Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 22/11/2011 | 12h10

Endividamento cai e intenção de compra cresce

Movimento foi detectado pela Confederação Nacional do Comércio

Automotive Business com Agência Brasil

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Redação AB com Agência Brasil

O endividamento das famílias brasileiras caiu pelo sexto mês consecutivo em todo o país. A conclusão é da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada na segunda-feira, 21, pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Entre os entrevistados para o estudo, 59% das famílias declararam ter dívidas de cheques pré-datados, cartões de crédito, carnês de loja, empréstimos pessoais, prestação de carro e seguros. Em outubro esse percentual era 61,2%. O indicador tem leve recuo também em relação a novembro de 2010, quando 59,8% reportaram dívidas.

O número de famílias que declarou não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso voltou a cair em novembro, após leve alta em outubro, de 8,2% para 7,3%. No mesmo mês de 2010, o índice era de 9%. O percentual de famílias endividadas recuou em ambas as faixas de renda pesquisadas. No grupo inferior a dez salários mínimos, o número chegou a 60,4% este mês, ante 62,9% em outubro. Em novembro do ano passado o percentual era 62,2%.

Para as famílias com renda mensal superior a dez salários mínimos, o nível de endividamento recuou de 50,5% dos entrevistados em outubro para 48,9% em novembro. O porcentual ainda é superior ao observado em há um ano, quando 45,1% das famílias nessa faixa de renda declararam ter dívidas.

O cartão de crédito foi apontado como um dos principais tipos de dívida por 73,2% das famílias, seguido por carnês (25,8%) e crédito pessoal (12,7%). Para as famílias de renda de até dez salários mínimos, 73,4% apontavam o cartão de crédito, 27% o carnê e 12,7% o crédito pessoal. Já para o grupo de renda acima de dez salários mínimos, as principais dívidas foram: cartão de crédito (71,7%), financiamento de carro (22,4%) e carnês (14,1%).

Intenção de consumo em alta

Contrapondo a redução do endividamento, o estudo da CNC detectou leve expansão de 0,3% na intenção de consumo das famílias em novembro na comparação com outubro. Apesar de ser a segunda alta consecutiva do indicador, o avanço não reverteu a queda no ritmo de consumo. A intenção de consumo das famílias caiu 1,2% no reajuste anual.

A tímida evolução do índice nacional foi impulsionada pelas capitais dos estados do Centro-oeste, Norte e Nordeste, com variações positivas de 8,8%, 0,4% e 0,4%, respectivamente. A confiança das famílias que ganham mais de dez salários mínimos aumentou 1,3% e foi a maior contribuição para a manutenção do índice. Já a intenção de consumo das famílias com renda até dez salários mínimos apresentou elevação de 0,2%.

A confiança no mercado de trabalho também contribuiu para a sustentação do índice, de acordo com a pesquisa. Ainda que em menor ritmo, as famílias entrevistadas estão mais confiantes com o emprego e a renda. Cerca de 51% se sentem mais seguras com a situação do emprego em relação ao total de outubro.



Tags: economia, endividamento, família, inadimplência.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência