, AB

As marolas que agitam o acordo automotivo entre Brasil e México podem não virar tsunami, mas há boas razões para a presidente Dilma Roussef ficar aborrecida: as trocas de veículos entre os dois países provocaram rombo de R$ 1,55 bilhão na balança comercial brasileira. Informações colhidas pela Agência Brasil no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) revelam que em 2011 vendemos carros no valor de US$ 512 milhões, mas gastamos US$ 2,07 bilhões na compra de automóveis como VW Jetta, Ford Fusion, New Fiesta, Nissan March, Versa, Sentra, Tiida, Chevrolet Captiva, Fiat Freemont, Cinquecento e Honda CR-V.

Dados do ministério indicam ainda que no ano passado, sob o regime de livre comércio, o Brasil exportou para o México US$ 1,81 bilhão em veículos e autopeças e importou US$ 2,51 bilhões, com saldo negativo de US$ 696 milhões.

Estabelecido em 2002, o acordo bilateral com o México permite importações de automóveis e partes de veículos sem a cobrança de imposto de importação, benefício que pode ser decisivo em segmentos de mercado bastante disputados. Os veículos que chegam de lá ganham atrativo extra com a isenção dos 30 pontos extras no IPI que incidem sobre automóveis, comerciais leves e pesados oriundos de outros países (os argentinos também não são afetados).

Um recuo brasileiro no acordo de livre comércio elevaria o preço dos veículos mexicanos no mercado local, com a incidência de imposto de importação de 35% e de 30 pontos no IPI.

Em período de resultados pífios no comércio com outros países, o prejuízo nas trocas com o México tornou-se alvo de polêmicas dentro do governo e de preocupações das montadoras brasileiras, que trouxeram de operações congêneres naquele país cerca de cem mil veículos em 2011. O presidente do Sindipeças, Paulo Butori, já vinha alertando para a nova realidade, lembrando que em passado recente, com câmbio favorável, tínhamos saldo amplamente favorável nos negócios internacionais com autopeças. Hoje o fluxo se inverteu e passamos a ser alvo de nossos concorrentes no plano global, inclusive o México.

Não se deve esperar rompimento definitivo nem solução satisfatória a curto prazo para trazer razoável equilíbrio às transações com o México no âmbito automotivo. Basta observar o que ocorre em relação à Argentina para compreender o emaranhado de interesses em jogo, envolvendo diferentes segmentos da economia e empresas que atuam nos dois países, incluindo montadoras e fabricantes de autopeças, com enorme força de pressão.

BATALHA GLOBAL

A disputa do Brasil com México e Argentina por saldos comerciais representa uma face da agressiva luta pelos principais mercados automotivos, alimentada pela ociosidade nas linhas de montagem de muitos países e economias em crises frequentes. Os asiáticos, reunindo raras chances de invadir a Europa e os Estados Unidos com veículos ainda capengas, definiram o Brasil como um dos alvos prioritários e estabeleceram bases que devem progredir. A Argentina, nosso principal parceiro comercial no setor automotivo, faz guerrilha para conquistar vantagens e torna incertas as regras de livre comércio, dificultando o controle do conteúdo regional de peças em sistemas utilizados na montagem dos veículos.

O Sindipeças demonstrou a Automotive Business , no início de 2011, a dificuldade em controlar o fluxo de autopeças pelas fronteiras com Argentina e Uruguai. Sem regras e fiscalização adequadas, componentes asiáticos acabam integrados a sistemas que ganham o status de nacionais para efeito de cômputo de tributos. "Muitas peças importadas não têm DNA conhecido e a certificação de origem e qualidade ainda é incipiente", disse o presidente do Sindipeças durante entrevista à revista Automotive Business em 2011.

CONTEÚDO REGIONAL

Assegurando com documentos a utilização de 65% de componentes locais na montagem dos veículos, os fabricantes brasileiros obtiveram do governo em 31 de janeiro, por meio de portaria do MDIC, a garantia de não pagar os 30 pontos extras no IPI, exigidos para carros não oriundos do México ou Argentina. Atendendo as regras do Decreto 7567, os filiados à Anfavea entregaram declaração de conformidade, atestando o patamar de 65% exigido. A cada três meses será necessário revalidar a certificação do MDIC, juntando documentos legais que atestem:

- valor das peças importadas por modelo (documentos de importação)
- valor de venda aos concessionários (notas fiscais)
- dados de vendas por modelo (Renavam)

Os documentos alimentarão o cálculo do conteúdo de autopeças e são de fácil verificação, fechando brechas para que os fabricantes escapem da fiscalização que o governo poderá promover. As montadoras vão monitorar os índices de conteúdo regional e ficar atentas ao câmbio para decidir o melhor momento de nacionalizar. O real desvalorizado elevará o conteúdo importado, mesmo que o preço CIF em dólares seja fixo.

Caberá ao governo criar mecanismos para evitar fraudes no cômputo do grau de nacionalização de partes e impedir que componentes estrangeiros sejam agregados aos veículos, passando por produtos locais.

Para os fabricantes brasileiros, o conteúdo local é aplicado como a média ponderada dos veículos produzidos e vendidos localmente e vale por empresa e não por modelo.

No comércio bilateral entre Brasil e Argentina, o conteúdo regional de 60% deve ser comprovado para cada modelo exportado. O processo, no Brasil, começa com o registro das autopeças na Fiesp, que emite declaração comprovando a produção local. Os fabricantes dos veículos também solicitam, na federação, o mesmo certificado, exigido pela alfândega argentina. Nas trocas com o México, 35% de conteúdo regional deve ser comprovado para cada modelo exportado.

As fórmulas para cálculo do conteúdo regional são diferentes. Para fabricantes brasileiros, é levado em conta o valor de venda do veículo aos concessionários, deduzidos impostos e taxas.

No comércio com o Mercosul, o valor de venda utilizado na fórmula deve estar deduzido dos impostos, mas não de taxas (como PIS/Cofins), o que faz diferença e facilita o atendimento do índice.

No caso do México, o grau de nacionalização para livre comércio é de 35%, mas é computado apenas o custo das matérias-primas (material importado sobre o custo total), não sendo levado em conta o preço de venda.

Simulações realizadas por um fabricante indicam que chegar aos 60% em veículos fabricados na Argentina ou aos 35% no caso do México representa quase a mesma coisa, em virtude da diferença nas fórmulas de cálculo.

ESTRATÉGIAS COMPLEMENTARES

As montadoras presentes no Brasil, Argentina e México têm estratégias de produção complementares nos três países para tirar proveito dos acordos de livre comércio que permitem troca de autopeças e veículos sem pagamento do tributo de importação. A PSA Peugeot Citroën definiu que as suas plataformas maiores ficam na Argentina e as menores no Brasil. A Ford traz do México o New Fiesta e da Argentina o Focus, mas produz apenas no Brasil, no momento, o EcoSport.

Os três países têm recebido investimentos expressivos de fabricantes internacionais na indústria automobilística. Entre 2010 e 2015 o Brasil pode contabilizar aportes superiores a R$ 64 bilhões por parte de empresas de autopeças e montadoras, segundo apurou Automotive Business.

O México mostra-se uma alternativa vantajosa pela vizinhança com os Estados Unidos, possibilidade de exportar para o Brasil sem imposto de importação e dispensa dos 30 pontos extras do IPI. O estudo apresentado pela PwC à Anfavea em 2011 demonstrou que o aço brasileiro era mais caro que o mexicano (até 40%), o mesmo acontecendo com insumos como energia elétrica, água e gás. O custo do capital em empréstimos bancários chegava a 45% ao ano, ante 7% no México. A burocracia tributária no Brasil consumia cinco vezes mais tempo das empresas.

O levantamento da PwC constituiu a base do relatório apresentado pela Anfavea ao MDIC quando o governo preparava decreto para disciplinar o novo regime automotivo. Cledorvino Belini, presidente da entidade, não se cansou de repetir que o País dependia de um choque de competitividade para preservar o parque industrial e empregos, criar inteligência automotiva e enfrentar de igual para igual seus concorrentes internacionais.

O governo reagiu com o Plano Brasil Maior, que deu origem ao Decreto 7567, instrumento utilizado para proteger a indústria nacional com a elevação do IPI para carros importados (à exceção de argentinos e mexicanos) e atrair investimentos. Muitos analistas criticaram a abordagem, justificando que nenhum dos mecanismos atacou os problemas estruturais que inibem a competitividade da indústria. O governo retrucou, alegando que a segunda fase do novo regime automotivo, em planejamento, estimulará a ampliação local de atividades de pesquisa e desenvolvimento, tecnologias modernas e inovação. Faltariam, ainda, os investimentos em infraestrutura e combater os demais componentes do custo Brasil.

Surpreendida pela elevação do IPI, a maioria dos newcomers que havia anunciado fábrica no País acabou confirmando os programas e tratou de negociar com o governo alguma flexibilidade na exigência de 65% de conteúdo local para escapar do IPI extra. O governo quer assegurar a atração dos aportes, mas pretende consolidar ao mesmo tempo a proposta de Belini, de produzir carros com peças brasileiras.



Tags: Acordos de livre comércio, MDIC, Anfavea, Sindipeças, autopeças, IPI, Renavam.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência