Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Elétricos e híbridos | 10/11/2011 | 12h25

Carros elétricos: modelo europeu de recarga pode ser adotado no Brasil

Projeto português tem parceria da Aliança Renault Nissan

Giovanna Riato, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Giovanna Riato, AB
De Lisboa, Portugal


O Brasil pode receber nos próximos anos o Mobi.e como uma das soluções para viabilizar carros elétricos. O sistema integra em uma única plataforma diversas soluções e informações sobre a recarga de modelos com a tecnologia, com facilidades como um único cartão que pode ser usado em diferentes equipamentos de abastecimento, informações on-line sobre os postos mais próximos e históricos de gastos com energia.

A novidade está em estudo na Prefeitura de São Paulo como uma das possibilidades para estimular a diversificação das fontes de energia da frota. A cidade assinou um protocolo de intenções com a Aliança Renault Nissan, para analisar a compra de carros elétricos da companhia para frotas públicas. O projeto, parceiro das montadoras, pode chegar ao País ao mesmo tempo que os veículos.

Sistema unificado

Desenvolvido em Portugal, o Mobi.e pretende padronizar o serviço de abastecimento para o cliente, que não precisará trabalhar com concessionárias diferentes em cada região em que estiver. Além disso, com a tecnologia, o país pretende romper uma das grandes barreiras ao avanço do carro elétrico: a insegurança do cliente. “Mais do que a eletricidade em si, as pessoas buscam informações sobre onde poderão abastecer e se há uma rede disponível e estruturada”, acredita João Dias, um dos responsáveis pela implementação da novidade.

No sistema, o cliente conta com recursos para atender a essa necessidade. Entre eles está a possibilidade de traçar uma rota no celular e verificar nela quais são os pontos disponíveis. Até o fim de 2011 o sistema contará com 1.300 postos de abastecimento normal e 50 de recarga rápida em 25 cidades.

O investimento na primeira fase foi feito pelo governo português para estimular a eletrificação veicular e reduzir a dependência de petróleo. A intenção é aproveitar a energia elétrica produzida a partir de fontes renováveis, que já representa 53% do total utilizado no país. Entre hidroelétrica e, principalmente, eólica, cerca de 60% da energia da região será renovável até 2020.

A fase inicial de desenvolvimento do Mobi.e durou cerca de dois anos, com o primeiro posto de abastecimento inaugurado em 2009. Entre os principais critérios para o projeto estava a necessidade de oferecer cobertura nacional integrada que, mesmo com equipamentos de recarga distintos, fosse compatível com um único sistema.

A tecnologia precisava ainda ser competitiva e autossustentável. “Quando a plataforma ganhar um volume maior de usuários, os investimentos do governo não serão mais necessários”, explica Miguel Pinto, representante da Inteli, uma das empresas envolvidas no projeto. Com isso, o programa pretende igualar os custos dos veículos elétricos, entre compra do carro e gastos com o uso diário, com os dos modelos a combustão.

Além do criterioso processo de desenvolvimento, o projeto deve ganhar força impulsionado por uma série de outras iniciativas. A primeira delas é a liberação de incentivos fiscais, como o desconto de € 5 mil para os primeiros 5 mil elétricos emplacados no país. “Esse estímulo só não esgotou até agora porque faltam veículos para ser comercializados, há fila de espera”, conta Pinto. Outras ações são o mapeamento do potencial do mercado do segmento e a meta de substituir 20% da frota portuguesa por carros elétricos.

Expectativas

Depois de ser o primeiro país da Europa com um sistema do gênero, Portugal deve levar o Mobi.e para outras regiões do continente. “A partir de janeiro de 2012 começamos a integrar diversas outras redes ao sistema”, revela Miguel Pinto. Por enquanto, o volume de clientes é pouco expressivo, já que o país tem apenas 400 carros elétricos. A expectativa, no entanto, é que o projeto esteja disponível para acompanhar o crescimento dessa frota. Os modelos com a tecnologia devem representar 10% das vendas totais de veículos no mundo em 2020.

A plataforma já recebe incrementos para funcionar com mais eficiência. “Temos um estudo em curso sobre os hábitos dos usuários de energia para chegarmos a perfis de consumo e carregamento”, conta. A partir desse levantamento serão desenvolvidas smart grids, redes inteligentes em que o usuário pode programar a recarga do carro em horários de baixa demanda de energia (há locais em que a tarifa é menor de madrugada, por exemplo).

A ideia é que o cliente agende o carregamento pelo celular ou computador. “A pessoa informa a quantidade de energia que precisará e em qual horário. A partir disso o próprio sistema define a melhor forma de recarga com o menor custo”, explica Pinto. Junto a este recurso o Mobi.e também deve tornar disponíveis, em breve, informações sobre os gastos com o carro e ainda sobre as emissões de poluentes geradas no ciclo de abastecimento.

Renault

A Renault prepara o terreno para a chegada da sua linha de carros elétricos ao mercado. Por conta da parceria com as empresas responsáveis pelo Mobi.e, a companhia escolheu Portugal para o lançamento de dois modelos da nova gama, o Kangoo Z.E. e o Fluence Z.E., que serão apresentados nesta quinta-feira, 10. A empresa também trabalha com outras soluções para viabilizar os modelos no mercado, como um sistema de troca de baterias, feito em parceria com a empresa israelense Better Place. A ideia é que, quando não há tempo para reabastecer a energia do carro, o usuário troque a bateria do veículo por uma carregada. A substituição, segundo a montadora, leva um minuto e meio.



Tags: Mobi.e, Portugal, elétricos, Miguel Pinto, Inteli, Better Place, Renault, Kangoo Z.E., Fluence Z.E..

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência