Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Caminhões e Ônibus | 05/11/2011 | 18h11

Mercado avalia P7 e combustíveis verdes

Grande frotista será menos prejudicado com a legislação de emissões

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Paulo Ricardo Braga

A Mercedes-Benz projeta aumento médio de 8% para seus caminhões que começarão a ser vendidos com as tecnologias de emissões Proconve 7, equivalentes a Euro 5. Outras marcas podem ir além, promovendo reajustes de 15% ou até mesmo de 20%. Os veículos terão que utilizar diesel S50, mais limpo que os atuais S500 ou S1800, encontrados em diferentes regiões do País, para que o sistema de tratamento de gases resultantes da queima do combustível funcione corretamente, já que é sensível à presença de enxofre. Com exceção da MAN, que utilizará o processo conhecido como EGR (de recirculação de gases), a maioria dos fabricantes adotará o só o SCR (de redução catalítica no escapamento, com uso de Arla 32, solução a base ureia injetada no catalisador).

Se o caminhão ficará mais caro, utilizará diesel com preço presumivelmente superior ao do atual e ainda terá de carregar um tanque suplementar com Arla 32, que vantagem oferecerá em troca? A primeira resposta, evidente, diz respeito ao benefício para o meio ambiente, com uma redução de até 60% nos óxidos de nitrogênio (NOx) liberados na atmosfera. Haverá, ao mesmo tempo, 80% menos material particulado em relação aos motores atuais.

Não é pouco, reconhecem engenheiros e ambientalistas. Os técnicos afirmam que os caminhões terão melhor desempenho, serão 5% ou 6% mais econômicos no consumo, ganharão novos sistemas de segurança, permitirão gerenciar melhor a operação e trarão maior nível de eletrônica embarcada. Para os frotistas fecharem a planilha de custos e avaliar as vantagens na ponta do lápis, no entanto, terão ainda que conhecer o preço do novo diesel e do Arla 32. O pequeno frotista será sacrificado na hora de comprar novos veículos e de aplicar mais recursos no abastecimento. Grandes operadores, mais capitalizados, como a Luft, que possui 650 veículos na frota, sofrerão menos o impacto inicial, que será compensado no médio prazo.

“Sempre fomos receptivos a novas tecnologias, que traduzem mais segurança, maior eficiência dos equipamentos e menor nível de poluentes”, disse Mário Luft a Automotive Business. “As vantagens com menor consumo e maior eficiência no transporte compensarão o investimento inicial e as despesas com diesel e ureia”, assegura. Ele aposta, também, que o repasse de preços aos novos veículos será mínimo, limitando-se aos 5% de praxe na virada do ano.

Combustíveis verdes

O uso de biocombustíveis vem sendo testado como alternativa para diminuir o impacto sobre o meio ambiente. Praticamente todos os fabricantes têm feito testes com combustíveis verdes como biodiesel, etanol ou diesel de cana. A Mercedes-Benz testou com sucesso o emprego de diesel de cana da Amyris em frota de ônibus e a MAN segue o mesmo caminho com biodiesel de cana desenvolvido pela também norte-americana LS9.

No lançamento da linha 2012, a MAN ressaltou as pesquisas também com sistemas híbridos, utilizando diesel e etanol, com tanques separados, e a tecnologia diesel-hidráulica, para recuperação de energia, guardada em acumuladores. A Iveco também avalia o diesel-etanol. A Scania fornece ônibus urbanos movidos a etanol à prefeitura de São Paulo e recentemente lançou seu caminhão médio P 270 com o mesmo motor etanol. A Volvo promete avançar com um powertrain diesel-elétrico para ônibus, que será produzido em Curitiba (PR).

Renovação de frota

Em evento promovido pela Anfavea durante a Fenatran, em São Paulo, para debate sobre diesel e emissões, o presidente da NTC & Logística, Flávio Benatti, reclamou na demora para o setor conhecer o preço do S50 e da solução de ureia. Ele enfatizou a importância de se promover esforços para renovação da frota de caminhões. “Não se trata apenas de reduzir emissões, já que a maior parte da frota é velha, mas de segurança em ruas e estradas”, explicou, lembrando que apenas um terço da frota chegou ao P5 (Euro 3) - o restante tem níveis de emissões bem maiores, correspondentes às etapas anteriores do Proconve. Durante o encontro ele insistiu que vem tentando levar a questão ao governo, sem sucesso.

Benatti demonstrou, ainda, preocupação com o recuo da Argentina na evolução da legislação de emissões para Euro 5. Com o atraso formal de um ano no programa, que deverá entrar em vigor apenas em 2013, Benatti manifesta preocupação com a disponibilidade de diesel limpo e também de Arla 32 no país vizinho.

A Fecombustíveis tem alertado sobre as dificuldades encontradas pelos distribuidores com o biodiesel, adicionado à razão de 5% ao diesel antes de chegar às bombas. Paulo Miranda Soares, presidente da entidade, assegura que o biodiesel comercializado no Brasil precisa de ajustes urgentes na especificação técnica, junto com a revisão das normas de manuseio e armazenagem do produto. Ele explica que há estudos em andamento e condena iniciativas para elevar o volume de biodiesel adicionado ao diesel.

Miranda disse ter sido alertado por clientes dos postos, que apresentaram laudos de oficinas e concessionárias e solicitaram ressarcimento por reparos em seus veículos, supostamente decorrentes da má qualidade do combustível.



Tags: Proconve P7, Euro 5, emissões, SCR, EGR, NTC.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência