Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 07/11/2011 | 16h10

Vendas de carros aceleram nos primeiros dias de novembro

Na sexta-feira, 4, mercado alcançou a marca de 3 milhões de emplacamentos em 2011

Giovanna Riato, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Giovanna Riato, AB

As vendas de veículos bateram 3 milhões de unidades na última sexta-feira, 4, segundo a Anfavea, associação dos fabricantes do setor. “Encerramos o dia com exatamente 3 milhões e 14 unidades”, comemorou Cledorvino Belini, presidente da entidade. Para ele, a marca comprova a força do mercado brasileiro.


-Clique aqui para fazer download dos dados da Anfavea


O número também evidencia o ritmo acelerado de vendas no início de novembro. Nos três primeiros dias úteis do mês, até sexta-feira, foram comercializadas 36.277 unidades. O aquecimento pode ser reflexo do ponto facultativo do dia 28 de outubro, quando alguns Detrans não trabalharam e houve redução dos emplacamentos.

A redução abrupta dos licenciamentos no dia 28 refletiu no resultado de outubro, que encerrou com queda de 10% nas vendas na comparação com setembro, para 280,5 mil unidades. O volume foi ainda 7,5% inferior ao anotado no mesmo mês do ano passado. No acumulado até 31 de outubro, houve avanço de 5,6%, ritmo de crescimento próximo ao projetado pela Anfavea para este ano, de 5%.

A média diária também sofreu retração, de 5,5%, para 14.028 veículos. Apesar disso, o volume não fica distante do registrado a partir de maio, quando o mercado se estabilizou em novo nível, após o impacto das medidas macroprudenciais adotadas pelo Banco Central. No acumulado dos 10 meses do ano o ritmo diário de emplacamentos cresceu 5,1% sobre o mesmo intervalo de 2010, para 14.178 mil unidades.

“O primeiro semestre do ano passado foi lento e o segundo bastante acelerado. O que percebemos até agora é que 2011 está mais uniforme”, avalia Belini. Entre as razões para o desempenho equilibrado, o presidente enumerou o aumento de 1,3 ponto porcentual na taxa de juros e a evolução da inadimplência, que está em 4,4% no setor. “É importante lembrar que o índice ainda é inferior ao anotado na economia em geral, de 6,8%. Nós também acreditamos que este é um pico e que o indicador apontará para baixo nos próximos meses”, defende.

Fim de ano aquecido

Em coletiva de imprensa na segunda-feira, 7, Belini mostrou otimismo como em poucos encontros anteriores. Com as vendas aceleradas no início de novembro, o executivo não enxerga muitos obstáculos para que o setor cumpra a projeção da entidade para este ano, de comercializar 3,69 milhões de unidades. “Seguramente ficaremos entre 3,6 milhões e 3,7 milhões”, acredita.

O nível de estoques, em crescimento nos últimos meses, teve redução em outubro se consideradas as unidades, de 378,8 mil para 374,3 mil veículos. Apesar disso, o número de dias, entre indústria e concessionárias, aumentou de 36 para 40, o maior nível desde novembro de 2008, quando os estoques chegaram a 56 dias.

O avanço não causou preocupação no dirigente da Anfavea. “O aumento da renda no fim do ano, com a chegada do 13º salário, traz uma aceleração das vendas. Algumas empresas já se preparam para isso”, explica. Belini destacou ainda que o setor será impulsionado pela expansão do crédito prevista para o Brasil. As operações do Sistema Financeiro Nacional (SFN) deverão crescer 17,1% em 2011 e 15,5% no próximo ano, de acordo com a Febraban, Federação Brasileira de Bancos.

Assista à entrevista exclusiva com Cledorvino Belini, presidente da Anfavea:



Tags: Anfavea, veículo, carro, venda, emplacamento, licenciamento.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também