Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 09/12/2011 | 21h15

Governo prevê déficit de etanol

Produção de cana recua 13%

Agência Estado

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Agência Estado

O governo trabalha com uma perspectiva de “saldo zero” de etanol hidratado nas usinas no início da entressafra, em 1º de maio de 2012, ou mesmo de falta do combustível caso o consumo mensal não recue, em média, 9%. O cenário de escassez ocorre pela queda de quase 17% na produção de etanol total prevista nesta safra – eram esperados 27 bilhões de litros e só 22,5 bilhões deverão ser processados, devido ao recuo de 13% na produção de cana-de-açúcar no País, para 553 milhões de toneladas.

Dados expostos na reunião desta semana do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), obtidos pela Agência Estado, mostram que a oferta de álcool hidratado entre novembro de 2011 e abril do próximo ano será de 5,388 bilhões de litros, ou 898 milhões de litros por mês. Como o consumo em outubro foi de 986 milhões de litros e não haverá produção até maio, a demanda terá de recuar, em média, 88 milhões de litros por mês.

Para isso ocorrer há duas possibilidades. A primeira é o reajuste dos já altos preços do biocombustível nas bombas, o que traria a queda no consumo com migração para a gasolina. A segunda hipótese seria a transformação do etanol anidro, misturado em 20% ao combustível de petróleo, em hidratado, por parte das usinas, com a adição de água, para aumentar a oferta.

Equação sem solução

Nos dados expostos esta semana, além do saldo zero de etanol hidratado, o CNPE projeta um superávit de 765,9 milhões de litros de álcool anidro no início da próxima safra, em maio. Mas isso só ocorrerá se a mistura de 20% – que já foi 25% até 1º de outubro – do anidro à gasolina for mantida e se o consumo de hidratado recuar. Contudo, também é preciso considerar que, se a queda na demanda do hidratado trouxer forte migração para a gasolina, necessariamente haverá aumento no consumo do anidro misturado a ela. “Na prática, o governo e o setor ainda não sabem o que fazer com essa equação”, disse uma fonte do CNPE.

Durante jantar da entidade em Brasília, o presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Marcos Jank, reafirmou a constante insatisfação do setor diante das manobras do governo para manter estável o preço da gasolina. Jank critica o “congelamento artificial” em momentos de alta no preço do petróleo e ainda redução de tributos para estabilizar o preço da gasolina. Ele defende que um reajuste no combustível fóssil traria maior incentivo ao uso de etanol e também ao aumento da produção por parte dos usineiros.

Já no governo, a visão é outra. Ministros avaliam que o aumento da gasolina, além de gerar inflação, traria mais dinheiro para o bolso dos usineiros, já que o etanol também subiria de preço até a paridade de 70% do preço da gasolina. Uma saída para o impasse é o pacote de medidas à retomada da produção previsto para ser anunciado ainda este ano, bem como novas regras para a contratação e a formação de estoques do etanol, para evitar desabastecimento na entressafra.



Tags: Etanol, biocombustível, cana-de-açúcar.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência