Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Marketing e Lançamentos | 06/12/2011 | 21h00

Ford amplia gama do Edge e dilui preço maior

Crossover aumentará 5% após alta do IPI

Pedro Kutney, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Pedro Kutney, AB

As 400 concessionárias da Ford no Brasil vão receber até janeiro a linha 2012 do crossover Edge ampliada de três para cinco versões, três delas com tração dianteira (antes só era oferecida a opção AWD, integral) e por isso com preços iniciais menores do que o modelo 2011. Com isso, a Ford conseguiu diluir o aumento das duas versões Edge AWD, que estão cerca de R$ 2 mil mais caras. Mas a empresa já avisa que todos os preços divulgados agora são de pré-venda e só valem para quem encomendar o carro até o próximo dia 15. Depois disso, o Edge sofrerá reajuste de 5% para acomodar parte da elevação de 30 pontos porcentuais do IPI para veículos importados de fora do Mercosul e México, que deve vigorar a partir do dia 16.

“Depois desse período vamos esperar para ver o que o governo vai fazer”, admitiu Lucíola Almeida, gerente de marketing de picapes e utilitários esportivos da Ford Brasil. Isso porque, assim como toda a indústria, a empresa espera pela edição de medidas que poderão isentar do IPI maior as montadoras com planos de investimento em novas fábricas e ampliações no País, o que poderá beneficiar o Edge importado do Canadá.

Pelo sim, pelo não, a Ford tratou de trazer um grande volume de Edge que será nacionalizado antes do dia 15, para evitar a aplicação da nova alíquota do IPI, que pela regra atual subiria de 25% para 55%. A Ford não revela quantos modelos estão em processo de nacionalização, mas sabe-se que deverá ser em torno de mil unidades, para que todos os concessionários tenham boa variedade de versões do novo Edge para vender.

Ambição maior


Ford Edge 2012: aposta no crescimento do segmento de crossovers no Brasil.

Seja com qual preço for, a Ford aumentou bastante suas ambições com o Edge. “Quando lançamos o modelo, no fim de 2008, era mais um carro de imagem para a marca, pois não tínhamos muita quantidade para vender”, lembra Lucíola Almeida. Os volumes aumentaram com linha 2011, cujas vendas de janeiro a novembro (1622 unidades) já cresceram 169% sobre o ano anterior, com perspectiva de fechar o ano com 1,8 mil veículos vendidos. Para Lucíola, o bom desempenho de um carro que custa acima de R$ 120 mil pode ser explicado pela ascensão social no Brasil – as classes A e B tiveram incremento em torno de 9 milhões de pessoas desde 2003 –, com maior número de consumidores que procuram pelo “luxo acessível”.

Também existe maior procura pelos crossover, uma espécie de utilitário esportivo (SUV) mais assemelhado a um automóvel com tamanho avantajado. “O segmento amadureceu. Hoje o brasileiro entende melhor o conceito do crossover, de um carro grande com apelo urbano”, avalia a gerente de marketing. Ela justifica sua tese mostrando a evolução das vendas dos utilitários médios no Brasil, que cresceram 59% desde 2008. A esmagadora maioria desse avanço foi dos crossovers, com alta de 170% nos emplacamentos, enquanto os SUVs evoluíram 13% no mesmo período. Portanto, atualmente a preferência do segmento é pelo que se pode chamar de “jipões urbanos”.

Nesse mercado, o Edge atualmente concorre com oito crossovers e tem 4% de participação nas vendas de utilitários médios no País. Com novos preços e versões, Lucíola espera por aceleração do desempenho, com números maiores que os deste ano. Ela não divulga a projeção da Ford, que provavelmente está colocada além das 2 mil unidades.

A gerente aposta que a versão mais vendida não será a SEL, de entrada (R$ 119,9 mil), mas a Limited FWD, com tração dianteira, por R$ 133 mil, ou R$ 142 mil com teto solar panorâmico. As duas versões Limited AWD, tração integral, deverão ser a menos procuradas devido aos preços bem maiores, de R$ 138 mil ou R$ 147 mil com teto transparente. “O modelo com tração dianteira é uma opção com menor custo de manutenção, maior agilidade nas arrancadas e economia de combustível”, justifica.

Qualidades


Edge tem interior espaçoso e confortável, com bancos de couro de série.

O Edge traz de série todos os confortos e tecnologias do mundo desenvolvido – onde o modelo não é um carro de luxo. Sob o capô há um desnecessariamente potente motor V6 de 3,5 litros e 289 cavalos, considerado “econômico” para os padrões perdulários norte-americanos, que funciona com transmissão automática de seis velocidades.

No interior, o destaque é o sistema de entretenimento, comunicação e navegação Sync de segunda geração – desta vez, finalmente, programado para funcionar com mapas do Brasil e atender comandos de voz em português brasileiro; algo que os modelos anteriores não tinham e que a Ford estuda oferecer a esses proprietários também, em forma de atualização do sistema ainda sem data definida para acontecer.

Com o Sync, o motorista pode conectar o celular via bluetooth e fazer ligações por comando de voz, tanto para um número ditado ou algum que esteja na agenda, além de ler mensagens SMS. O sistema multimídia tem rádio, CD e entradas USB, SD card e A/V, para reprodução de áudio e vídeo. O GPS está integrado com mapas brasileiros que agregam 160 mil pontos de interesse, como bancos, postos de abastecimento e restaurantes.


Na tela de 8 polegadas sensível ao toque (touchscreen) instalada no centro do painel do Edge, o motorista controla (por toque ou voz) a conexão com telefone celular, navegação, climatização e o sistema de som Sony de 390 watts, com 12 falantes e qualidade de home theater. O carro é destravado e ligado apenas pela aproximação da chave, que pode ficar no bolso: para ligar ou desligar o motor é só pressionar o botão de partida.

Outro destaque tecnológico é o sistema My Key, uma chave que pode ser pré-configurada com algumas preferências do motorista. Com ela, é possível limitar a velocidade máxima e configurar alertas sonoros quando se empresta o carro a um filho, por exemplo. A chave funciona com sensor de proximidade para destravar as portas e ligar o carro. E se quiser deixa-la dentro do veículo, para abrir e fechar pode-se digitar uma senha nas teclas instaladas na porta.

Para facilitar as manobras, o Edge vem também com sensor e câmera de ré, com alerta de tráfego cruzado, para o caso de algum carro estar passando quando se está saindo de uma vaga de estacionamento. Os retrovisores estão equipados com monitor de ponto cego lateral.

O Edge também tem um amplo pacote de segurança ativa, com seis airbags e tencionadores de cintos controlados por sensores de peso e colisão, que calibram a intensidade de explosão das bolsas e ajustam os bancos de acordo com a severidade do acidente e o tamanho dos ocupantes do veículo. O carro também tem freios com ABS e controle de estabilidade.

Assista à entrevista exclusiva de Lucíola Almeida, gerente de marketing de picapes e utilitários esportivos da Ford, à AB webTV:



Tags: Ford, Edge, crossover, SUV, utilitário, lançamento.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência