Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Tecnologia e Engenharia | 16/12/2011 | 20h55

Inovação tem longo caminho no Brasil

Sem desenvolvimento tecnológico crescimento não é sustentável, alerta reitor do ITA

Pedro Kutney, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Pedro Kutney, AB

“O Brasil vai crescer nos próximos anos e esse crescimento já está comprado, o que não está certo ainda é o perfil dessa expansão. O risco maior é o de uma especialização regressiva, com alto consumo de importados e produção de baixo valor agregado.” Assim avalia o atual cenário o professor Carlos Américo Pacheco (foto), reitor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica, o ITA, um dos poucos centros de referência de desenvolvimento de tecnologia no País. “O aumento expressivo da renda sem aumento equivalente da produtividade, como acontece hoje no Brasil, é insustentável no longo prazo. Só a inovação tecnológica pode equalizar essa situação”, disse Pacheco em palestra na sexta-feira, 16, na Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK), em São Paulo.

Para o reitor do ITA, as perspectivas para o Brasil são “excepcionais” no médio e longo prazos. Contudo, o País tem ainda um longo caminho a percorrer para implantar o que chamou de “cultura da inovação” no tecido social. “É um imperativo para a concorrência e 40% do crescimento vai depender do grau de inovações a ser atingido.”

Pacheco lembrou que “inovar é gerenciar riscos” e as empresas só fazem inovação de acordo com sinais econômicos, como câmbio, custo de capital (juros), eficiência industrial, salários e disponibilidade de recursos humanos. O País ainda está aprisionado à armadilha do custo alto de capital e câmbio apreciado. Ao mesmo tempo, o capital humano voltado ao desenvolvimento tecnológico é insuficiente – aqui existem menos de dois engenheiros para cada 10 mil habitantes, enquanto na Coreia do Sul esse índice é acima de 16. Em todos esses aspectos, o Brasil tem situação adversa à inovação. “A política industrial do governo sozinha não consegue sustentar o ambiente de negócios adverso.” O professor defende a maior concessão de incentivos à inovação, “para diluir o risco das empresas e induzi-las a investir”.

Otimismo

Embora veja o futuro com otimismo, Pacheco destacou precisa rapidamente acelerar o passo do desenvolvimento tecnológico para acompanhar o resto do mundo, que avança mais rápido. Para ele, é preciso criar uma agenda econômica para a inovação no País. “Não andamos na mesma velocidade do resto do mundo e não temos uma agenda agressiva de suporte à inovação. Por isso nossa produtividade cresce abaixo das economias desenvolvidas.”

Pacheco avalia que o País tem uma estrutura industrial frágil em pesquisa e desenvolvimento, que fica mais restrita às universidades. Para mudar esse quadro, ele sugere o aprimoramento do sistema nacional de incentivos. “O Brasil melhorou significativamente os incentivos à inovação com a chamada Lei do Bem, mas ainda não é o suficiente. Existe ainda um conjunto importante de melhorias a ser implementado.”

Protecionismo transitório

Sobre o pendor protecionista demonstrado pelo governo nos últimos meses, Pacheco avalia que algumas medidas de proteção são “exageradas” – como o aumento do imposto para veículos importados. “A adoção de defesa comercial não é boa para a competitividade. São medidas direcionadas à velha indústria, que ainda emprega muita gente no Brasil, mas podem ser justificáveis por um período de transição”, disse.

O professor lembrou que a adoção de agendas de desenvolvimento setorial é demorada, enquanto a regulação de mercado pela tributação é bem mais rápida, por isso o governo lançou mão da elevação de tributos para veículos importados. “Não é grande problema se for transitório, como acredito que seja. O mais importante é que sejam criadas cláusulas de incentivo a pesquisa e desenvolvimento da indústria”, finalizou.



Tags: ITA, Carlos Pacheco, indústria, inovação, tecnologia, Câmara Brasil-Alemanha, desenvolvimento.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência