Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 17/11/2011 | 18h35

Bahia trabalha para reabrir incentivo federal

Governador defende medida para atrair montadoras

Pedro Kutney, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Sergio Habib, do Grupo SHC, Jaques Wagner, governador da Bahia, e She Cairong, gerente geral da JAC Motors International, na cerimônia que confirmou a instalação da montadora chinesa em Camaçari: mais incentivos podem vir. (Manu Dias/Secom)

Pedro Kutney, AB
De Salvador


A exemplo do que foi feito para a Ford em 1999 e 2009, e para a Fiat no ano passado, os governos da Bahia e de Pernambuco defendem a reabertura dos incentivos fiscais federais para atrair mais empresas do setor automotivo para a Região Nordeste. “Sem esses incentivos ficou mais difícil atrair novos empreendimentos para cá”, disse a Automotive Business o governador baiano Jaques Wagner, pouco depois da cerimônia de assinatura do acordo que trará, depois da Ford, a segunda montadora para o Estado, a chinesa JAC, com 80% do investimento de R$ 900 milhões feito pelo sócio brasileiro Sérgio Habib, dono do Grupo SHC e importador da marca no Brasil (leia aqui).

“Eu e o governador de Pernambuco (Eduardo Campos) enviamos uma carta à presidente Dilma (Rousseff) pedindo a reabertura desses incentivos no âmbito do novo regime automotivo (que está em estudo pela equipe econômica do governo em Brasília). Realmente não sei se seremos atendidos, mas pedimos”, revelou Wagner.

O governador lembrou que sempre defendeu um “recorte regional” com a oferta de condições especiais para promover o desenvolvimento industrial da Região Nordeste, mesmo ainda nos anos 90, quando era deputado federal e foi voto vencido no Partido dos Trabalhadores (PT) – que na época foi contra a concessão de benefícios para a Ford se instalar em Camaçari, após a empresa ter desistido de erguer uma fábrica em Guaíba (RS) com a recusa do governador petista Olívio Dutra em conceder os descontos tributários oferecidos pelo governo anterior.

Articulação por benefícios

Em 2009, já governador da Bahia, Wagner teve papel fundamental para convencer o então presidente Lula a prorrogar até 2015 os benefícios fiscais que a Ford recebeu para se instalar em Camaçari, que terminariam em 2010 (entre outros, a montadora tem isenção quase total de IPI). Em dezembro de 2010, o governo reabriu essa janela para a Fiat, oferecendo os mesmos incentivos do regime automotivo da década de 90, para viabilizar a nova fábrica da empresa em Pernambuco, que começa a ser construída este ano na cidade de Goiana.

“Eu sempre defendi a concessão de incentivos para compensar as deficiências locais e assim atrair as indústrias para o Nordeste, mas claro que hoje essas condições são bem melhores, já existe oferta de mão-de-obra qualificada, a logística melhorou, alguns fornecedores vieram e outros estão vindo”, reconheceu o governador. “E também é preciso lembrar que o mercado regional cresceu e muitos carros produzidos aqui são vendidos aqui mesmo.”

Wagner espera que a decisão da JAC em se instalar na Bahia sirva para incentivar o governo federal a conceder alguns benefícios. “Com o produto real na mão fica mais fácil passar o chapéu”, disse. “É preciso diferenciar os dois tipos de atores que estão jogando esse jogo: há os que querem só importar produtos e outros que querem importar mas decidiram produzir aqui também. Esses merecem tratamento diferenciado, pois trazem investimentos ao País”, defende.

Negócios perdidos

O governador baiano garantiu que o Estado não entrará em leilões de incentivos estaduais para atrair fábricas, usando uma figura de linguagem para definir sua estratégia: “Só iremos até onde a mão alcança o chapéu.” Por causa desse “limite”, Wagner revelou que a Bahia já perdeu duas montadoras recentemente.

“Com a Toyota batemos na trave, porque eles têm uma estratégia mais conservadora e preferiram ficar próximos dos fornecedores em São Paulo”, contou Wagner, referindo-se à nova fábrica que a japonesa ergue em Sorocaba (SP). “Com a Nissan também passamos perto. Chegamos a sobrevoar de helicóptero com representantes deles o terreno onde poderiam construir a fábrica aqui. Mas aí perguntaram se poderíamos conceder mais incentivos. Como não podíamos, decidiram ir para outro Estado”, revelou.

A montadora escolheu Resende, no Rio de Janeiro, onde segundo fontes receberá generoso desconto de ICMS, que seria transformado em títulos e oferecidos à própria Nissan com grande deságio. “É preciso considerar que não podemos oferecer benefícios que podem ser questionados depois na Justiça e acabam se transformando em ônus tanto para o Estado como para a empresa”, defendeu Wagner.



Tags: Nordeste, incentivos, Bahia, Pernambuco, JAC, Grupo SHC, Ford, Camaçari, fábrica, investimento, Fiat, Jacques Wagner.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência