Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Tecnologia e Engenharia | 05/01/2012 | 20h30

Primeira fábrica de chips do Brasil intensifica produção

Estatal do MCTI fornecerá para diversas indústrias, incluindo a automotiva

Pedro Kutney, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Pedro Kutney, AB

Criada pelo governo federal em 2008 e administrado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia e Inovação (MCTI), o Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. (Ceitec), primeira fábrica de semicondutores do Brasil e da América Latina, deverá intensificar sua produção a partir de fevereiro, quando entra em operação regular para fornecer chips a diversos setores – incluindo o automotivo, com o dispositivo de armazenamento de dados cadastrais dos automóveis do Registro Nacional de Veículos Automotores, o Renavam. “Estamos em fase final de contratação de pessoal para iniciarmos a operação regular ainda este mês”, disse a Automotive Business o ministro Aloízio Mercadante, do MCTI.

Além de fabricar chips o Ceitec também é uma design house que pode gerar patentes e propriedade intelectual para o Brasil na área de microeletrônica avançada. Trabalham no centro de desenvolvimento mais de 100 engenheiros dedicados a projetos de circuitos eletrônicos integrados e semicondutores para usos em radiofrequência, comunicação sem fio e multimídia digital. Segundo Mercadante, as instalações já receberam investimentos do governo de R$ 500 milhões e serão necessários cerca de R$ 90 milhões por ano para manter a estrutura em funcionamento.

O Ceitec está instalado em Porto Alegre (RS), em terreno de 9,6 mil metros quadrados, sendo 5,1 mil metros quadrados de área construída. A capacidade de produção estimada é de até 100 milhões de chips por ano.

Mercadante informou que a produção comercial deve ser iniciada com o chip para rastreamento de gado, seguido por outro de logística (identificação de cargas), passaporte e identidade digital e, na sequência, o chip para veículos, que contém dados como números de chassi e Renavam, situação tributária, existência de multas e recall. A partir de 2014 todos os veículos no Brasil deverão usar o chip.

Tecnologia estratégica

“É uma tecnologia complexa, que só 20 países no mundo dominam. Por isso a estratégia é começar pelos dispositivos mais simples, que servirão de base de conhecimento para projeto e produção de microeletrônica mais sofisticada”, explicou o ministro. Hoje o Brasil importa 100% dos chips utilizados nos por diversas indústrias, especialmente a eletroeletrônica e automotiva. Por isso Mercadante avalia que esse é um campo estratégico para sustentar o desenvolvimento tecnológico e industrial do País.



Tags: Aloizio Mercadante, MCTI, Ceitec, chips, semicondutores, desenvolvimento, tecnologia, microeletrônica.

Comentários

  • CARLOS SILVEIRA

    É muito bom a criação de chips nacionais,pois toda a tecnologia eletronica exije cada ves mais chips microchips nanochips e por ai afora se internacinalmente as empresas fabricam porque nós não fabricamos.ha muitos engenheiros e tecnicos competentes em nosso pais.basta que haja investimentos.

  • carlos

    vejo como um monopólio do governo . deixa as empresas entra para competir

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência