Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 30/11/2011 | 08h20

Volvo começa a produzir câmbio automatizado em Curitiba

Montadora investiu R$ 25 milhões para nacionalizar I-Shift

Giovanna Riato, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Giovanna Riato, AB
De Curitiba


A Volvo realizou na terça-feira, 29, a cerimônia de inauguração da linha de produção do câmbio automatizado I-Shift e dos motores de 11 litros na fábrica de Curitiba (PR). A unidade recebeu aporte de R$ 25 milhões para nacionalizar os componentes. A quantia integra o investimento de US$ 250 milhões que a companhia anunciou para o Brasil de 2009 a 2011 (leia aqui).

Comercializada no País desde 2003, a caixa automatizada era importada da Suécia, única fábrica do mundo que produzia o componente até agora. “Seremos a primeira operação fora da Europa a fabricar o I-Shift. Isso destaca a importância do Brasil para a empresa no cenário mundial”, explica Nilton Roeder, diretor de powertrain da Volvo.

A linha brasileira terá capacidade produtiva para 13 mil unidades por ano em um turno de trabalho para o câmbio automatizado e para 11 mil/ano em cada turno para o motor de 11 litros. Inicialmente a empresa espera que as vendas do I-Shift superem 10 mil unidades anuais para caminhões e 500 para ônibus. Os volumes devem avançar principalmente no segmento semipesados.

A tecnologia já equipa 80% dos caminhões pesados da linha F vendidos pela montadora na região. “Em poucos anos esperamos que essa participação cresça para 95%”, almeja Bernardo Fedalto, gerente de vendas dos produtos da gama. A parcela de 5% será destinada às aplicações que exigem configuração manual.

Custos de produção

A companhia preferiu não detalhar as diferenças de competitividade entre produzir no Brasil e na Suécia mas afirmou que, com a nacionalização, conseguiu segurar o preço do I-Shift. “Estávamos importando a 2ª geração do componente. A produção local será da 3ª geração, que sofreria um aumento de preço se fosse importada”, detalha Roeder.

Inicialmente a caixa fabricada no Brasil terá cerca de 30% de conteúdo nacional, porcentual que deve avançar gradativamente. O preço, que permanecerá entre R$ 15 mil e R$ 20 mil, inclui também freios ABS e, segundo a empresa, é recuperado rapidamente pelo cliente. A Volvo defende que a caixa amplia a eficiência do caminhão, com redução de 5% no consumo de combustível e aumento da vida útil de diversos componentes, como embreagem e pneus.

A montagem na Europa tinha vantagem na escala, de 120 mil caixas por ano. No entanto, a montadora destaca que a nacionalização permite mais flexibilidade e agilidade e já era necessária para acompanhar o crescimento das vendas do componente no Brasil. A produção local também vai atender as exportações de veículos completos da marca para o México.



Tags: Volvo, fábrica, I-Shift, inauguração, câmbio, produção.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência