Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Powertrain | 17/11/2011 | 16h25

Eficiência energética traz revolução nos motores

Importados e legislação levam a renovação do powertrain.

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Motor Sigma produzido pela Ford em Taubaté, SP

Paulo Ricardo Braga, AB

Apenas Honda e Toyota responderam o questionário enviado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) em recente pesquisa sobre eficiência energética dos veículos comercializados no Brasil. O levantamento, que incluiu onze das principais marcas no ranking de vendas do primeiro semestre, recorreu a informações do mercado, canais de atendimento das empresas e websites para, afinal, concluir que os produtos locais estão longe de atender as expectativas no aproveitamento dos combustíveis.

O envelhecimento de nossos motores explica a relutância dos fabricantes em oferecer informações sobre eficiência energética, tema considerado relevante no MDIC e no ministério da Ciência e Tecnologia. Existe, nos ministérios, a intenção de promover a novo patamar o estágio tecnológico dos produtos automotivos locais, com maior rendimento do powertrain e redução de emissões.

Os fabricantes já sabem desse aperto na legislação e se preparam para responder às novas exigências, que podem ser atendidas voluntariamente e, em segunda fase, marcadas por obrigações e padrões rígidos a serem conhecidos publicamente. Há também aspectos concorrenciais em jogo, como evidencia a contratação do ex-ministro do Desenvolvimento e agora consultor Miguel Jorge pela Abeiva, associação dos importadores sem fábricas no Brasil, para tirar da gaveta o projeto de tributação de veículos baseada na eficiência energética e emissões de CO2. A explicação para esse interesse é simples: carros importados de bom nível têm motor eficiente.

Todos os fabricantes de motores estão empenhados em projetos de modernização, com a introdução de tecnologias de injeção direta, turboalimentação, comandos de válvulas mais eficientes, redução de atrito, start stop e outros recursos já disponíveis em carros importados de alta performance. Esse desenvolvimento é feito em segredo, já que o powertrain é considerado core business das marcas, e há poucas informações disponíveis a respeito.

Downsizing

Sabe-se que os novos motores se enquadrarão à tendência internacional de downsizing, ficando mais compactos e eficientes. Uma das regras será a opção por 3-cilindros, com blocos de ferro ou alumínio, considerados adequado na faixa de 0.8 a 1.2 litro.

A PSA Peugeot Citroën avança rápido nessa direção, com opção de injeção direta ou turboalimentação em 1.2 litro, com bloco de alumínio. A Ford não fica atrás e acaba de anunciar R$ 500 milhões para a linha do Sigma, em Taubaté, SP, que na verdade beneficiará a produção do compacto Fox, 1.2 litro e 3-cilindros, provavelmente com bloco de ferro.

A Fiat chegou a avaliar o uso do 2-cilindros avançado que emprega na Europa, com o sistema Multiair, mas seu New Small Engine deve ter 3 cilindros, com capacidade de 1.0 e 1.2 litro. O bloco? Se for de alumínio representaria uma absoluta novidade para as marcas Fiat e Alfa Romeo, que utilizaram até hoje apenas blocos de ferro. Embora Cledorvino Belini, presidente da Fiat Chrysler América do Sul tenha admitido a construção de uma fábrica de motores em Pernambuco, junto à nova fábrica, a empresa não chegou ao programa definitivo, que pode ou não ter uma fundição em Goiana.

A Volkswagen trabalha ativamente no desenvolvimento local da família EA 211, que trará versões 1.0, 1.4 e 1.6 litro. Para alinhar a plataforma globalmente, é possível que os blocos sejam de alumínio e os projetos incluam recursos de turboalimentação e injeção direta. Os motores serão montados na unidade de São Carlos, SP. Na Alemanha a marca fabrica propulsor 1.2 de 3 cilindros aspirado e 1.2 TSI de 4 cilindros; o 1.4 alemão de 4 cilindros é TSI.

Diesel e elétricos

Os responsáveis pelo powertrain dos novos veículos têm outros desafios a enfrentar. Um deles é a oferta de veículos com propulsor diesel que se enquadrem na legislação atual. Seria o momento adequado para incentivar a comercialização de jipes e SUVs que dependem da disponibilidade de combustível limpo, S50? É possível confiar na agilidade da ANP e da Petrobras para estender uma rede de postos com bombas de diesel S50, indispensável aos motores Euro 5, que atenda às expectativas de proprietários de carros a diesel e frotistas de caminhões leves, como os VUCs?

Caberá ao governo, em paralelo à criação das bases para uma política de eficiência energética, desenvolvimento tecnológico e inovação, definir o que pretende de fato no campo de veículos híbridos e elétricos. Mitsubishi, Renault Nissan e Toyota já manifestaram a intenção de estabelecer bases locais no campo da eletrificação, mas só o farão com regras claras e incentivos apropriados para trazer o I-MiEV, Leaf, Prius híbrido e outros modelos.

A própria Fiat Automóveis deixou claras as dificuldades enfrentadas para montar cinquenta unidades do Palio Weekend elétrico e atender programa da Itaipu Binacional. Outras iniciativas locais, sem futuro promissor no cenário atual, dependerão de programas concretos e com propósitos definidos, em mercado claramente favorável ainda ao powertrain flex.

IPI equivalente ao de veículos com motor de um litro, eliminação de restrições à circulação em grandes metrópoles, IPVA favorável (em São Paulo e Rio de Janeiro veículos a gas ou etanol puro pagam apenas 3% do valor) e facilidade na importação de componentes sem similar nacional seriam apenas algumas das possibilidades para alimentar iniciativas na área de elétricos. Na aquisição haveria, ainda, um desconto por conta da inovação e benefício ao meio ambiente, equivalente ao praticado em países europeus, Estados Unidos e Japão.



Tags: Honda, Toyota, Idec, MDIC, MCT, Abeiva, powertrain, motores.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência