Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 22/12/2011 | 13h22

JAC nega a possibilidade de cancelar fábrica

Companhia vai aguardar decreto do governo para iniciar terraplanagem

Giovanna Riato, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Giovanna Riato, AB

A JAC Motors desmentiu a possibilidade de cancelar a instalação de fábrica no Brasil caso o governo não flexibilize as regras da nova política industrial para o setor automotivo. A legislação atual exige 65% de conteúdo regional do Mercosul ou México para que o carro fique isento de pagar o adicional de 30 pontos no IPI, cobrado de modelos importados.

Segundo a Folha de S. Paulo de quinta-feira, 22, Sergio Habib, dono do Grupo SHC e presidente da montadora chinesa para o Brasil, teria dito que pode cancelar a fábrica nacional caso o governo não isente a companhia do imposto majorado assim que a planta iniciar a produção, quando os carros terão cerca de 25% de conteúdo local. O empresário pretende alcançar os 65% de nacionalização em quatro anos. O executivo teria declarado ao jornal que “se a lei não mudar, melhor ter fábrica no México".

Procurada por Automotive Business, a JAC Motors disse, categoricamente, que não tem intenção de cancelar o investimento local. Segundo a empresa, houve falha na interpretação da afirmação de Habib. A intenção do executivo era dizer que ele não iniciará a terraplanagem do terreno reservado para a fábrica, em Camaçari (BA), antes de o governo publicar o novo decreto, que deve trazer um regime diferenciado para empresas que têm investimentos anunciados no Brasil.

Segundo a companhia, não será possível começar a construir a unidade sem saber das novas regras. A intenção é esperar a legislação para então planejar a melhor estratégia para a operação nacional.

O decreto é aguardado principalmente pelas newcomers, que ainda não têm produção nacional, como JAC, Chery e BMW. O governo havia prometido anunciar as novas regras no dia 16 de dezembro, mas a data foi adiada. A publicação deve acontecer apenas no fim do primeiro trimestre de 2012. Com isso, o cronograma da fábrica da companhia poderá sofrer atraso. A intenção era começar a erguer a unidade no ano que vem para iniciar a produção em 2014.

Fiat e JAC na Folha

A polêmica em torno da fábrica começou após a Folha publicar uma declaração de Cledorvino Belini, presidente da Fiat e da Anfavea, no domingo, 18. O executivo teria afirmado ao jornal que “a JAC Motors disse que vai fazer uma fábrica na Bahia com R$ 900 milhões. Fico pensando, mas nós somos idiotas aqui. Gastei R$ 1 bilhão para fazer um carro (o novo Palio), e o cara vai fazer fábrica e produto? O diferencial é o índice de nacionalização. Trabalhamos com índice muito alto e quem está chegando está pensando em índice baixo. Quem entra acha fácil atender (aos 65% de nacionalização exigidos). Pode produzir na Argentina, no México e trazer”.

Em resposta, Habib questionou a postura de Belini como presidente da Anfavea. Na opinião dele, a JAC, que vai se filiar à entidade já no próximo ano, deveria ser recebida positivamente. O empresário teria apontado que Belini “desmereceu os chineses, nivelou todas as marcas por baixo ao dizer que não pensamos em respeitar a legislação nacional”.

A JAC Motors oficializou a instalação da fábrica nacional em novembro. A maior parte do investimento para levantar a unidade será nacional, do Grupo SHC. Cerca de 20% do aporte terá origem chinesa, por meio de transferência de tecnologia. Está previsto o desenvolvimento de um carro totalmente novo para o mercado nacional, com preço abaixo de R$ 40 mil (leiaaqui).



Tags: JAC Motors, fábrica, Fiat, Brasil, nacional, Folha de S. Paulo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência